Quando usar MAKE ou DO em inglês?

Quando usar MAKE ou DO em inglês? Qual a diferença entre MAKE e DO? Se você faz confusão na hora de usar esses dois verbos, leia esta dica para aprender a usar os dois de modo natural e sem se preocupar com regras. Aliás, já adianto aqui que praticamente não há regras para resolver essa dúvida. Então, é hora de aprender algo diferente.

» Leia também: O que significa MAKE DO?

MAKE ou DO: o problema

Quando começamos a aprender inglês, nós aprendemos que MAKE significa “fazer” e DO também significa “fazer”. Isso gera uma certa confusão na hora de usar essas duas palavras; pois, se quisermos dizer “fazer uma reclamação” devemos dizer “make a complaint” ou “do a complaint”? Se a ideia for dizer “fazer uma festa”, devemos dizer “make a party” ou “do a party”?

Se os dois podem ser interpretados – de modo bem básico – como “fazer”, como saber quando devemos usar um ou outro? Será que há uma regra para aprender isso?

Quando usar MAKE ou DO?

Como eu disse no início, não adianta procurar regrinhas para resolver o problema! Já vi várias pessoas dando regras como: “use make quando for para fazer no sentido de criar algo e do com o sentido de executar uma tarefa, fazer uma atividade”. Isso até certo ponto até que faz sentido. Mas, falar uma língua naturalmente e usar as palavras do jeito certo vai além dessas regrinhas.

Então, o que fazer? Como aprender a usar corretamente MAKE ou DO em inglês?

Make ou Do?Vamos usar as duas combinações citadas acima – “fazer uma reclamação” e “fazer uma festa” – para aprender algo mais simples em relação ao uso de MAKE ou DO.

Ao invés de você se desesperar em relação ao uso de MAKE ou DO, preste atenção à outra palavra que você pretende usar com o verbo “fazer”. No caso das combinações acima, foque a atenção nas palavras “reclamação” e “festa”. Você sabe que em inglês dizemos “complaint” e “party” respectivamente. Então, com a ajuda de um bom dicionário de inglês, você procura por essas palavras em inglês.

Ao encontrar a palavra “complaint”, leia a definição e, principalmente, os exemplos que o dicionário trás. No Longman Dictionary of Contemporary English, a gente encontra o seguinte exemplo:

  • If you wish to make a complaint, you should see the manager.

Observe bem qual é o verbo usado com a palavra “complaint”. Você com certeza notou que é o verbo “make”. Portanto, já aprende que para dizer “fazer uma reclamação”, deverá dizer “make a complaint”. Você pode ainda procurar por mais exemplos no Google. Para isso, basta digitar a combinação “make a complaint” (entre aspas mesmo) e anotar mais frases:

  • How do I make a complaint?
  • You can make a complaint about any newspaper or magazine which is regulated by IPSO.
  • See if you can group together and make a complaint.
  • Recent changes to the law now also allow employees to make a complaint to the Ministry of Labour.

Ao invés de se preocupar com MAKE ou DO, você simplesmente focou na outra palavra – complaint – e aprendeu a combinação certa em inglês: make a complaint.

Aprendendo as Diferenças

Se você entender bem essa ideia e colocá-la em prática, você vai notar que às vezes temos de aprender as diferenças existentes entre o inglês e o português. Um exemplo disso está na combinação “fazer uma festa”.

Quando pensamos palavra por palavra, a tendência é querer dizer “make a party” ou “do a party”. Mas, se você seguir a dica dada aqui – pesquisar a palavra party –, você vai aprender que em inglês não dizemos “make a party” ou “do a party”. Em inglês, o mais natural para dizer “fazer uma festa” é “throw a party”, “give a party”, “have a party”. Ou seja, não dizemos “make a party” ou “do a party”.

Isso pode acontecer com várias outras combinações e você deve estar preparado e atento para notar essas diferenças e aprendê-las.

Outras traduções

Muitas vezes MAKE ou DO em português não significam obrigatoriamente “fazer”. Ou seja, às vezes a tradução deverá ser feita de acordo com uma palavra que em português faça mais sentido.

  • make the bed » arrumar a cama, fazer a cama
  • make a decision » tomar uma decisão
  • make a mistake » cometer um erro, fazer um erro
  • do the ironing » passar a roupa
  • do well » dar-se bem

Entenda que para aprender a diferença entre MAKE e DO não há bem uma regrinha que resolverá o problema. O segredo está em aprender as combinações corretas. Ou seja, que verbo – MAKE ou DO – combina corretamente com a palavra que desejo usar.

Essas combinações é o que chamamos de collocations. Se você ainda não faz ideia do que é isso, assista ao vídeo abaixo para aprender o que são collocations [ou clique aqui]. Por ora, isso é tudo! Espero que tenha gostado da dica e dessa nova maneira de aprender o uso de MAKE ou DO em inglês. Até a próxima!

Palavras que valem ouro: quais são elas?

Palavras que valem ouro!? Como assim!? Será que há palavras que valem ouro em inglês!?

Não! Não é nada disso!

Na verdade, estou escrevendo esta dica tomando como base um trecho do meu livro Inglês na Ponta da Língua – método inovador para melhorar o seu vocabulário. Trata-se de duas coisas que você – estudante de inglês – deve sempre manter em mente. Isso se quiser realmente aprender inglês. Então, vamos lá!

Palavras que Valem Ouro

Há duas palavras que valem ouro no aprendizado de inglês – ou qualquer outra coisa. São elas: MOTIVAÇÃO e REFLEXÃO. Duas coisas, que você tem sempre de mante em mente!

Não se assuste, você não está lendo mais um desses livros de auto-ajuda ou algo do gênero. A questão é que sem motivação e reflexão de nada adianta você pagar os olhos da cara por um curso de inglês, por uma viagem à Inglaterra, comprar livros e mais livros, assinar umas tantas revistas e sabe-se lá o que mais. Sem essas duas coisas, você simplesmente não passará das primeiras tentativas de aprendizado.

Se você não entende o que motivação e reflexão têm a ver com o fato de aprender inglês, vamos ver cada uma em separado.

Motivacão

Palavras Que Valem OutroMotivação é a mola propulsora do seu aprendizado (sucesso). Se você está realmente decidido a aprender inglês, você tem de estar motivado a fazer algo para ir aos poucos alcançando os resultados que deseja. Com a motivação correta você poderá estabelecer certos objetivos e fazer de tudo para atingir cada um deles. E isto sempre almejando o objetivo principal: falar inglês, ler em inglês, escutar bem em inglês, escrever em inglês, ser fluente em inglês.

Com uma série de pequenos objetivos a serem alcançados ao longo dos seus estudos de inglês, você poderá almejar um objetivo maior que é talvez fazer um teste de proficiência internacional: TOEFL, IELTS, CPE, CAE, FCE, Michigan e outros mais. Mas para isto a motivação tem de estar em alta e deve partir de dentro de você e não de fora. É você quem tem de querer e não os outros que têm de forçá-lo. Ou seja, aprender inglês tem que ser algo seu e não algo que te obriguem.

Motive-se a cada dia aprender um pouco mais e assim ficar cada vez mais com seu Inglês na Ponta da Língua.

Reflexão

Em segundo lugar temos a tal da reflexão. Ou, melhor dizendo, auto-reflexão.

Com frequência eu vejo pessoas reclamando que o curso de inglês delas é uma porcaria, que o professor é pésimo, que o livro não ajuda, que o CD é difícil de entender e muitas outras reclamações do tipo. O que estas pessoas estão fazendo é reclamar e não refletir.

Sempre aconselho meus alunos e alunas a fazerem uma auto-reflexão sobre o aprendizado deles. Peço a eles para que avaliem como estão se saindo e o que eles estão fazendo para contribuir com o progresso deles.

Incentivo-os a se perguntarem o seguinte:

  • Estou agindo como um bom aluno de inglês?
  • Estou indo à aula com a motivação correta ou obrigado?
  • Estou fazendo as atividades que o professor sugere?
  • Estou procurando praticar o que aprendo com meu colegas de classe?
  • Procuro tirar proveito de várias ferramentas à minha disposição para melhorar meu inglês?
  • Uso a internet, leio livros em inglês, assisto filmes com o intuito de aprender coisas novas, escuto músicas e procuro entender o que a letra diz?
  • Estou seguindo as dicas que o meu professor dá?

Essas são apenas algumas das perguntas que podem ser feitas. Claro que muitas outras perguntas.

Caso o estudante ou a estudante responda sim a todas essas perguntas, aí sim dou a eles o direito de reclamar do professor, da escola, do livro, da turma, etc. Mas antes eles devem fazer uma auto-reflexão. Para assim descobrirem como estão indo e o que estão fazendo para atingir seus objetivos. Afinal, não adianta reclamar dos outros se nós não estivermos fazendo a nossa parte.

Conclusão

Essas sao duas palavras que valem ouro no aprendizado de inglês: motivação e auto-reflexão. Sempre pense nisso quando estiver estudando inglês. Isso pode ajudar você a não desistir e, assim, realizar o seu sonho de falar inglês fluente.

Lembrando que este texto foi adaptado do livro Inglês na Ponta da Língua – método inovador para melhorar seu vocabulário, publicado pela Altabooks Editora. À venda nas maiores livrarias do Brasil.

Por que listening é difícil? Como resolver o problema?

Por que listening é difícil? No começo de um curso de inglês, você aprende inúmeras coisas: gramática, vocabulário, sentenças comuns, etc. Ao ouvir em um CD, por exemplo, você até consegue acompanhar uma coisa ou outra. Mas, quando tenta ouvir uma música, um filme, um seriado, uma conversa a coisa se complica. Essa dificuldade faz com que muita gente desista de aprender inglês.

Mas afinal, por que ouvir em inglês (listening) é assim tão complicado? O que torna essa habilidade algo tão difícil de ser dominada?

Por que listening é difícil?

São três pontos curiosos que tornam essa habilidade algo um tanto quanto complicado para ser dominada. Falo sobre cada uma delas abaixo. Será que você concorda? Preste atenção ao terceiro ponto e veja o que a ciência tem a dizer sobre isso!

Nativos falam rápido

Muita gente responde a essa pergunta dizendo que o problema está na velocidade na qual um nativo fala. Realmente, eles falam rápido. Mas, em português nós também falamos rápido e nos entendemos bem. Então, qual o problema da velocidade deles? Será que eles falam tão rápido assim ou será que o modo como aprendemos inglês nos deixa preguiçosos?

Nativos juntam as palavras

Por que listening é difícil?Outro motivo apresentado por alguns estudantes é o fato deles juntarem as palavras. Ou seja, nas escolas aprende-se a dizer “What are you going to do tomorrow?“. No entanto, na vida real o que se ouve é algo como “Whatcha gonna do t’morrow?“. Os estudantes aprendem a dizer “do you want to help them?“, mas os falantes nativos dizem “Wanna help’em?“. Algo como “did you eat yet?” pode se tornar “Djeat yet?“.

Temos aí dois problemas. O primeiro é que eles realmente juntam as palavras. O segundo é que geralmente ao aprender inglês as pessoas aprendem tudo separadinho e bonitinho. Assim, ao ouvirem um nativo falando naturalmente acabam se perdendo. Pois, eles falam rápido por juntarem as palavras e os estudante ouvem devagar por aprender palavra por palavra.

As duas razões apresentadas acima são realmente pontos que dificultam o desenvolvimento do listening. Porém, são pontos que você pode dominar com muita prática. Ou seja, aprender a ouvir inglês na velocidade que eles falam é algo que desenvolvemos com a prática. Aprender a ouvir as palavras (expressões, sentença, chunks of language, etc.) como eles pronunciam (juntando tudo) é algo que se conquista com o estudo da pronúncia reforçado com atividades de listening e speaking.

O curioso é que os pontos acima estão ligados também a algo que acontece dentro de nossa cabeça (cérebro) ao ouvirmos uma língua diferente. Como assim?

A Memória e os Neurônios

Sinapses

Você provavelmente já ouviu falar em neurônios. No cérebro há milhões e milhões de neurônios. Eles são responsáveis por um monte de coisas! Uma dessas coisas em especial é a formação de memórias. Ou seja, são os neurônios que registram tudo o que ocorre em nossa vida. Tudo o que ouvimos, lemos, vivenciamos, etc. As informações registradas por cada neurônio são passadas de um para o outro por meio de sinapses: os pontos onde os neurônios se comunicam). [Veja a imagem ao lado]

Creio que você esteja se perguntando o que é que neurônios tem a ver com listening. Continue lendo e você vai entender!

Seus neurônios guardam informações relevantes sobre tudo o que você aprende (formação de memórias). Tudo o que você vivencia e aprende é registrado na memória por causa dos neurônios.

Quando você escuta uma música e canta a música os seus neurônios estão fazendo sinapses (trocando informações entre si). Em resumo, inúmeros neurônios estão naquele momento trocando informações importantes para que você consiga lembrar a letra da música e cantá-la sem dificuldades. Isto tudo ocorre muito rápido!

Quando alguém fala com você, seus neurônios entenderão o que está sendo dito pois eles buscam as informações da língua portuguesa registrada em vários neurônios. Mas, o que acontece caso a pessoa fale uma expressão ou palavra que seus neurônios não reconhecem?

Eles tentarão encontrar a informação. Como a informação não existe, eles ficarão perdidos, sem saber o que está acontecendo. Ocorre aí aquele momento de confusão no cérebro no qual deixamos de entender o que a outra pessoa disse. E assim perdemos o rumo da conversa!

O que isso tem a ver com aprender inglês?

Com o inglês acontece justamente isso! A maioria dos estudantes querem ouvir tudo palavra por palavra e de modo bem vagaroso. Acostumam-se, claro, a ouvir sentenças como “What’s your name?“, “How are you?“, “Thank you!“, etc. Acostumam-se a ouvir uma pronúncia mais lenta e perfeita (I won’t help them.). Aí, ao tentarem ouvir um filme, uma conversa, etc., no ritmo natural acabam se perdendo. Ficam com aquela sensação de não saber o que está acontecendo.

Em outras palavras, os neurônios estão acostumados ao modo preguiçoso de ouvir a língua. Eles estão acostumados a ouvir palavras e expressões simples. Estão acostumados a montar tudo palavra por palavra e seguindo uma lógica gramatical (as regras gramaticais). Assim, quando caem no mundo real, a coisa se complica. O modo como as informações foram registradas e como elas estão surgindo são muito diferentes. Os neurônios não conseguem trabalhar rapidamente e se perdem. O estudante fica frustrado por não se capaz de acompanhar uma conversa normal.

A essa confusão mental somam-se o nervosismo, a ansiedade, a preocupação e o medo. Tudo isso faz com seu nível de estresse aumente e o seu listening seja prejudicado.

Como resolver isso?

Vários estudos hoje mostram que você deve aprender o inglês como ele realmente é desde o início (desde o básico). Não é decorando palavras e mais palavras ou regras e mais regras que você aprenderá a se comunicar (ouvir e falar) inglês como um nativo. Se você aprende uma sentença como “How are you doing?” (como você está?), deve aprender que eles dizem isso de várias maneiras: “how ya doin’?“, “how y doin’?“. Ou seja, eles não dirão, “how – are – you – doing?“. Um simples “my name is…” pode soar como “ma neims …“. Um “what’s up?” se torna “wazzup?“, “whaddup?” e várias outras maneiras.

Aprender essa pronúncia mais natural e prática-la ao máximo, ouvir a língua inglesa como ela é realmente falada no dia, estar ciente que o modo como eles pronunciam é geralmente diferente do modo como aprendemos nos livros ajudará seus neurônios a se acostumarem com o inglês de verdade. Registrar as informações da forma como ela será produzida na vida real é muito mais eficiente do que aprender regras e palavrinhas soltas ao longo do seu aprendizado.

Mudar o modo como você aprende inglês é a melhor saída para vencer essas dificuldades. Pense bem: se o modo como você tem estudado inglês até hoje não tem ajudado muito, será que não está na hora de mudar? Não está na hora de tentar um jeito diferente de aprender?

Caso queira saber mais sobre como aprender inglês de modo diferente, clique na imagem abaixo (ou aqui) para conhecer o curso online que vai mudar seu inglês para sempre. Como especialista e pesquisador nessa área, garanto a você que APRENDER INGLÊS LEXICALMENTE ajudará você a derrubar o mito de que listening é difícil.

Curso Aprender Inglês Lexicalmente

O que são phrasal verbs? Aprenda tudo sobre eles!

O que são phrasal verbs? Será que trata-se de algo assim tão complicado? Qual a importância de aprendê-los? Como aprendê-los sem ser por meio de listas e mais listas de phrasal verbs? Nesta dica vou explicar a você, do modo mais simples e didático possível, o que são phrasal verbs. Então, vamos começar do começo!

O que são phrasal verbs? 

Phrasal Verbs  é o nome que damos a uma categoria de vocabulário com uma formação específica. Ou seja, trata-se de uma combinação de palavras formada por um verbo e uma preposição ou um verbo e um advérbio.

Seguem abaixo alguns exemplos de PHRASAL VERBS:

  • get up (levantar)
  • give up (desistir)
  • look forward to (aguardar ansiosamente por)
  • look for (procurar)
  • look into (investigar)
  • run into (atropelar, passar por cima)
  • slag off (falar mal, criticar)
  • pick up (pegar alguém em algum local)

Se você tentar traduzir essas combinações palavra por palavra, elas poderão ficar totalmente sem sentido. Portanto, lembre-se que essas combinações precisam sem interpretadas sempre em conjunto. Vamos ver mais alguns exemplos dentro de sentenças.

  • What time do you usually get up? (A que horas você costuma se levantar?)
  • I’m looking forward to meeting them. (Estou muito ansioso para conhecê-las.)
  • Can you pick mom up at the mall? (Você pode pegar a mamãe no shopping?)
  • Be careful! You almost run into a dog. (Toma cuidado! Você quase atropelou um cachorro.)

O que são Phrasal Verbs?Como você pode notar aí, PHRASAL VERBS são apenas pequenas combinações de palavras que possuem significados específicos.

Como aprender isso?

Eu sempre digo que a melhor maneira para aprender phrasal verbs é por meio do contexto. Além disso, é altamente recomendável que você aprenda sempre de modo natural. Ou seja, nada de fazer enormes e intermináveis listas com eles e tentar decorar. Isso mais desanima do que motiva. Afinal, há milhares de phrasal verbs em inglês. Logo, não é possível que alguém saiba todos. Nem mesmo um falante nativo de inglês.

Por falar em falantes nativos, saiba que eles aprendem isso da mesma forma como nós aprendemos gírias e expressões em nossa língua. Eles não decoram listas. Eles simplesmente escutam e lêem e vão aprendendo naturalmente.

Leia a dica Aprenda Phrasal Verbs em Contexto para saber mais sobre como você pode aprender isso sem estresse.

A Gramática dos Phrasal Verbs

Só saber o que são phrasal verbs não é o suficiente. Embora eles sejam uma parte importante do vocabulário da língua inglesa, é bom também saber que eles possuem algumas características gramaticais que devemos aprender.

A principal dessas características é o fato de que eles podem ser separable ou unseparable. Ou seja, um phrasal verb pode ser separável ou inseparável. Mas, o que isso significa?

Como você viu no começo desta dica,  um phrasal verb é formado por duas (ou até três) palavras. Por exemplo, pick up tem duas palavras pick e up. Essas duas palavras podem ser escritas juntas ou separadas. Pois, pick up é separable:

  • Can you pick up mom at the mall?
  • Can you pick mom up at the mall?

Por outro lado, há aqueles que não aceitam essa separação. São os unseparable (ou non-separable) phrasal verbs. Um exemplo é run into que você viu na lista acima:

  • You almost run into a dog.

Separar run into é errado. Portanto, nada de dizer *You almost run a dog into*. Isso está errado. Pois, run into não é separable.

Leia mais sobre isso na dica Separable e Non-Separable Phrasal Verbs.

Uma super dica para você

Para encerrar esse texto, quero dar uma super dica para você. Assim, você já vai se acostumando a aprender essas combinações de um modo mais descomplicado. Vamos lá!

Deixe de lado a mania de decorar lista de 50 phrasal verbs por dia ou mês. Isso é uma grande perda de tempo! Como dito acima, aprenda os phrasal verbs naturalmente e com calma.

Leia textos, escute músicas, veja filmes e seriados. Enfim, envolva-se com a língua inglesa de tal forma que não só os phrasal verbs mas também o vocabulário como um todo seja adquirido naturalmente e sem esforço. Eu disse acima para que você lesse uma dica na qual falo sobre como aprender phrasal verbs. Mas, deixe-me dar a um exemplo aqui mesmo.

Leia o pequeno texto abaixo:

Hey, Guess what? I was at the movies the other day and ran into Mike. Remember him? That fella who used to go out with us dressed like a cowboy and used to say that one day he would take over the world. Now he’s not like that anymore. He told me he’s changed a lot, especially after having split up with that gorgeous girlfriend of his…

O texto acima serve apenas para mostrar como os phrasal verbs ocorrem naturalmente dentro de uma conversa. Nele foram usados ran into, go out, take over, split up que significam encontrei por acaso, sair, conquistar/controlar (por meio da força), se separado/largado/deixado, respectivamente.

Veja que agora o phrasal verb run into tem outro significado. Essa é outra características dos phrasal verbs. Muitos deles podem ter mais de 2 significados ou até mais. Logo, temos de nos acostumarmos também com isso. Por essa razão a melhor maneira de aprender phrasal verbs é por meio do contexto.

Conclusão

Ao encontrar um phrasal verb, anote-o no seu caderno de vocabulário (só de vocabulário, nada de gramática!) e crie exemplos baseando-se nos exemplos que encontrar em dicionários. Só assim você ficará cada vez mais e mais com os phrasal verbs na ponta da língua.

Para saber mais sobre phrasal verbs, faça uso da ferramenta de busca aqui do Inglês na Ponta da Língua para pesquisar sobre o assunto. Você encontrará outras dicas sobre esse assunto. Leia todas que puder para entender melhor o que são phrasal verbs e como aprendê-los naturalmente.