Dicas Para Aprender InglêsPodcast

Sistema de Repetição Espaçada no Inglês: o que é e como funciona?

O que é o Sistema de Repetição Espaçada? Como funciona esse tal Sistema de Repetição Espaçada no inglês? Será que realmente funciona? Quais os melhores aplicativos de sistema de repetição espaçada que ajudam a aprender inglês?

Enfim, essas perguntas e muitas outras são bem comuns entre estudantes de inglês. uma rápida busca no Google mostra inúmeros sites dando informações a respeito e até “vendendo” essa ideia como método milagroso para ser fluente em inglês em 3 meses. Mas, qual é a verdade sobre esse tal de Spaced Repetition System (SRS)?

É isso que vamos falar a respeito neste artigo/podcast!

O que é o Sistema de Repetição Espaçada?

Ao contrário do que muita gente acha, o Sistema de Repetição Espaçada não surgiu como método ou abordagem de ensino/aprendizado de inglês.

Na verdade, esse sistema é apenas uma técnica de memorização que pode ser usada para aprender ou memorizar qualquer coisa.

De modo bem simples, essa técnica se baseia na revisão do conteúdo a ser aprendido em intervalos de tempo espaçado.

Isso funciona assim, você estuda um assunto agora. Após, 1 hora, você volta a reler o assunto (ou os pontos principais). Depois, deixa passar mais 2 horas e o lê novamente. Na sequência, conta mais 4 horas e o lê mais uma vez. Deixa passar então mais 8 horas e volta a lê-lo. Você vai aumentando o espaço de tempo entre cada revisão até se sentir confiante e seguro com a memorização daquele conteúdo.

Muitos conhecem isso como Memorização Espaçada, Repetição Programada, Estudo Intervalado, Memorização Intervalada e outros mais.

Como surgiu e qual a base científica disso?

Por incrível que pareça, antes mesmo dos tempos de Cristo, os filósofos e pensadores já faziam uso dessa técnica. Afinal, ela é quase que algo natural para quem quer aprender (memorizar) algo.

No entanto, foi apenas a partir do século 20 que pesquisadores começaram a dar atenção a essa estratégia natural.

A tal curva do esquecimento

Muitos dizem que a origem dos estudos científicos do Sistema de Repetição Espaçada está em 1885 quando o filósofo alemão Hermann Ebbinghaus apresentou ao mundo a sua teoria da Curva do Esquecimento.

Ebbinghaus em seu artigo mostrou que a memória (cérebro) precisa rever o conteúdo de tempos em tempos e assim evitar esquecer aquilo que é importante.

Portanto, para aumentar a retenção (aprendizado) de um conteúdo na memória, a pessoa deveria rever o conteúdo de tempos em tempos e assim ele se seria internalizado na mente (memória).

Estudos mais direcionados

Em 1932, o filósofo e psicólogo britânico Cecil Alec Mace foi o primeiro a estudar mais tecnicamente os efeitos do Sistema de Repetição Espaçada. De acordo com ele, em seu livros Psychology of Study, a revisão de conteúdo deveria acontecer em intervalos de tempo que variassem de 1 dia, 2 dias, 4 dias, 8 dias e assim por diante.

Em 1939, Herbert F. Spitzer, da State University of Iowa, fez um estudo que resultou no artigo Studies in Retention. O objetivo foi comprovar que a retenção de conteúdo na memória pode acontecer com a revisão intercalada do conteúdo em diferentes espaços de tempo.

Já em 1960, os psicólogos cognitivos Melton, Landauer e Bjork também estudaram os efeitos que a revisão intercalada do conteúdo em diferentes espaços de tempo contribuía para a memorização (retenção e aprendizado).

Muitos outros estudos foram feitos para comprovar a teoria do Sistema de Repetição Espaçada. Como não é nosso objetivo aqui avaliar todos os estudos, vamos para por aqui.

Nosso interesse agora se volta ao Sistema de Repetição Espaçada no inglês. Quando e como isso aconteceu?

O Sistema de Repetição Espaçada no Inglês

Em 1964, o americano Paul Pimsleur, estudioso no campo da Linguística Aplicada, começou a fazer uso dessa teoria em um programa de ensino de línguas. Foi aí que teve início o Método Pimsleur.

Claro que esse método foi se aprimorando ao longo dos tempos. Mas, sua base ainda está no Sistema de Repetição Espaçada. Ou seja, você aprende uma palavras ou frase agora. E vai revendo-as em diferentes espaços de tempo com o objetivo de memorizá-las (e usá-las naturalmente)

Aí, você vai dizer,

Ok! Isso lá em 1964 parecia ser uma grande novidade. Mas, qual é a grande novidade nos dias de hoje? Afinal, todo mundo parece fazer isso!

Continua lendo/ouvindo. Voltarei a esse pergunta no final da nossa conversa aqui.

Por ora, quero falar como o Sistema de Repetição Espaçada no inglês funciona na prática.

O Sistema de Repetição Espaçada no inglês em prática

Para você ter uma ideia melhor de como o Sistema de Repetição Espaçada no inglês, vou contar duas coisas que eu fazia quando decidi começar a estudar inglês.

Estratégia 01

Em 1989, quando eu decidi aprender inglês, eu sabia que precisava memorizar palavras, expressões idiomáticas, phrasal verbs, frases usadas em contextos específicos e coisas do tipo.

Portanto, eu tinha de bolar um jeito de anotar, rever e praticar as coisas que aprendia.

Uma das estratégias que eu usava era anotar o nome das coisas em inglês (substantivos) em pequenos pedaços de papel e fixá-los no objeto cujo nome eu queria lembrar. Assim, eu tinha papéis em objetos como mirror (espelho), fridge (geladeira), table (mesa), television (tv), chair (cadeira), etc.

Sempre que eu ficava de frente do objeto, eu via seu nome em inglês e o repetia mentalmente ou em voz alta. Isso me ajudava a memorizar aquelas coisas.

Com o tempo, eu passei a fazer uma lista com os objetos encontrados em determinado ambiente da casa e fixava essa lista em algum local do ambiente.

Por exemplo, na cozinha, eu fixava uma lista na geladeira com o título Things we have in the kitchen. Nessa lista, eu colocava os utensílios de cozinha: plate, fork, spoon, pan, frying pan, colander, skimmer, knive, stove e assim por diante. Sempre que eu ia à cozinha para tomar água, eu lia a lista e procurava lembrar que itens eram aqueles.

Estratégia 02

Outra coisa que comecei a fazer foi anotar expressões, phrasal verbs e até mesmo palavras (collocations) em folhas de blocos de anotações.

Em uma pequena folha, eu anotava o que queria lembrar de um lado e no verso eu escrevia a lápis o significado e alguns exemplos. Por exemplo, de um lado eu escrevia em letras grandes e com caneta bem forte o phrasal verb GIVE UP. No verso, eu colocava a lápis e bem fraco o significado (desistir, parar de) e dois ou três exemplos.

Eu tinha várias folhas assim. Tudo isso eu colocava dentro de um saquinho (daqueles tipo zip-it) e andava com eles por todos os cantos que ia. Esse saquinho, eu chamava de “Things I am learning

Sempre que eu tinha a oportunidade – em qualquer lugar que estivesse – eu pegava esses cartões e os lia aleatoriamente. Eu puxava um cartão de qualquer parte do bloco (deck). Se fosse o cartão escrito GIVE UP, eu tentava lembrar seu significado e os exemplos no verso do cartão.

Conforme o nível de acerto aumentasse, esse cartão ia para um outro saquinho que eu chamava de “Things I already know“.

Vez ou outra, eu pegava os cartões que estavam no saquinho “Things I already know” e os revisava. Se eu não mais lembrasse de algum com tanta certeza, eu o devolvia para o saquinho original.

Ao longo do dia eu estava sempre lendo algo do Things I am learning para memorizar, aprender. Fila de banco, dentro do ônibus indo ao trabalho, no banheiro, ao ficar de bobeira na frente da tv, no momento de bobeira deitado na cama, no chão da sala, na rede… Enfim, sempre que tivesse como, eu pegava os cartões, puxava um e tentava lembrar as informações anotadas.

Nome da técnica secreta…

De forma bem rústica, o que eu fazia – sem saber! – era aplicar o conceito do Sistema de Repetição Espaçada no meu aprendizado de inglês. Afinal, eu estava revendo as palavras (ou lista de palavras) em espaços de tempo intercalados.

Isso me ajudava a reter as informações que eu queria e a desenvolver meu vocabulário em inglês.

Como você pode ver, o Sistema de Repetição Espaçada no ingles é algo que muita gente faz naturalmente desde que o mundo é mundo. Afinal, é uma das técnicas de memorização mais antiga que existe e está relacionada ao ato de revisar o conteúdo estudado de modo mais sistemático.

Isso então nos leva à pergunta que você deve ter feito anteriormente.

» Leia também: Memorizar Palavras em Inglês :: dicas para não esquecer

Se é tão velho assim, qual o grande mistério disso?

Para ser bem sincero não tem mistério nenhum.

O grande ponto aí é que a internetpor meio de uns espertalhões – resolveu popularizar isso como se fosse uma das maiores descobertas do mundo de aprendizado de inglês do anos 2010 até hoje.

Mas, para ser bem sincero, isso não tem absolutamente nada de extraordinário e revolucionário.

Na verdade, eu costumo dizer que o grande mistério está apenas no marketing usado para divulgar isso. É como se fosse um segredo recebido dos ETs e que apenas alguns humanos privilegiados tem conhecimento a respeito e por isso estão aptos a vender a tão “grandiosa descoberta“.

Em resumo, nothing new under the sun!

E os aplicativos de memorização? Ajudam?

Com a chegada dos smartphones e suas lojas de aplicativos, muita gente começou a ganhar dinheiro vendendo, claro, aplicativos.

Assim, muitos foram criados levando em conta o tal do Sistema de Repetição Espaçada. Os mais conhecidos são: Anki, Memrise, Quizlet, Brainscape, Supermemo, Synap e outros tantos.

Entendendo a ideia e fazendo uso desses aplicativos, muita gente que entende muito e marketing e um pouco de inglês viu aí uma oportunidade de transformar esses aplicativos e o Sistema de Repetição Espaçada em método de ensino de inglês online.

Portanto, a fama do Sistema de Repetição Espaçada no inglês se dá devido ao fato de vários “cursos” de inglês onlineprincipalmente os que prometem fluência em 3 meses – usarem isso como método de ensino de inglês.

Em conclusão, o Sistema de Repetição Espaçada no inglês é apenas uma técnica para reter (memorizar) o conteúdo estudado. Nada mais do que simplesmente isso.

Ou seja, nada que um simples bloco de papéis e o uso da inteligente da cabeça aplicada ao aprendizado de inglês não sejam capazes de ajudar você a aprender e ficar com o Inglês na Ponta da Língua.

Tem ainda alguma dúvida sobre esse assunto? Quer saber mais a respeito? Deixe suas palavras na área de comentário aí abaixo e vamos continuar aprendendo.

Take care, guys!

Etiquetas
abordagens e métodos aprender inglês sozinho dicas de memorização em inglês
Botão Voltar ao topo
Fechar