Como eu aprendi inglês! Um resumo da história!

As pessoas sempre me perguntam como eu aprendi inglês. Perguntam isso porque sabem que eu aprendi inglês sozinho. Nunca frequentei um curso de inglês e nem mesmo fiz um intercâmbio. Como minhas amigas e amigos dizem, eu aprendi na marra.

Assim, sempre querem saber coisas como: O que você fez para aprender? Como se organizava? Que material usava? Qual era o seu método de estudos? Como organizava o tempo? Como estudava a pronúncia se não tinha ninguém para ajudar/corrigir?

Enfim, são tantas as perguntas que fazem que eu acredito que daria para fazer um filme explicando cada detalhe. Mas, como Hollywood ainda não sabe da minha história, eu fiz um vídeo no qual conto em resumo como eu aprendi inglês.

Este vídeo está publicado lá no Youtube. Então, você pode assisti-lo por lá ou aqui mesmo no site. É só tocar no player abaixo e ouvir a minha história.

Como Eu Aprendi Inglês (podcast)

Além da versão em vídeo (Youtube), você pode também encontrar esse bate papo em formato podcast. O áudio está abaixo também. Mas, para acompanhar o Inglês na Ponta da Língua nas plataformas de podcast é só clicar na sua favorita abaixo:

Outras dicas para te ajudar

Seguem abaixo outras dicas para ajudar você um pouco mais:

Quer aprender ainda mais?

Se você quiser aprender muito mais, então tenha o livro Inglês na Ponta da Língua – método inovador para melhorar seu vocabulário. Nele você aprende a aprender phrasal verbs, expressões, frases do cotidiano, dicas de como estudar, como se organizar, atividades que podem ser feitas em qualquer lugar e assim manter o inglês ativo na memória e muito mais.

Nessa oferta exclusiva, você receberá o livro em seu endereço e autografado por mim – o autor. Portanto, não perca essa oportunidade. Clique no botão abaixo e fique com seu Inglês na Ponta da Língua.

5 Dicas Para Desenvolver a Fluência em Inglês

Tornar-se fluente em inglês! Este é o desejo de todo mundo que começa a estudar inglês.

A pessoa se dedica por horas e horas. Decora regras e termos gramaticais. Faz inúmeras atividades. Lê textos. Assiste a filmes e seriados. Salva dicas e mais dicas. Enfim, dedica-se. Mas, a tal da fluência parece não acontecer. Por quê?

Quando eu comecei a estudar inglês (sozinho e sem muitos recursos), eu fazia justamente o que a maioria sempre faz. Só que conforme eu fui vendo que aquilo não funcionava tanto, eu comecei a fazer algumas coisas ao longo do meu dia para que minha fluência em inglês fosse se desenvolvendo.

O segredo – se é que podemos falar assim! – não está em estudar apenas uma ou duas horinhas por dia. Na verdade, o que vai fazer a grande diferença é o ato de colocarmos em prática tudo aquilo que aprendemos. A grande pergunta é: como fazer isso?

5 dicas Para Desenvolver a Fluência em Inglês

Nesta dica, compartilho 5 coisas que me ajudaram a desenvolver a fluência em inglês. São coisas simples e fáceis de serem colocada em pratica ao longo do seu dia a dia. Por exemplo, uma dessas coisas que eu fazia era ter um amigo imaginário.

Eu criava diálogos em minha cabeça – às vezes escrevia em um caderno – e os praticava comigo mesmo. Eu até mudava o tom da voz para dar a impressão de que eram duas pessoas conversando. Isso me ajudou muito. Pois, embora fosse algo “falso“, eu consegui memorizar chunks of language que na vida real me foram muito úteis.

Outra coisa que eu fazia era descrever pessoas ou os locais onde eu estava. Por exemplo, se eu estivesse na fila do banco, eu escolhia uma pessoa e a descrevia usando todo o inglês que eu sabia. Quando estava dentro do ônibus indo para o trabalho ou casa, eu descrevia alguém ou mesmo os locais por onde passava.

Pode parecer loucura, mas essas coisas me ajudavam a manter o inglês que eu aprendia. Eu tinha minhas horas formais de estudos com livros e dicionário em casa, mas ao fazer essas coisas fora desses horários fazia com que o meu aprendizado fosse usado de modo mais natural. Assim, eu mantinha meu cérebro “pensando” em inglês mesmo morando no Brasil e sem ter com quem conversar.

» Leia também: Dicas para pensar em inglês

Quer saber quais eram as outras coisas que eu fazia? Então, assista ao novo vídeo em nosso canal no Youtube. Depois de assistir, deixe lá o seu comentário. Clique na imagem abaixo!

Assista ao vídeo para aprender mais!

5 Dicas Para Desenvolver a Fluência em Inglês

Lembre-se: você não precisa colocar essas 5 coisas em prática de uma só vez. Escolha uma e acostume-se com ela. Depois, pegue outra e vai se acostumando com ela também. O objetivo é fazer com o inglês que você aprende seja usado fora do ambiente formal de estudos. Tenho certeza que isso fará uma grande diferença no desenvolvimento de sua fluência.

Well, that’s it! I really hope you enjoy the tips! So, take care and keep learning.

Best wishes,

Prof. DenilsoInglês na Ponta da Língua

Quer melhorar o listening!? Estude a pronúncia do inglês!

Quer melhorar o listening!? Quer desenvolver aos poucos e naturalmente a sua habilidade de ouvir inglês!? Você tem problemas para entender o inglês falado em filmes, seriados, músicas ou conversas ao vivo!?

Claro que você quer melhorar o listening! Afinal, de nada adianta estudar inglês e ser incapaz de entender o inglês falado. Mas, o que fazer para transpor essa barreira?

No vídeo abaixo, eu – prof. Denilso – falo sobre uma coisa que todos estudantes de inglês deveriam começar a aprender desde cedo desenvolver o listening naturalmente.

Trata-se da pronúncia! Ou seja, aprender/estudar a pronúncia do inglês ajuda a desenvolver o listening, mas infelizmente as pessoas – professores e estudantes – estudam/ensinam a pronúncia de modo errado.

Como assim!?

Assista ao vídeo e você entenderá isso!

Quer melhorar o listening!? Aprenda a Pronúncia!

The idea in short!

Para você que está muito sem tempo para assistir ao vídeo, vou resumir a ideia aqui.

Quer melhorar o listening?

Geralmente, as pessoas estudam a pronúncia do inglês focando apenas nos sons do inglês isoladamente. Assim, passam horas e horas praticando os sons do TH em inglês, ou a diferença entre bitch e beach, ou como pronunciar can e can’t e coisas assim.

Embora essa coisa de aprender os símbolos fonéticos do inglês e como pronunciá-los seja interessante, eu costumo dizer que não é assim tão importante. Por quê?

Quando conversamos com alguém os sons isolados são colocados juntos e acabam mudando muito. Assim, no inglês da vida real, ocorrem fenômenos que podem mudar o modo como tudo é colocado junto.

Por exemplo, você pode aprender a pronunciar a sentença abaixo da melhor maneira possível:

  • What are you going to do tomorrow?

Mas, na vida real – o que você vai ouvir com mais frequência – não é as pessoa dizendo essa sentença palavra por palavra e com os sons sendo pronunciados cuidadosamente. O que você certamente ouvirá será algo como:

  • Whatcha gonna do t’morrow?

Você pode aprender algo como “I’m going to talk to her about that“. Mas, na vida real as pessoas falarão algo como “Imna talk t’ ‘er ‘bout that’“.

Portanto, se você quiser melhorar o seu listening em inglês, você deve estudar/aprender essas características da pronúncia.

Isso não é só para avançados?

Quando eu apresento essa ideia, muitos estudante e professores defendem o fato de que isso deve ser algo apenas para estudantes de nível intermediário ou avançado.

I totally disagree! Why?

Por que quanto mais cedo, você, estudante de inglês, começar a aprender como o inglês é realmente pronunciado na vida real, melhor será o seu listening.

Durante minha carreira como professor de inglês (mais de 25 anos!), eu aprendi isso aos poucos. No começo, eu achava extremamente importante focar o ensino e o aprendizado nos sons de modo isolado.

Minha experiência como professor

Eu passava um bom tempo das aulas demonstrando como fazer os sons da língua inglesa. Eu focava muito no ensino do alfabeto fonético do inglês. Meus alunos tinham dificuldades para fazer as atividades de listening e isso frustava não só os alunos, mas a mim também.

Um belo dia, resolvi mudar! Passei a ensinar mais essas características mais “avançadas” da pronúncia aos alunos de nível básico (iniciantes). O resultado foi fantástico.

A capacidade de entender o que era dito nas atividades começou a ficar mais fácil para eles. Quando chegaram aos níveis mais avançados, eles tinham mais facilidade para entender músicas, filmes, conversas reais, etc. Eles também tinha uma pronúncia muito mais natural do que aqueles estudantes que focavam demais nos sons de modo isolado.

Portanto, isso não é apenas para alunos de nível intermediário ou avançado. Estudantes de nível básico podem se sentir muito mais motivados a continuar aprendendo se começarem a aprender isso desde os primeiro passos dentro do inglês.

So, give it a try, will ya?

Aprenda mais

Seguem abaixo outros textos que você pode ler aqui no Inglês na Ponta da Língua para continuar aprendendo mais sobre isso.

Há ainda muitas outras dicas aqui no site sobre isso, então sinta-se à vontade para lê-las e compartilhá-las com seus amigos e amigas.

That’s all for now! Take care and keep learning!

Aprender Inglês com Músicas? É mesmo possível? Como fazer?

Aprender inglês com músicas!? Será que é mesmo possível usar músicas para aprender inglês!? Quando alguém fala sobre esse assunto, o que você pensa a respeito!? Qual sua opinião!? Como você usa as letras de canções conhecidas para estudar inglês?

Essas são perguntas que, vira e mexe, eu recebo aqui no Inglês na Ponta da Língua. Trata-se de um assunto que sempre gera muito interesse.

Eu mesmo tenho respondido perguntas sobre esse tema desde que comecei a dar aulas de inglês. Isso lá em 1994! Depois no Orkut (2005), esse assunto era bastante discutido em nossa comunidade. Aqui no site – desde seu início em 2007 –, eu sempre acabo escrevendo algo a respeito. Veja uma lista de textos sobre o assunto no final desta dica.

Aprender Inglês com Músicas

Agora, para dar continuidade a ele, gravei um vídeo no qual falo novamente sobre aprender inglês com músicas. Logo, se você tem interesse sobre esse assunto, assista ao vídeo abaixo. Eu tenho minhas opiniões sobre o tema. Mas, eu adoraria saber qual sua opinião! Portanto, deixe seu comentário e assim a gente vai poder continuar trocando ideias a respeito.

Aprender Inglês com Músicas

Assista ao vídeo Aprender Inglês com Músicas e aproveite a oportunidade para se inscrever no canal Inglês na Ponta da Língua no Youtube, clicando aqui.

Se não tiver como assistir ao vídeo agora, ouça o áudio abaixo. Você pode também procurar o Inglês na Ponta da Língua em sua plataforma de podcast: Spotify (clique aqui), Google Podcast (clique aqui) ou iTunes (clique aqui).

Leitura Complementar

Abaixo segue alguns textos entrar para você ler e aprender mais.

Lembre-se que aqui no Inglês na Ponta da Língua, há muitas outras dicas sobre os mais variados assuntos. Para encontrar dicas específicas, use a barra de busca. Você vai se surpreender!

I hope you enjoy all these tips. I’m quite sure you’ll learn a lot from them. That’s all I have for now! So, take care and keep learning.

Qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado?

Qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado? Recentemente, fizeram-me esta pergunta. por acreditar que se trata de um assunto interessante, decidi compartilhar algumas respostas aqui.

Então, vamos lá!

Qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado?

Durante muitos anos, esses eram os três níveis usados para classificar os estudantes de inglês.

Boa parte das escolas sempre usou essa nomenclatura em seus programas. Algumas incluem outras nomenclaturas como pré-intermediário, pós-intermediário, pré-avançado, pós-avançado.

Enfim, essa salada de níveis sempre confunde todo mundo. Então, para facilitar, vamos usar como referência um documento conhecido como Common European Framework of Reference for Languages (CEF).

Esse documento estabelece algumas diretrizes básicas para o ensino de línguas nos países da comunidade europeia e também os níveis dos estudantes de línguas.

No CEF, há seis níveis: A1, A2, B1, B2, C1 e C2. Simplificando, podemos fazer a seguinte correlação:

  • os níveis A1 e A2 equivalem ao básico (beginner)
  • os níveis B1 e B2 equivalem ao intermediário (intermediate)
  • os níveis C1 e C2 equivalem ao avançado (advanced)

Para entender melhor o CEF, leia a dica Common European Framework: o que é?

Entendendo cada nível

Qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado?

Levando em consideração o que o CEF estipula, podemos ter uma noção sobre qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado. Portanto, vamos vê-los separadamente.

Nível Básico (A1 e A2)

No primeiro nível, a pessoa deve ser capaz de compreender e usar expressões comuns do dia a dia. O objetivo é o de satisfazer as necessidades básicas da comunicação. Ela deve ser capaz de apresentar si mesma e outros brevemente (nome, idade, profissão). Deve ser capaz de fazer e responder perguntais pessoas simples, falar o que tem e interagir de modo bastante elementar desde que a outra pessoa fale devagar e claramente.

Já no segundo nível, a pessoa deve saber comunicar informações pessoais e familiares básicas, fazer compras, descrever a geografia local, falar sobre seu trabalho. Deve ainda ser capaz de se comunicar em tarefas simples e rotineiras desde que estas requeiram uma troca simples e direta de informações sobre assuntos rotineiros e conhecidos. Por fim, deve ser capaz de descrever em termos simples, aspectos de sua formação e o ambiente em que vive.

Nível Intermediário (B1 e B2)

No nível B1, A pessoa deve ser capaz de compreender os principais pontos relacionados a assuntos de seu interesse: estudos, trabalho, lazer, etc. deve ainda ser capaz de falar com naturalidade sobre esses assuntos. Ela também deve saber lidar com a maioria das situações que possam surgir durante uma viagem ao país no qual o idioma é falado. Ser capaz de produzir textos simples sobre temas que sejam familiares ou de interesse pessoal. Ela deve ainda descrever rapidamente experiências e eventos, sonhos, esperanças e ambições, bem como dar breves razões e explicações para suas opiniões e planos.

Já no B2, espera-se que a pessoa compreenda as principais ideias de textos complexos: sejam tópicos concretos ou abstratos. Inclui-se também aí discussões técnicas na sua área de especialização. Ela deve ser capaz de interagir com um grau de fluência e espontaneidade que torna possível a interação regular com os falantes nativos do idioma sem que haja tensão mental de cada participante. A pessoa deve ainda ser capaz de produzir textos claros e detalhados sobre uma variada gama de assuntos. E também ser capaz de explicar o ponto de vista de um tópico oferecendo as vantagens e desvantagens do mesmo.

Se formos bem criterioso nesse assunto, podemos dizer que o nível B2 já é o nível avançado na maioria das escolas (franquias) de inglês no Brasil. Ou seja, nem ao menos chegam aos próximos níveis do CEF: o C1 e o C2.

Outra observação a ser feita é que ao longo dos estudos, muitos estudantes de inglês – mesmo estando teoricamente no nível avançado – se veem empacados no nível intermediário. Ou seja, vivem presos no nível B1 ou entre o B1 e o B2.

» Leia também: Platô Intermediário no Inglês

Nível Avançado (C1 e C2)

No nível C1, a pessoa deve ser capaz de compreender uma ampla gama de textos longos e complexos, e reconhecer o significado implícito dos textos. Ser ainda capaz de se expressar fluente e espontaneamente sem demonstrar que está procurando as expressões que usa. Ela deve usar o idioma de modo flexível e eficiente para fins sociais, acadêmicos e profissionais. Na escrita, ele tem de produzir textos claros, bem estruturados e detalhados sobre temas complexos, demonstrando ter controle dos padrões organizacionais e estílisticos.

Então, chegamos ao C2. Nível no qual a pessoa deve ser capaz de compreender com facilidade praticamente tudo o que ouve e lê sem dificuldades. Tem ainda de ser capaz de resumir informações de diferentes fontes faladas e escritas. Ser capaz de reconstruir argumentos e relatos de forma coerente. Ela também deve ser capaz se expressar espontaneamente, de modo bastante fluente e preciso, identificando as entrelinhas do que é dito ou escrito nas mais complexas situações. Ou seja, o avião está caindo e a pessoa continua falando inglês de modo natural.

Resumindo isso tudo

Para entender qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado é preciso – em minha humilde opinião – entender cada uma dessas habilidade descritas no CEF.

Veja ainda que não se trata de saber (apenas) tópicos gramaticais. Ou seja, não definimos cada nível dizendo que o básico sabe o verbo to be, o intermediário sabe o present perfect e o avançado sabe o mixed conditionals.

Também não basta decorar palavras isoladamente, palavras raras, phrasal verbs ou expressões idiomáticas.

O que diferencia um nível do outro é a habilidade comunicativa. Isto é, ser capaz de se comunicar em situações específicas.

Dizer qual é a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado não é tarefa tão simples. Temos de levar em conta uma série de fatores. No entanto, os parâmetros estabelecidos pelo CEF ajudam profissionais de ensino de inglês e estudantes a saber onde estão.

Além disso, esse documento também ajuda a criar um roteiro de estudos. Esse roteiro não se baseará apenas em regras gramaticais e palavras isoladas. Na verdade, ele se baseará em situações do cotidiano.

Acho que isso é tudo! Eu acredito que agora você tem uma ideia mais clara sobre qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado. Portanto, anote isso tudo. Crie um roteiro de estudos baseado nele. E, ano desista.

» Leia mais:

Aprender Inglês em 7 Dias!? Como assim!?

Será possível aprender inglês em 7 dias? O que fazer para conseguir aprender inglês em 7 dias? Qual o segredo para aprender inglês em 7 dias?

Você deve estar estranhando isso tudo. Mas, também deve estar morrendo de curiosidade. Afinal, será que podemos mesmo aprender inglês em sete dias? Vamos aos poucos para você entender o porquê desse assunto aqui novamente.

» Leia também: Fluência em Inglês em 3 meses! É possível!?

Aprender Inglês em 7 Dias

A Folha de São Paulo publicou recentemente uma matéria (link) com o seguinte título:

Presidente de rede de fast food aprendeu língua inglesa em sete dias

Veja que a chamada é forte. Pois, aparentemente ela falará sobre um grande milagre no aprendizado de inglês: alguém que aprendeu inglês em sete dias e o que esse alguém fez.

Assim como a grande maioria, eu fui tomado pela curiosidade. Afinal, como especialista no assunto, eu sei que em 7 dias alguém pode aprender algumas coisas em inglês. Mas, ser fluente em 7 dias já é algo que impossível. Cliquei no link compartilhado no Facebook e fui ler o texto.

Já no começo, fico sabendo que essa é mais uma daquelas matérias feitas para chamar atenção à trajetória profissional de alguém. No caso, trata-se de Paulo Camargo, atual executivo responsável pelo McDonald’s no Brasil.

A ideia é apresentar a personagem real da matéria e sua caminhada desde que estava desempregado até chegar onde está hoje. Enfim, um exemplo de profissional que, claro, tem muito a nos ensinar. Então, vamos aprender com ele. Pois, a matéria diz que ele aprendeu inglês em 7 dias, então temos de saber como isso aconteceu. O que nosso modelo tem a nos ensinar?

Indo aos Fatos

No primeiro parágrafo da matéria lemos que Paulo Camargo, em 1993, com 25 anos de idade, estava desempregado. Dessa forma, ele se candidatou a uma vaga no McDonald’s. Como todo processo seletivo, o recrutador perguntou como estava o inglês de Paulo.

Paulo, brasileiro que deixava tudo para o último momento, certamente disse que não estava nada bem. Mas, como bom brasileiro, ele disse que daria um jeitinho. Ele conta que disse ao recrutador que precisava de uma semana (7 dias) para se preparar. O recrutador estranhou, mas aceitou o pedido de tempo. Logo, Paulo tinha 7 dias para aprender inglês.

Aprendendo Inglês em 7 Dias

Aprender Inglês em 7 DiasNa sequência da matéria o nosso protagonista diz o que fez quando recebeu a oportunidade. Leia,

Juntei todo o dinheiro que tinha guardado enquanto estava no exército, paguei um professor de inglês e passei a estudar 15 horas por dia.

Muita gente ao ler isso já começa a achar que ele descobriu o professor mágico que o ensinou a falar inglês em sete dias. Ou ainda que ele simplesmente recebeu uma luz vindo do céu para operar esse milagre em sua vida.

Curiosamente, mais à frente ele diz que conseguiu a vaga. Mas, acima de tudo, ele afirma que:

Falei o suficiente para passar, mas consegui a vaga pelo esforço, não pelo inglês que falei.

Veja bem o que ele diz: consegui a vaga pelo esforço, não pelo inglês que falei. Ou seja, Paulo reconhece que não foi o inglês que o ajudou. Certamente, seu inglês não convenceu muito.

Entendendo os Fatos

Paulo Camargo sabe que em 7 dias ele aprendeu algumas coisas de inglês. Eu acredito que devido ao seu esforço, motivação, força de vontade, oportunidade dada, etc., ele aprendeu muito mais do que muita gente aprende em 3 meses. No entanto, ele não descobriu a fórmula para ser fluente em inglês em 7 dias.

O que ele aprendeu foi o suficiente para conseguir uma vaga no McDonald’s. O recrutador deve ter se admirado muito mais com seu esforço, garra e iniciativa. Dessa forma, deu a Paulo Camargo a chance de trabalhar na rede. Se ele continuaria trabalhando para o McDonald’s era incerto. Tudo dependeria dele mesmo.

Paulo certamente continuou estudando inglês por muito mais tempo. Assim foi se aperfeiçoando. Conforme foi subindo dentro da empresa, foi vendo a necessidade de aprender mais e mais inglês. Até chegar ao ponto de ser fluente. Ou melhor, de desenvolver a fluência dia após dia. Ele manteve o foco! Não foi medíocre em sua(s) conquista(s).

Veja bem! O título da matéria chama muita atenção. Contudo, não deve ser interpretada ao pé da letra. Infelizmente, ninguém consegue aprender inglês (fluente) em 7 dias. Isto é, ninguém consegue ser fluente em inglês em 7 dias de estudo.

O que Paulo fez?

Como especialista na área, o que eu observo são as atitudes de Paulo Camargo diante da oportunidade dada pelo recrutador. Vamos analisar isso!

Em primeiro lugar, Paulo tinha uma motivação muito forte: conseguir o emprego. Essa motivação serviu de trampolim para que ele assumisse um compromisso. Na verdade, ele assumiu dois compromissos: um com ele mesmo (eu vou conseguir!) e outro com o recrutador (me dê a oportunidade e te mostro do que sou capaz!).

Além disso, ele investiu suas economias e buscou ajuda (contratou um professor). Se ele não tivesse a motivação necessária ou se ele desanimasse e não acreditasse nele mesmo, ele usaria o dinheiro para outros fins. Durante o curto período de tempo que tinha (apenas 7 dias), Paulo se organizou, administrou o tempo e se esforçou para aprender o máximo que podia e assim conseguir atingir seu objetivo: ser empregado na rede.

Isso faz com que algumas perguntas surjam:

  1. Qual sua motivação para aprender inglês?
  2. Você tem assumido o compromisso de realmente aprender inglês?
  3. Você tem investido algo para aprender inglês ou fica só se enchendo de materiais da internet sem saber o que fazer direito com tudo?
  4. Como você tem se organizado para aprender inglês?
  5. Como tem administrado o tempo – seja o ocioso ou não– para aprender inglês?

Pense nisso! Tenho certeza que se você agir como o Paulo, você aprenderá muita coisa em 7 dias. Já terá o suficiente para começar se destacar. Aí, é só continuar se dedicando e não parar jamais. Pois, o aprendizado de inglês é contínuo e não deixa de acontecer em certo ponto da vida (só se você parar ou morrer!). No entanto, o que será que você está disposto para aprender inglês em 7 dias?

Se quiser mais que isso, contrate um professor. Valerá a pena! Eu posso ser seu professor. Basta se inscrever no curso Aprender Inglês Lexicalmente clicando na imagem abaixo. Até a próxima!

Aprender Inglês Lexicalmente

O melhor site para aprender inglês no Brasil

Qual é o melhor site para aprender inglês? Essa é uma das perguntas que frequentemente me fazem quando dou palestras ou workshop por aí. Há algumas variações: Qual o melhor site de inglês para aprender inglês sozinho? Qual o melhor site para aprender inglês grátis? Qual o melhor site para aprender inglês online? Qual o melhor site para aprender inglês na internet?

Enfim, as pessoas tem essa coisa de sempre querer saber qual é o melhor, qual é o top, qual é o número 1… Portanto, para ajudar você, decidi escrever essa dica e falar um pouco sobre o melhor site para aprender inglês.

Sites e Blogs de Inglês no Brasil: um pouco de história

O Inglês na Ponta da Língua foi criado em janeiro de 2007. O propósito sempre foi dar dicas de inglês com uma linguagem diferente e também orientar estudantes em como aprender inglês. Mas, o Inglês na Ponta da Língua não foi o primeiro de todos.

O pioneiro nessa brincadeira toda foi o Tecla Sap, criado em 1997 por Ulisses Wehby de Carvalho, tradutor e intérprete. Foi e continua sendo um dos sites com um conteúdo maravilhoso para quem quer aprender ou ensinar inglês.

Em outubro de 2006, Alessandro Brandão criou o English Experts. Lembro-me que surgimos quase juntos e trocamos várias ideias sobre blogs e, claro, língua inglesa.

Temos ainda o Inglês Online, da Ana Bergamini, que também já está na estrada há um bom tempo. O Adir Ferreira Idiomas, do professor Adir Ferreira, e que é um site com uma boa história.

Fora esses posso ainda citar vários outros sites que surgiram ao longo dos anos: Inglês na Rede, English in Brazil, Inglês no Teclado, Inglês no Supermercado, Mairo Vergara, Inglês Gratuito, Bom Inglês, Inglês Curso, Zap English, inFlux Blog e outros tantos.

Além desses mantidos em sua maioria por brasileiros temos os de fora como Effortless English, Duolingo, Busuu, News in Levels, EngVid, English Anyone, Shared Talk e por aí vai.

Com todas essas possibilidades, é mais do que natural que surja a pergunta título deste texto: Qual o melhor site para aprender inglês? Continue lendo que vou te contar um segredo, uma verdade para você pensar a respeito.

O Melhor Site Para Aprender Inglês

O Melhor Site Para Aprender InglêsTodos os sites mencionados e os outros que há na web tem suas vantagens. Ou seja, todos eles são excelentes ferramentas de aprendizado. O segredo, no entanto, não é você saber qual é o melhor site para aprender inglês.

Na verdade, o grande segredo é você saber como usar cada um desses sites para aprender inglês. Assim como não há um método milagroso para que você fale inglês em 3 meses, também não há um site que será o melhor de todos. Por que não?

Cada site citado neste texto tem uma linguagem própria. Cada pessoa – ou pessoas – responsável pelo conteúdo publicado pode ter uma visão particular sobre como ensinar ou aprender inglês. Portanto, você poderá eleger um site como seu favorito – o melhor para você! – e usar os demais como recursos secundários – fontes de pesquisas extras. A escolha é sua!

Como Encontrar o Melhor Site de Inglês?

O melhor site para aprender inglês não será encontrado em uma simples busca no Google. Você precisa visitar os sites, ler as dicas, conhecer os demais canais de cada um deles – Facebook, Youtube, Instagram, Twitter, etc. – e decidir o modo como o site é mantido – as dicas são escritas – satisfazem as suas necessidades de aprendizado e também modo de aprender inglês.

No final, você vai perceber que um site complementa as informações do outro. Cada um tem seu valor e cabe a você estudar da melhor forma para aprender inglês com os recursos que cada site oferece.

O grande problema nisso tudo é que a maioria dos estudantes de inglês são acumuladores de materiais de inglês. Ou seja, acumulam tantos sites de inglês e não usam quase nenhum como fonte oficial de estudos.

Para encerrar esse assunto, eu posso afirmar aqui que o melhor site para aprender inglês não existe – todos são excelentes. O que pode estar faltando é você encontrar a sua melhor maneira de aprender inglês. Mas, isso aí já é um outro assunto! Pois, cabe a você encontrar a resposta dentro de você.

Aqui no Inglês na Ponta da Língua, eu dou dicas para aprender inglês. E, garanto que os demais amigos e amigas de outros sites também. Então, veja o que cada um diz e eleja aquele que para você for o melhor.

That’s all for now! Sinto muito se não ajudei você a encontrar definitivamente o melhor site para aprender inglês. Só espero ter ajudado você a se conscientizar que a maior parte do aprendizado cabe a você. Para isso, torne-se um melhor estudante de inglês.

Take care! Bye bye! Happy learning!

[Entrevista] Dicas Para Aprender Inglês

[fbvideo link=”https://www.facebook.com/denilsolima/posts/759756917495442?pnref=story” width=”500″ height=”400″ onlyvideo=”1″]Hello, guys! Recentemente dei mais uma entrevista aqui em Porto Velho, Rondônia, dando dicas para aprender inglês. Afinal, como aprendi inglês sozinho e sem ter morado fora do país, muitas pessoas tem curiosidade em saber como eu consegui essa proeza. Quais são os meus segredinhos? 😊

Quem acompanha meu trabalho a mais tempo sabe da minha história e também das inúmeras dicas que compartilho aqui sobre como aprender inglês sozinho ou como se envolver com o inglês para assim ir aprendendo inglês.

» Leia também: 80 Dicas Para Aprender Inglês Sozinho e Como Aprender Inglês em 1 Ano

[Entrevista] Dicas Para Aprender InglêsSobre a entrevista, se você tiver um tempinho (12 minutinhos), espero que assista! Compartilho-a abaixo, mas caso você não esteja vendo o vídeo, clique aqui para ver diretamente em meu perfil no Facebook. Caso queira, você pode ainda assistir a outros vídeos no qual dou dicas para aprender inglês sozinho ou mesmo estudando em escola de idiomas. Afinal, essas dicas valem para todos os casos e níveis.

Por fim, se você tiver interesse em adquirir meus livros, saiba que eles estão à venda em todas as livrarias do país e também pela internet. Clicando nos títulos abaixo, você saberá onde comprar com preços mais em conta.

Segue o vídeo (12 minutinhos) com a entrevista dada à Sandra Santos nos estúdios do Rondoniaovivo.

Você tem medo de falar inglês?

Na abertura dos Jogos Olímpicos, a apresentadora Regina Casé disse o seguinte: “Here is to diversity. Let’s dance.” Não demorou muito para que a turma que adora fazer piada com o inglês alheio passasse a comentar negativamente o modo como ela falou isso ou mesmo questionar se o que ela disse estava realmente certo.

Os comentários e piadas que li em vários locais eram absurdos. Li um texto no qual o autor disse “a internet não perdoa o inglês de Regina Casé”. Confesso que como profissional que atua nessa área a mais de vinte anos, eu acreditava que esse comportamento estivesse diminuindo ou deixando de existir; mas, na verdade, ele parece ter aumentado.

Pude ainda notar que o comportamento da maioria é o mesmo de anos atrás:

  • criticar o inglês do outro
  • procurar e apontar os erros no inglês do outro
  • julgar o inglês do outro como se o meu fosse melhor
  • fazer piada do jeito do outro falar inglês como se o outro fosse um nativo ou tivesse a obrigação de falar inglês com perfeição.

Esse comportamento geral um grande obstáculos para quem deseja aprender inglês: MEDO DE FALAR INGLÊS.

» Leia também: Por que brasileiro não aprende inglês?

Medo de Falar Inglês

Medo de Falar InglêsEstudantes de inglês no Brasil todo têm medo de abrir a boca para responder uma simples pergunta pelo fato de terem medo. Esse medo tem explicação e você certamente vai entender isso no restante deste texto.

Tempos atrás, perguntei a um grupo de mais de 150 estudantes de inglês o que eles realmente tinham medo. As respostas mais comuns foram:

  • Medo de errar na gramática
  • Medo de errar na pronúncia
  • Medo de ser julgado pelos outros
  • Medo de falar algo que não é exatamente aquilo que queria
  • Medo de se tornar motivo de piada para os outros
  • Medo de não entender o que está sendo dito

Você certamente deve concordar com essa lista. Afinal, esses medos são comuns a praticamente todos os estudantes de inglês. Esses medos causam consequências ao aprendizado de inglês. Mas, antes vamos falar entender um pouco mais sobre esse tal medo.

Xenoglossofobia

O medo de falar inglês como língua estrangeira ou segunda língua se encaixa dentro do que nós chamamos de XENOGLOSSOFOBIA. Esse palavrão todo serve para se referir ao sentimento de insegurança, nervosismo, ansiedade, apreensão que uma pessoa tem ao aprender ou ter de usar uma segunda língua ou uma língua estrangeira.

No contexto de aprendizado e ensino de inglês, esse “medo” aparece de três maneiras: nervosismo na comunicação, ansiedade ao fazer um teste e medo de avaliação negativa. Desses três, apenas dois interessam aqui:

  • Nervosismo na comunicação que é o sentimento de ansiedade que a pessoa tem ao ter de conversar (falar e ouvir) usando a segunda língua.
  • Medo da avaliação negativa que está associado ao fato do estudante ficar extremamente preocupado com o modo como os outros podem avaliar negativamente suas habilidades linguísticas (pronúncia, gramática, uso das palavras, etc.).

O número de pessoas que sofre esse mal aumenta quando nos deparamos com uma Regina Casé sendo massacrada por ter dito “Here is to diversity. Let’s dance.

Ao ler essas piadas – sejam elas por brincadeira ou não –, a maioria dos estudantes logo pensa: “Se ela que é uma artista global está sendo massacrada desse jeito, imagine eu falando inglês! Vou falar é nada! Vou nem abrir a boca para tentar me comunicar em inglês!”.

Consequências do Medo de Falar Inglês

As consequências causadas por esse medo são em geral as seguintes:

  • baixa auto estima dos estudantes
  • perda na confiança de que é capaz de aprender inglês
  • redução no nível de participação em sala de aula
  • bloqueio mental ao ter de usar a língua inglesa (o famoso travamento)
  • desinteresse em certos aspectos do desenvolvimento linguístico
  • esquecimento do que foi aprendido em aulas anteriores (redução na capacidade de memorização)
  • sentimento de frustração e desespero
  • desistência total no aprendizado de inglês

Você certamente conhece alguém que já passou ou está passando por isso. Talvez você mesmo esteja passando por isso nesse momento. Afinal, essas consequências são notadas em praticamente todos os grupos de estudantes.

Como vencer esse medo?

Eu diria que a melhor coisa para você fazer e vencer esse medo é ignorar por completo a turma que adora criticar o inglês alheio. Simplesmente não dê atenção aos comentários que eles fazem do seu inglês ou mesmo do inglês da Regina Casé, do Joel Santana, da Ana Maria Braga ou seja lá de quem for. Enfim, IGNORE!

Aqui no Inglês na Ponta da Língua, já publiquei um texto com o título 5 Dicas Para Perder o Medo de Falar Inglês. As 5 dicas mencionadas lá podem ajudar você a perder esse medo. Outras dicas que posso acrescentar são:

  • tenha um parceiro de estudos com o qual você poderá conversar à vontade e sem medo de estar sendo criticado;
  • escreva um texto curto sobre qualquer assunto do seu interesse e leia-o em voz alta várias e várias vezes;
  • decore diálogos curtos e procure fazer cada parte do diálogo com uma voz diferente;
  • leia e ouça assuntos do seu interesse: isso ajudará você a desenvolver o vocabulário necessário para falar sobre aquilo que você gosta; [Sobre isso leia o texto Você Sabe o Que é Narrow Reading?]
  • evite querer ser perfeito: o desejo de querer falar como se fosse um nativo mais atrapalha do que ajuda;
  • inspire-se em pessoas que não são nativos e mesmo assim falam inglês de modo natural e sem medo: se essa pessoa conseguiu, então você também consegue.

Enfim, de modo geral, o medo só pode ser vencido se você realmente quiser e fazer coisas que ajudarão você a desenvolver suas habilidades linguísticas.

» Leia também: 80 Dicas Para Aprender Inglês Sozinho

Conclusão

Falar para você não ter medo não resolverá muito. O medo é natural. No entanto, você precisa tomar uma atitude e vencer esse medo.

Quando eu comecei a estudar inglês também tive esse medo. Eu me sentia inseguro. Tinha medo de errar. Batia um desespero quando as palavras não surgiam da forma como eu gostaria. Enfim, o medo é comum. O que não comum é desistir por causa dele. O que não é comum é desistir por causa dos outros. Afinal, o seu sonho e sua vontade é FALAR INGLÊS; então, aprenda lidar com o medo e assim vencê-lo.

O Melhor Livro Para Aprender Inglês: qual é?

Qual é o melhor livro para aprender inglês? Será que existe o melhor livro para aprender? Que livro usar para aprender inglês?

Você já deve ter percebido que o mercado de livros de inglês é gigantesco. Se pensarmos em livros de inglês por temas, vamos encontrar inúmeras opções: dicionários, livros de vocabulário, gramáticas, livros sobre phrasal verbs, expressões idiomáticas, collocations, gírias, como se diz isso ou aquilo em inglês, phrasebooks, livros com dicas de aprendizado, livros de pronúncia, livros textos (coursebooks) e muito mais.

Melhor Livro Para Aprender InglêsComo se não bastasse a quantidade de livros, há também uma “guerra” travada entre as editoras, que lançam livros muito parecidos. Isso nos faz perguntar se o dicionário da editora A é melhor que o das editoras B, C e D. Ou, se o livro de phrasal verbs da editora W é superior aos das editoras X, Y e Z.  A batalha pela venda é tão acirrada que assim que uma editora lança um livro que tenha alta probabilidade de vendas, a concorrente logo pública um livro com título parecido.

No meio dessa confusão toda, está você – estudante de inglês – procurando saber qual é o melhor livro para aprender inglês. Portanto, anote aí que a resposta para essa pergunta é:

O melhor livro para aprender inglês é aquele que atenderá suas necessidades. Logo, é importante que você defina seus objetivos de aprendizado. Nem adianta reclamar! Afinal, quem realmente faz a diferença é você com suas atitudes e não essa coisa de melhor livro para aprender inglês. Portanto, use o livro que você achar mais legal e aproveite-o ao máximo!

Mas, para não ficar só nisso, seguem algumas possível sugestões!

Inglês na Ponta da LínguaPara começar, você pode comprar um livro que vá te ajudar na organização dos seus estudos e até mesmo trabalhar sua motivação, ideias de aprendizado e coisas assim. Dois livros que conheço são: Inglês na Ponta da Língua – método inovador para melhorar o seu vocabulário em inglês (Denilso de Lima) e 101 Dicas para Você Aprender Inglês com Sucesso (Carlos Gontow). Ler esses livros ajudará você a saber o que fazer ao longo da sua caminhada.

Além disso, você ainda terá de encontrar um livro que atenda suas necessidades de aprendizado, seus objetivos e claro seu nível de conhecimento da língua.

Se você está começando a estudar inglês agora – está no básico –, recomendo que leia a dica Livros de Inglês Básico para Estudar Sozinho. Nela eu recomendo um dicionário, duas gramáticas e um phrasebook para quem quer aprender inglês do início e com foco em situações corriqueiras.

Combinando Palavras em InglêsJá os alunos de nível intermediário terão de procurar livros que ajude-os a melhorar o que já sabem e aprendam coisas novas a cada dia. A ideia aqui é sair do que chamamos de platô intermediário no aprendizado de inglês. Assim, um livro que recomendo é o “Combinando Palavras em Inglês: seja fluente em inglês com collocations” (que é, na verdade, indicado a todos níveis). Depois desse, eu tenho certeza que qualquer estudante de nível intermediário vai saber que livro adquirir para continuar aprendendo inglês.

Por sua vez, os estudantes de nível avançado só precisam mesmo – em minha opinião – ler e ouvir inglês com mais frequência para se acostumarem com a língua inglesa e assim irem reforçando o que aprenderam. Nesse nível o aprendizado (aquisição) da língua inglesa deve ser natural e não apenas baseado em livros.

Caso você queira uma gramática para auxiliar nos seus estudos, leia a dica Gramáticas de Inglês. Nela eu sugiro algumas gramáticas de acordo com o nível e interesse de cada um. Lembrando que a escolha da melhor gramática fica mesmo por sua própria conta e risco. Claro que eu faço minha parte em recomendar aquelas que eu – profissional na área de ensino de inglês – considero excelentes (na verdade eu tenho todas elas).

Por fim, a última dica é a seguinte: o melhor livros para aprender inglês é aquele que você vai usar como base para seus estudos. Quando eu comecei a estudar inglês, tinha um livro simples. Estudei todo ele, fiz as atividades, ouvi as fitas-cassetes (sim fitas!), li e reli várias vezes. Depois, comprei outro livro e fiz a mesma coisa. Quando me dei conta já tinha mais de 10 livros todos rabiscados, com atividades feitas, dúvidas anotadas, informações extras nas bordas e tudo mais. Portanto, o melhor livro para aprender inglês não existe. O que existe a melhor atitude para aprender inglês a cada dia. A pergunta é: qual é a sua atitude?

That’s all for now! Take care and keep learning!