Como eu aprendi inglês! Um resumo da história!

As pessoas sempre me perguntam como eu aprendi inglês. Perguntam isso porque sabem que eu aprendi inglês sozinho. Nunca frequentei um curso de inglês e nem mesmo fiz um intercâmbio. Como minhas amigas e amigos dizem, eu aprendi na marra.

Assim, sempre querem saber coisas como: O que você fez para aprender? Como se organizava? Que material usava? Qual era o seu método de estudos? Como organizava o tempo? Como estudava a pronúncia se não tinha ninguém para ajudar/corrigir?

Enfim, são tantas as perguntas que fazem que eu acredito que daria para fazer um filme explicando cada detalhe. Mas, como Hollywood ainda não sabe da minha história, eu fiz um vídeo no qual conto em resumo como eu aprendi inglês.

Este vídeo está publicado lá no Youtube. Então, você pode assisti-lo por lá ou aqui mesmo no site. É só tocar no player abaixo e ouvir a minha história.

Como Eu Aprendi Inglês (podcast)

Além da versão em vídeo (Youtube), você pode também encontrar esse bate papo em formato podcast. O áudio está abaixo também. Mas, para acompanhar o Inglês na Ponta da Língua nas plataformas de podcast é só clicar na sua favorita abaixo:

Outras dicas para te ajudar

Seguem abaixo outras dicas para ajudar você um pouco mais:

Quer aprender ainda mais?

Se você quiser aprender muito mais, então tenha o livro Inglês na Ponta da Língua – método inovador para melhorar seu vocabulário. Nele você aprende a aprender phrasal verbs, expressões, frases do cotidiano, dicas de como estudar, como se organizar, atividades que podem ser feitas em qualquer lugar e assim manter o inglês ativo na memória e muito mais.

Nessa oferta exclusiva, você receberá o livro em seu endereço e autografado por mim – o autor. Portanto, não perca essa oportunidade. Clique no botão abaixo e fique com seu Inglês na Ponta da Língua.

Aprender Inglês com Músicas? É mesmo possível? Como fazer?

Aprender inglês com músicas!? Será que é mesmo possível usar músicas para aprender inglês!? Quando alguém fala sobre esse assunto, o que você pensa a respeito!? Qual sua opinião!? Como você usa as letras de canções conhecidas para estudar inglês?

Essas são perguntas que, vira e mexe, eu recebo aqui no Inglês na Ponta da Língua. Trata-se de um assunto que sempre gera muito interesse.

Eu mesmo tenho respondido perguntas sobre esse tema desde que comecei a dar aulas de inglês. Isso lá em 1994! Depois no Orkut (2005), esse assunto era bastante discutido em nossa comunidade. Aqui no site – desde seu início em 2007 –, eu sempre acabo escrevendo algo a respeito. Veja uma lista de textos sobre o assunto no final desta dica.

Aprender Inglês com Músicas

Agora, para dar continuidade a ele, gravei um vídeo no qual falo novamente sobre aprender inglês com músicas. Logo, se você tem interesse sobre esse assunto, assista ao vídeo abaixo. Eu tenho minhas opiniões sobre o tema. Mas, eu adoraria saber qual sua opinião! Portanto, deixe seu comentário e assim a gente vai poder continuar trocando ideias a respeito.

Aprender Inglês com Músicas

Assista ao vídeo Aprender Inglês com Músicas e aproveite a oportunidade para se inscrever no canal Inglês na Ponta da Língua no Youtube, clicando aqui.

Se não tiver como assistir ao vídeo agora, ouça o áudio abaixo. Você pode também procurar o Inglês na Ponta da Língua em sua plataforma de podcast: Spotify (clique aqui), Google Podcast (clique aqui) ou iTunes (clique aqui).

Leitura Complementar

Abaixo segue alguns textos entrar para você ler e aprender mais.

Lembre-se que aqui no Inglês na Ponta da Língua, há muitas outras dicas sobre os mais variados assuntos. Para encontrar dicas específicas, use a barra de busca. Você vai se surpreender!

I hope you enjoy all these tips. I’m quite sure you’ll learn a lot from them. That’s all I have for now! So, take care and keep learning.

Quer aprender inglês!? Então, pense duas vezes!

Você quer aprender inglês? Quer muito aprender a falar inglês!? Quer aprender inglês para assistir aos seus filmes e seriados favoritos!? Quer aprender inglês para poder viajar e curtir o mundo sem medo se comunicar!? Quer aprender inglês para se dar bem nos trabalho e também nos estudos!?

Você certamente respondeu sim para a maioria das perguntas acima, não é mesmo? Ou seja, claro que você quer aprender inglês! Que pergunta mais imbecil essa!

Ok! Então, antes de você sair por desesperadamente, pense duas vezes. Ou melhor, pense muito bem antes de querer realmente aprender inglês! Pense com cuidado!

Por quê?

Deixe-me elaborar – explicar – isso com calma. Vamos por partes!

Todo mundo quer aprender inglês

Essa coisa de querer aprender inglês é algo que todo mundo deseja. Afinal, os benefícios são vários e nem preciso listá-los aqui. Todos sabem quais são.

Mas, já que todo mundo quer aprender, por que nem todo mundo aprende?

Será que o problema é a língua inglesa em geral? Será que tem algo a ver com a pronúncia – os sons – da língua inglesa? Será a gramática do inglês? A quantidade de palavras talvez?

A culpa é das escolas que só enrolam pensando em ganhar dinheiro? Será culpa da quantidade de professores e professoras online que oferecem cursos com seus “métodos próprios e inovadores“?

Enfim, onde está o problema? De quem é a culpa? Se você quer aprender inglês, por que será que você não aprende?

Pense duas vezes!

Quer aprender inglês!? Pense duas vezes!

Muita gente me procura dizendo que quer aprender inglês. Geralmente, elas chegam até mim dizendo que sou um excelente profissional e que tenho conhecimento e experiência o bastante para ajudá-las a aprender inglês. Uma espécie de guru! Além disso, essas pessoas também falam que dinheiro não é problema.

Quando eu ouço isso, eu falo para a pessoa pensar muito bem no que ela realmente quer. Quando digo isso, costumo ouvir um sonoro “Eu quero aprender inglês!“.

É aí que eu entro com algumas perguntas para ajudar a pessoa a pensar bem no que ela quer. Pois, querer aprender inglês não se resume a ter um excelente professor ou professora e nem ser capaz de pagar bem por isso.

Aprender inglês vai muito além desses dois pontos!

Aprender Inglês não é só aprender inglês

Quando você pensar em querer aprender inglês, pense também no seguinte:

  1. Você tem tempo para estudar fora da aula? Você vai se dedicar a fazer as tarefas propostas pela professora? Você vai ler o material extra que seu professor eventualmente possa pedir para você ler?
  2. Você vai procurar se envolver com o inglês ao longo do dia? Você vai procurar deixar seu smartphone, tablet, computador, aparelho de TV configurados em inglês para foçar seu cérebro a se acostumar com a língua inglesa?
  3. Você vai participar ativamente das aulas de inglês sem medo de errar e sempre buscando colocar em prática aquilo que aprende?
  4. Você vai parar com a mania de sair baixando tudo que encontrar em sites, blogs, Facebook, Instagram e salvar para estudar depois?
  5. Você vai manter o compromisso com você mesmo de não faltar às aulas ou bater papo via Skype com seu professor online?
  6. Você vai deixar de lado a mania de achar que inglês é uma língua difícil e que você não dá conta de aprender?
  7. Você vai parar de culpar o professor ou professora e passar a observar se você está sendo um bom estudante de inglês?
  8. Você vai estabelecer objetivos de aprendizado e assim procurar alcançá-los de acordo com seus limites e até mesmo ir além disso?

Pense bem! Você quer aprender inglês! Isso é excelente! Mas, você está disposto a se dedicar o máximo possível para fazer isso acontecer?

De quem é a culpa?

Pense muito bem! Todo mundo quer aprender inglês. As oportunidades são várias: sites, podcasts, canais no youtube, escolas de idiomas, cursos online, página no Facebook, perfis no Instagram.

Mesmo com toda essa montoeira de possibilidades, nem todo mundo aprende. No entanto, nem sempre a culpa é do professor, da escola ou do livro.

A culpa muitas vezes pode ser sua mesmo. Afinal, você quer aprender inglês, mas será que você está se dedicando para isso?

Ah! Não adianta dizer que você se inscreveu em 10 canais de inglês no Youtube, segue 30 perfis no Instagram, está em 15 grupos no Facebook, participa de 10 grupos no WhatsApp, baixou 100 ebooks e coisas assim. Afinal, a gente sabe que quantidade não é qualidade. Não se torne um acumulador de conteúdo!

Quando eu decidi aprender inglês – por conta mesmo, pois minha família não tinha dinheiro para pagar um curso –, nós não tínhamos as inúmeras facilidades que temos hoje. Eu estudei com apenas 3 livros (não tinha internet). Eu tirava dúvidas lendo e relendo os livros que tinha até entender o conteúdo ou ainda com meu professor na escola (mas isso foi bem depois).

Eu ouvia a BBC de Londres usando um rádio no qual para conseguir ouvir com mais clareza era necessário colocar um bombril na antena. Quando não funcionava direito, eu encostava a antena com o bombril na minha testa. Isso de alguma forma melhorava o sinal. Não muito! Mas, melhorava!

Quer aprender inglês!? Pense duas vezes!

Acredito que você já entendeu a ideia, não é mesmo? Se você quer aprender inglês, você precisa pensar bem no seu papel como estudante de inglês.

Não seja preguiçoso! Não espere por um milagre! Não seja um acumulador de materiais! Não culpe os outros ou a língua se você não estiver fazendo a sua parte!

O simples fato de querer aprender inglês não é o suficiente. Afinal, querer todo mundo quer; mas nem todo mundo está disposto a fazer a sua parte.

Portanto, Pense duas vezes!

Praticando Listening com Vídeos Curtos

Praticando listening com vídeos curtos!? Que ideia é essa!? Como assim!? Neste texto quero compartilhar uma dica bem legal com você que acompanha o Inglês na Ponta da Língua.

Essa é uma dica que dou no curso Inglês na Ponta da Língua (antigo Aprender Inglês Lexicalmente). Curso que foi totalmente reformulado e que além de dicas para aprender inglês a todo instante, ele traz também muitas frases, expressões, phrasal verbs, collocations e muito mais para quem quer aprender inglês de modo mais dinâmico. Se você quiser saber mais sobre esse curso, clique aqui. Caso queira saber mais, entre em contato clicando aqui.

Mas, indo à dica! Vamos falar um pouco sobre:

  1. listening em inglês
  2. Praticando Listening com Vídeos Curtos
  3. Dicas sobre como usar esse vídeos
  4. Um vídeo para você praticar
  5. Texto do vídeo para você aprender mais

São 5 pontos com várias dicas para você entender um pouco sobre listening em inglês e também aprender inglês.

Listening em Inglês

Já publiquei aqui inúmeras dicas sobre listening em inglês. Se você começou a acompanhar meu trabalho recentemente, talvez tenha perdido algumas dessas dicas. Então, siga lendo para saber onde elas estão.

Em uma das primeiras dicas que escrevi, tentei explicar de modo bem simples por que listening é difícil. Nesse texto, menciono o fato dos nativos falarem rápido e também do inglês falado ser diferente do inglês escrito. A gente aprende “What are you going to do?”, mas na vida real as pessoas falam “Watcha gonna do?”. Isso dá um nó em nossas cabeças quando começamos a estudar inglês.

Além desses pontos, no texto cito um outro fator que precisa ser compreendido. Para saber qual é, recomendo que leia a dica Por Que Listening é Difícil? Como Resolver o Problema.

Em outras dicas sobre como melhorar o listening em inglês, dou inúmeras ideias para que estudantes de inglês – básico ao avançado– desenvolvam a habilidade de listening naturalmente. Um desses textos é Dicas Para Melhorar o Listening. Muitas dessas dicas, eu reforço no curso Inglês na Ponta da Língua. Afinal, listening é uma das coisas que temos de desenvolver constantemente.

Há também textos voltado para professores de inglês. O título é Ensinar o Inglês Falado para Melhorar o Listening. Nele, incentivo que professores deem ênfase ao inglês falado naturalmente. Ou seja, ajudem os alunos a entender o inglês falado de verdade desde cedo. Afinal, temos de nos envolvermos o máximo possível com o inglês falado e assim nossos ouvidos se acostumem com o inglês da vida real e não com o inglês dos livros. Sobre isso leia You want to speak English or book English?.

Neses textos você encontrará muitas informações para melhorar o listening. Clique nos links e imprima os textos. Você terá muita coisa para colocar em prática.

Praticando Listening com Vídeos Curtos

Praticando Listening com Vídeos Curtos

Você certamente assiste a filmes e seriados na esperança de praticar listening. Eu não tenho nada contra isso; mas, você há de concordar filmes e seriados são longos. Imagine usar um filme com 3 horas de duração na esperança de melhorar o listening! Loucura!

Também já dei dicas aqui sobre como você pode tirar melhor proveito de filmes e seriados para aprender inglês. Um desses foi o texto Aprender Inglês com Filmes. Nesse texto dou dicas para que vocês escolha o trecho de um filme, aprenda os chunks of language e pratique isso de uma maneira que seu cérebro se acostume. O problema é que se você for fazer isso com o filme todo, você vai passar um mês inteiro estudando apenas aquele filme. Por um lado isso é interessante; por outro, é cansativo.

Outra dica dada, responde a seguinte pergunta: Assisto aos Filmes com Legendas em Inglês ou em Português? O que será melhor? Como se trata de uma dica mais específica, vou deixar para que você a leia com calma. No entanto, saiba que ela têm um pouco haver com o que vou falar mais abaixo.

Se filmes e seriados são longos, eu então recomendo que você use vídeos curtos. No Youtube, no Instagram e no Facebook, há inúmeros vídeos com cerca de 1 ou 2 minutos de duração que você pode usar para estudar. Esse vídeos podem ser brincadeiras (as tais pegadinhas), mensagem motivacional, uma entrevista, etc. Enfim, você pode garimpar os sites e encontrar vídeos curtos para usar a seu favor. No Instagram do Inglês na Ponta da Língua e também em nosso Facebook, eu costumo publicar videos assim para que todos possam praticar o listening e aprender mais inglês.

Mas, como usar esses vídeos a seu favor?

Dicas sobre como usar esse vídeos

Não há muito segredo sobre como usar esses vídeos. Tudo o que você precisa fazer é salvá-los e ouvi-los sempre. você deve estar aí se fazendo a seguinte pergunta: Como eu vou saber se estou entendendo ou não?

Nesse caso, você pode pedir ajuda na internet. Há grupos de estudo no Facebook. Você pode pedir para alguém te ajudar com alguma parte específica. Pedir ajuda para aprender algo não é feio. Além disso, você estará ajudando outras pessoas a aprenderem junto com você. Todo mundo sai ganhando. No curso Inglês na Ponta da Língua, eu já faço isso nos vídeos que compartilho. Portanto, é uma outra opção.

Se você conseguir o texto do vídeo por meio da legenda em inglês, você terá mais facilidade para começar a entender. Portanto, procure por vídeos que tenham a legenda. No Youtube, você pode clicar em uma botãozinho de closed caption e assim ter o texto do vídeo. Nem sempre funciona, mas quando funciona ajuda muito. É tudo uma questão de garimpar o conteúdo que te interessa e usá-lo a seu favor.

O trabalho aqui não é muito fácil! Mas, quando você pega o jeito, você se surpreenderá com o modo como seu listening em inglês melhorará muito. Isso se você levar à sério essa coisa de Praticando Listening com Vídeos Curtos.

Para você entender um pouco do processo, vou deixar um vídeo para você ter uma ideia de como isso pode ser feito.

Um Vídeo para Você Praticar

Segue abaixo um vídeo para você colocar essa ideia de Praticando Listening com Vídeos Curtos em prática. Siga os passos abaixo:

  1. Assista ao vídeo e procure entender o que está acontecendo: Quem são as pessoas? O que elas estão fazendo? Qual a reação delas? O que elas estão dizendo?
  2. Assista ao vídeo novamente e tente entender melhor o que elas estão dizendo. Preste atenção em palavras ou expressões que você sabe. Associe essas palavras ao contexto e já crie a cena em sua mente como se você estivesse junto a elas.
  3. Assista ao vídeo mais uma vez e associe tudo novamente com o que você fez nos pontos anteriores.
  4. Feche seus olhos e deixa o vídeo tocando. Não olhe para a cena. Apenas, ouça e reconheça as palavras e expressões que você já sabe.
  5. Não se preocupe com o fato deles falarem rápido demais. Deixe esse pensamento de lado. Simplesmente divirta-se e siga praticando listening com vídeos curtos.

Texto do Vídeo para Você Aprender Mais

Depois de assistir ao vídeo fazendo os passos que dei acima, você pode ler o texto com o diálogo do vídeo. Esse é o momento no qual você aprenderá os chunks mais importantes e que fazem com que o cérebro ouça melhor ao assistir ao vídeo outras vezes. Você pode copiar esse texto para seu caderno e manter o foco nas expressões principais (chunks, collocations, palavras, etc.). No curso Inglês na Ponta da Língua, a gente foca bem nessas expressões (significado, uso, pronúncia). Aqui, apenas darei o texto.

– Have you been ordering something off the internet?
– No!
– Off the TV?
– No!
– Ja’Myron
– Why did… This says shipped to Ja’Myron Baker. What is this?
– I don’t know!
– You open it! Here! I don’t have this. Does that have my name on there? That has your name on there. You open that! Hurry up! Buying stuff off the TV. I’m gonna wear your butt out. The heck! Open this! You ain’t getting nothing off the TV. Why does it have your name on it then? What is this? What is that? Open that up! What is that? Take that out of there! What does that say? What is that?
– What?
– What is that? What is this? Read what that says!
– Happy eighth birthday, love Mom.
– Thank you!
– Got him!
– Oh… What? Oh my God!
– Happy eighth birthday son. Got you an iPod touch! Happy birthday baby!

Uma última dica é a seguinte: estude esse texto e tente memorizá-lo. Depois, ouça o vídeo – não o veja – e imagine os chunks sendo usado. Você pode ainda tentar repetir o que está sendo dito ao mesmo tempo que as pessoas no vídeo. Nas primeiras vezes isso será meio frustrante, mas com o tempo a prática levará à perfeição.

Conclusão

Se você ler as dicas que indiquei acima, você saberá o que mais fazer com esse texto e com o vídeo. Afinal, você colocará tudo isso junto e vai ficar Praticando Listening com Vídeos Curtos sempre que puder. Portanto, tire um tempo para ler as dicas. Você quer ficar com seu Inglês na Ponta da Língua, não é mesmo? Então, tem de estudar!

That’s all for now, guys! Espero que tenham gostado do conteúdo desta dica. Eu sei que é muita coisa, mas acha que será fluente em inglês da noite para o dia, certo? Quanto mais cedo você começar a pôr em prática o que aprende, mais cedo seu cérebro começará a se acostumar com tudo. Como eu disse acima: a prática leva à perfeição. Então, siga Praticando Listening com Vídeos Curtos. Portanto, pratique! Take care and keep learning.

Aprender Inglês em 7 Dias!? Como assim!?

Será possível aprender inglês em 7 dias? O que fazer para conseguir aprender inglês em 7 dias? Qual o segredo para aprender inglês em 7 dias?

Você deve estar estranhando isso tudo. Mas, também deve estar morrendo de curiosidade. Afinal, será que podemos mesmo aprender inglês em sete dias? Vamos aos poucos para você entender o porquê desse assunto aqui novamente.

» Leia também: Fluência em Inglês em 3 meses! É possível!?

Aprender Inglês em 7 Dias

A Folha de São Paulo publicou recentemente uma matéria (link) com o seguinte título:

Presidente de rede de fast food aprendeu língua inglesa em sete dias

Veja que a chamada é forte. Pois, aparentemente ela falará sobre um grande milagre no aprendizado de inglês: alguém que aprendeu inglês em sete dias e o que esse alguém fez.

Assim como a grande maioria, eu fui tomado pela curiosidade. Afinal, como especialista no assunto, eu sei que em 7 dias alguém pode aprender algumas coisas em inglês. Mas, ser fluente em 7 dias já é algo que impossível. Cliquei no link compartilhado no Facebook e fui ler o texto.

Já no começo, fico sabendo que essa é mais uma daquelas matérias feitas para chamar atenção à trajetória profissional de alguém. No caso, trata-se de Paulo Camargo, atual executivo responsável pelo McDonald’s no Brasil.

A ideia é apresentar a personagem real da matéria e sua caminhada desde que estava desempregado até chegar onde está hoje. Enfim, um exemplo de profissional que, claro, tem muito a nos ensinar. Então, vamos aprender com ele. Pois, a matéria diz que ele aprendeu inglês em 7 dias, então temos de saber como isso aconteceu. O que nosso modelo tem a nos ensinar?

Indo aos Fatos

No primeiro parágrafo da matéria lemos que Paulo Camargo, em 1993, com 25 anos de idade, estava desempregado. Dessa forma, ele se candidatou a uma vaga no McDonald’s. Como todo processo seletivo, o recrutador perguntou como estava o inglês de Paulo.

Paulo, brasileiro que deixava tudo para o último momento, certamente disse que não estava nada bem. Mas, como bom brasileiro, ele disse que daria um jeitinho. Ele conta que disse ao recrutador que precisava de uma semana (7 dias) para se preparar. O recrutador estranhou, mas aceitou o pedido de tempo. Logo, Paulo tinha 7 dias para aprender inglês.

Aprendendo Inglês em 7 Dias

Aprender Inglês em 7 DiasNa sequência da matéria o nosso protagonista diz o que fez quando recebeu a oportunidade. Leia,

Juntei todo o dinheiro que tinha guardado enquanto estava no exército, paguei um professor de inglês e passei a estudar 15 horas por dia.

Muita gente ao ler isso já começa a achar que ele descobriu o professor mágico que o ensinou a falar inglês em sete dias. Ou ainda que ele simplesmente recebeu uma luz vindo do céu para operar esse milagre em sua vida.

Curiosamente, mais à frente ele diz que conseguiu a vaga. Mas, acima de tudo, ele afirma que:

Falei o suficiente para passar, mas consegui a vaga pelo esforço, não pelo inglês que falei.

Veja bem o que ele diz: consegui a vaga pelo esforço, não pelo inglês que falei. Ou seja, Paulo reconhece que não foi o inglês que o ajudou. Certamente, seu inglês não convenceu muito.

Entendendo os Fatos

Paulo Camargo sabe que em 7 dias ele aprendeu algumas coisas de inglês. Eu acredito que devido ao seu esforço, motivação, força de vontade, oportunidade dada, etc., ele aprendeu muito mais do que muita gente aprende em 3 meses. No entanto, ele não descobriu a fórmula para ser fluente em inglês em 7 dias.

O que ele aprendeu foi o suficiente para conseguir uma vaga no McDonald’s. O recrutador deve ter se admirado muito mais com seu esforço, garra e iniciativa. Dessa forma, deu a Paulo Camargo a chance de trabalhar na rede. Se ele continuaria trabalhando para o McDonald’s era incerto. Tudo dependeria dele mesmo.

Paulo certamente continuou estudando inglês por muito mais tempo. Assim foi se aperfeiçoando. Conforme foi subindo dentro da empresa, foi vendo a necessidade de aprender mais e mais inglês. Até chegar ao ponto de ser fluente. Ou melhor, de desenvolver a fluência dia após dia. Ele manteve o foco! Não foi medíocre em sua(s) conquista(s).

Veja bem! O título da matéria chama muita atenção. Contudo, não deve ser interpretada ao pé da letra. Infelizmente, ninguém consegue aprender inglês (fluente) em 7 dias. Isto é, ninguém consegue ser fluente em inglês em 7 dias de estudo.

O que Paulo fez?

Como especialista na área, o que eu observo são as atitudes de Paulo Camargo diante da oportunidade dada pelo recrutador. Vamos analisar isso!

Em primeiro lugar, Paulo tinha uma motivação muito forte: conseguir o emprego. Essa motivação serviu de trampolim para que ele assumisse um compromisso. Na verdade, ele assumiu dois compromissos: um com ele mesmo (eu vou conseguir!) e outro com o recrutador (me dê a oportunidade e te mostro do que sou capaz!).

Além disso, ele investiu suas economias e buscou ajuda (contratou um professor). Se ele não tivesse a motivação necessária ou se ele desanimasse e não acreditasse nele mesmo, ele usaria o dinheiro para outros fins. Durante o curto período de tempo que tinha (apenas 7 dias), Paulo se organizou, administrou o tempo e se esforçou para aprender o máximo que podia e assim conseguir atingir seu objetivo: ser empregado na rede.

Isso faz com que algumas perguntas surjam:

  1. Qual sua motivação para aprender inglês?
  2. Você tem assumido o compromisso de realmente aprender inglês?
  3. Você tem investido algo para aprender inglês ou fica só se enchendo de materiais da internet sem saber o que fazer direito com tudo?
  4. Como você tem se organizado para aprender inglês?
  5. Como tem administrado o tempo – seja o ocioso ou não– para aprender inglês?

Pense nisso! Tenho certeza que se você agir como o Paulo, você aprenderá muita coisa em 7 dias. Já terá o suficiente para começar se destacar. Aí, é só continuar se dedicando e não parar jamais. Pois, o aprendizado de inglês é contínuo e não deixa de acontecer em certo ponto da vida (só se você parar ou morrer!). No entanto, o que será que você está disposto para aprender inglês em 7 dias?

Se quiser mais que isso, contrate um professor. Valerá a pena! Eu posso ser seu professor. Basta se inscrever no curso Aprender Inglês Lexicalmente clicando na imagem abaixo. Até a próxima!

Aprender Inglês Lexicalmente

Curso de Conversação em Inglês: o que é e como faz?

Curso de conversação em inglês!? Aulas de conversação em inglês!? O que é isso? Como é um curso de conversação em inglês? Será que existe um curso de conversação em inglês? O que isso significa? Vamos falar um pouco sobre isso tudo e, claro, esclarecer algumas coisas.

O que é conversação?

Se buscarmos essa palavra em um dicionário, encontraremos a seguinte definição: “ato ou efeito de conversar, de estar numa conversa com alguém”. Portanto, conversação é sinônimo de bate papo, diálogo, conversa. Quando eu bato papo com alguém, eu estou tendo uma conversação.

Isso a gente já sabe! Nem precisava do dicionário, mas aí entra a pergunta a seguir.

O que é conversação em inglês?

Ainda com a ajuda do dicionário, aprendemos que conversação é também a “prática ou aula que, no ensino de uma língua estrangeira, se volta principalmente para a expressão oral”. Logo, ao aprender inglês, temos de praticar (e ter aulas) voltadas para o bate papo. Temos de aprender a dialogar com as pessoas. Temos de aprender a fazer e responder perguntas, expressar opiniões, dar ideias, etc.

Curso de Conversação em InglêsQuando a professora faz uma atividade na qual os estudantes devem conversar entre si – fazendo uso do conteúdo que ela ensinou –, os alunos estão tendo aulas de conversação em inglês. Eles estão aprendendo a bater papo, a dialogar.

Aulas de conversação em inglês: um exemplo

Quando estamos no nível básico de inglês, nós aprendemos a fazer algumas perguntas e também como respondê-las. As mais famosas são:

  • What’s your name?
  • My name’s …
  • How old are you?
  • I’m … years old.
  • Where are you from?
  • I’m from…
  • What do you do?
  • I’m a/an… [profession]
  • Do you have any brothers or sisters?
  • Yes, I do. | No, I don’t.

A professora ensina a pronúncia e o uso dessas frases. Ao longo do tempo, os alunos vão aprendendo mais e mais perguntas e respostas – bem como outros conteúdos – e vão assim ampliando o poder de conversação em inglês. Isso acontece sempre que os alunos são colocados em duplas, trios ou grupos e devem dialogas fazendo uso de perguntas e respostas.

As aulas de conversação em inglês funcionam assim. E com o tempo vão ficando mais, digamos, complicadas. Os alunos terão várias aulas de conversação em inglês para assim aprenderem a conversar com as pessoas em inglês.

Curso de conversação em inglês existe?

Com certa frequência, ouço pessoas dizendo que querem um curso de conversação de inglês. Alguns dizem que não querem estudar em escolas de idiomas (CNA, CCAA, Cultura Inglesa, Wizard, Wise up, etc.) pois essas escolas não ensinam conversação. Essas pessoas querem só um curso de conversação em inglês e nada mais.

Se você busca por algo assim, sinto informar que não existe um curso de conversação em inglês. Pelo menos, não da forma como você sonha! E se alguém estiver vendendo um curso com esse nome, desconfie! Por que eu digo isso?

Para ser capaz de manter uma conversa em inglês, você deve aprender sentenças (frases), expressões, gramática de uso (não estou me referindo a regras e termos gramaticais), palavras, collocations, fillers, pronúncia (não só os sons da língua inglesa, mas também entonação, ritmo, linking words, etc.).

Portanto, todo curso de inglês – seja em uma escola tradicional ou online e mesmo um professor particular – terá aulas que ajudarão você a desenvolver sua habilidade de conversar em inglês. Se você espera ter uma aula na qual seja só bate papo, ele não existe.

Alguns cursos de inglês se baseiam em um método no qual os professores ficam fazendo perguntas e mais perguntas aos alunos. Esses por sua vez devem responder de acordo com o que aprendem. Embora alguns dizem que isso é um curso de conversação, não é. Trata-se apenas de um curso de inglês baseado no método direto. Nele tudo é em inglês: explicações, atividades, exercícios, tira dúvidas e tudo mais. Antes de você começar a realmente conversar (trocar ideias), você tem de entender (aprender) o que está sendo passado para você. Portanto, não se iluda!

Conversação em inglês é um processo

 Caso você esteja deixando de estudar em uma escola só porque deseja ter aulas de conversação em inglês, você não vai aprender inglês tão cedo.

Aprender a conversar em qualquer língua – inclusive em nossa língua materna – é um processo contínuo. Trata-se de algo que é construído com a série de conhecimentos que vamos adquirindo conforme nos envolvemos com a língua inglesa dia após dia.

Para isso você pode estabelecer objetivos e criar estratégias para alcançá-los. Aqui no Inglês na Ponta da Língua, já escrevi sobre várias coisas que eu fazia para alcançar a fluência em inglês. Eu não ficava só estudando a gramática e decorando palavras. Eu fazia algumas coisas meio loucas para ficar com o inglês na ponta da língua. Ou seja, desenvolver meu speaking em inglês.

Tudo isso – e outras coisas mais – eu fazia com o objetivo de melhorar minha conversação em inglês. Eu não esperava um americano (ou um britânico, canadense, australiano…) cair do céu para que eu finalmente pudesse conversar em inglês. Eu simplesmente me preparava para quando a hora chegasse, eu assim não passaria vergonha (mesmo me preparando, eu passei várias vergonhas!).

Como fazer um curso de conversação em inglês online?

Dias atrás, perguntaram como os participantes dos meus cursos praticam a conversação em inglês online. Conversam por vídeo conferência? Batem papo via Skype? Usam o WhatsApp?

A resposta é muito simples: qualquer pessoa que queira aprender a conversar em inglês vai praticar de qualquer jeito. Ela colocará em prática as dicas eu dei acima e muitas outras. Ou seja, cabe a cada um criar suas estratégias para praticar o que está aprendendo.

Claro que todo mundo pode praticar via Skype, vídeo conferência ou qualquer outra ferramenta do tipo. Mas, se não tiver isso no momento, o estudante deve se virar para praticar o que está aprendendo. Quem realmente quer aprender a conversar em inglês vai fazer de tudo para falar em inglês. Não dá para ficar sentado esperando que alguém surja e ajude.

Lembre-se: não existe um curso de conversação em inglês perfeito e específico para cada pessoa. Cabe a você fazer seu próprio curso de conversação em inglês. Prepare-se! Faça sua parte! Assim, quando surgir a oportunidade de falar com alguém ao vivo e à cores, você poderá se arriscar e assim aprender ainda mais.

No curso Aprender Inglês Lexicalmente, eu dou várias dicas de como você pode aprender a conversar em inglês. Tem também inúmeras frases usadas em vários contextos. Assim como diálogos para você ouvir e praticar sempre que puder. Afinal, o objetivo é que você fique com seu Inglês na Ponta da Língua.

Take care and keep learning!

Sons do TH em Inglês: verdades não ditas

Os sons do TH em inglês – θ e ð – são um tormento para muitos estudantes de inglês. Mas, será que tem mesmo de ser assim? Será que você precisa se desesperar para aprender os sons do do th em inglês como se você fosse um falante nativo? Neste texto – e vídeo –, eu vou mostrar a você 5 fatos sobre os sons do th que ajudarão você a desmistificar – ou desencanar – essa aura de endeusamento que muitos dão ao sons θ e ð sem necessidade. Chegou a hora de você conhecer as verdades não ditas sobre os sons do th em inglês.

Antes vale lembrar que está rolando uma promoção de ebooks aqui no Inglês na Ponta da Língua. São 4 ebooks por um preço imperdível. Saiba mais clicando aqui.

Clique aqui e assista ao vídeo referente a esta dica lá no Youtube

Sons do TH em inglês: Fato 1

Estima-se que sejam faladas ao redor do mundo cerca de 6000 a 7000 línguas. Entre essas, apenas 50 a 100 línguas possuem os sons do TH. Algumas dessas línguas possuem os dois sons – caso da língua inglesa –, outras possuem apenas um som ou outro.  Ou seja, os sons θ e ð não são comuns na grande maioria das línguas faladas no mundo.

A língua portuguesa é uma dessas línguas na qual esses dois sons não existem. Portanto, é muito natural que nós – falantes do português – tenhamos dificuldades em fazer os sons do TH de modo perfeito. Algumas pessoas – após muito treino e esforço – conseguem. Já outras poderão passar anos para conseguir ou nem ao menos conseguirão.

Sons do TH em inglês: Fato 2

Os sons do TH em inglêsCrianças que nascem em países de língua inglesa e, portanto, têm o inglês como língua materna, só fazem os sons do th do modo como devem ser lá por volta dos 4 ou 5 anos de idade.

Ou seja, uma criança que tem o inglês como língua materna começa a fazer seus primeiros sons por volta de 1 ano de idade. Período em que a fala começa a se desenvolver. Até os 4 ou 5 anos, essa criança não faz os sons do th como devem ser em inglês. No lugar desses sons, ela usa outras.

O aprendizado aqui é o seguinte: se um falante nativo não nasce fazendo esses sons de modo imediato, por que é que você que já é um adulto quer aprendê-los da noite para o dia?

Sons do TH em inglês: Fato 3

Há na pronúncia da língua inglesa um fenômeno conhecido como assimilation. De modo bem simples, assimilation refere-se ao fato de um som sem assimilado por outro próximo a ele. Como estamos falando dos sons do TH, vamos falar sobre a assimilation nesses casos.

Quando em inglês temos algo como in the, a pronúncia do th em the desaparece. Portanto, ao invés de pronunciar palavra por palavra, o que nós pronunciamos é algo como in ne. No vídeo que está no final deste texto, você poderá conferir como é pronunciado esse in the. Outro exemplo de assimilation está em right there, onde em uma fala mais rápida o som do th em there vira um t ou mesmo um d. O som então sairá como right tér ou righ dér.

Assimilation também ocorrem em palavras. Esse é o caso da pronúncia de months que fica mans. E também clothes que é pronunciado como close e sixth que fica apenas como six.

Esse fenômeno – assimiliation – ocorre no inglês falado. Falantes nativos fazem assimilation inconscientemente. Eles não se dão conta de que fazem até que alguém mostra para eles.

Assim, a dica para você é: estude mais sobre esse assunto. Assim, você aprenderá quem nem sempre o th é pronunciado em uma palavra ou mesmo frase. Eu acredito que se os professores de inglês ensinassem isso aos alunos e alunas, nós não teríamos tanta gente desistindo de aprender inglês por causa dos sons do th.

Sons do TH em inglês: fato 4

O quarto fato a respeito dos sons do TH poderá causar uma grande reviravolta na sua cabeça. Para isso, cito abaixo um trecho do livro English Pronunciation in Use, escrito por Mark Hancock e publicado pela Cambridge University Press:

Many native speakers of English pronounce TH as /t/, /f/, or /s/ instead of /θ/, and /d/, /v/, /z/ instead of /ð/. For example, some Irish speakers pronounce thick /θɪk/ as tick /tɪk/. Some London speakers pronounce three /θriː/ as free /friː/.

O que lemos aí é justamente o contrário do que muitos professores de inglês afirmam. Ou seja, é sim possível fazermos os sons do th em inglês com sons mais parecidos com o que temos em nossa língua. O fato de você não conseguir fazer os sons  θ e ð não é impedimento para que você não ser compreendido em inglês. Afinal, como acabamos de ver, muitos falantes nativos fazem essa troca de sons. Essa característica não é exclusiva do inglês britânico. Trata-se de algo que está acontecendo na língua inglesa como um todo.

Isso significa que você pode pronunciar palavras como three, think, thank, this, that, those, these, etc., como achar melhor. Com o passar do tempo – conforme você aprende e se envolve com a língua inglesa –, você poderá, se quiser, fazer um curso de accent reduction para aprender os sons do th como a forma padrão da língua inglesa pede. Mas, caso você não tenha a intenção de ir assim tão longe, então contente-se com a forma que achar mais cômoda. Afinal, além de você muitas outras pessoas no mundo – incluindo falantes nativos – estarão pronunciando os sons do th de uma maneira muito mais simples.

Sons do TH em inglês: fato 5

Em 2016, linguistas britânicos publicaram um artigo afirmando que lá por volta de 2066 os sons do TH em inglês não mais existirão. Ou seja, os sons θ e ð desaparecerão.

Esse desaparecimento se deve justamente por causa da assimilation (fato 3) e também da mudança de sons que os falantes nativos estão fazendo naturalmente (fato 4). Soma-se a isso, o fato de que a língua inglesa está sendo cada vez mais falada por pessoas que não tem o inglês como língua nativa. Ou seja, pessoas que em sua língua materna não possuem os sons do TH (fato 1). As crianças (nativos do inglês), por sua vez, começaram a ser menos expostas a esses dois sons e, consequentemente, crescerão sem ouvi-los e então não o pronunciarão da forma como temos hoje. Isso tudo faz com que o desaparecimento dos sons θ e ð aconteça de modo natural futuramente.

Sons do TH em inglês: conclusão

Todos os fatos citados acima – que eu chamo de verdades não ditas – servem para mostrar a você como a língua inglesa está mudando. Além disso, serve também para desmistificar aquela aura de endeusamento que os sons do th em inglês adquiriram ao longo dos tempos.

Ao assistir a vídeos no Youtube ou ler dicas em sites e blogs – sejam de professores brasileiros, americanos, ingleses, etc. –, a sensação que eu tenho é que somente pessoas capazes de fazer os sons do th com perfeição são os privilegiados que devem continuar aprendendo inglês. É como se quem faz os sons do th em inglês fossem uma espécie de semideuses. Alguns – principalmente nativos – parecem usar isso como uma forma de seleção natural. Ou seja, se você não conseguir fazer os sons θ e ð, você está fora dessa coisa de aprender inglês, você não tem futuro. Seu inglês é uma porcaria, péssimo, ruim, ridículo, etc.

Não se deixe abater por esse tipo de cultura imbecilizada (preconceito). Fazer os sons do th em inglês é sim algo legal para se aprender. Não tenho nada contra quem ensina ou queira aprender. No entanto, se você não conseguir fazê-los, isso não significa que você não tenha capacidade para aprender inglês. Inúmeras pessoas no mundo se comunicam bem em inglês sem fazer esses dois sons; então, não desista. Continue estudando e com o tempo você poderá pronunciar esses sons sem problemas. Caso não consiga, não se sinta infeliz. Afinal, os sons do th em inglês estão sujeitos a desaparecer no futuro – e em alguns locais já desapareceu. Não entre na onda dos que dizem que seu inglês é péssimo por causa dos sons do th. Há muitos a aprender do que apenas isso.

Fontes:

Vídeo no Youtube

Este texto teve ainda como base um vídeo feito por mim – Denilso – publicado no Youtube. Para assistir ao vídeo, clique aqui.

Ter Um Bom Vocabulário em Inglês: o que é isso?

Ter um bom vocabulário em inglês!? O que isso realmente quer dizer!? Você certamente já se fez essa pergunta, não é mesmo? Afinal, o que significa ter um bom vocabulário na língua inglesa? Você já parou para pensar nisso?

Esse assunto é um dos mais instigantes no mundo de aprendizado de inglês. O grande problema é que as pessoas de modo geral tem uma ideia bem errada do que realmente significa ter um bom vocabulário. A partir do momento que você entender isso e mudar o modo como encara o assunto, seu inglês mudará muito. Enfim, deixe-me falar um pouco sobre isso e você já vai começar – assim espero! – a mudar o seu pensamento.

» Concorra ao sorteio de uma Bíblia Bilíngue. Clique aqui para saber como participar!

Ter Um Bom Vocabulário em inglês: pensamento comum

Todo estudante de inglês – seja lá qual for o nível – costuma achar que ter um bom vocabulário em inglês significa saber um monte de palavras.

Por um monte de palavras, eles acreditam que saber as cores, as frutas, os legumes, as partes do corpo humano, as partes de uma casa, os utensílios de uma cozinha, peças de um carro, etc., em inglês faz parte desse bom vocabulário em inglês.

Ter Um Bom Vocabulário em InglêsMuita gente ainda acha que além de decorar listas de palavras, um bom vocabulário também se manifesta quando a pessoa sabe palavras esdrúxulas. Aquelas palavras que são raramente usadas em uma conversa cotidiana.

Assim, saber palavras como “acersecomic”, “gorgonize”, “infandous”, “agastopia”, “bibble”, “oxter”, “quire”, “absquatulate” indica que a pessoa tem um bom vocabulário em inglês.

Será mesmo isso?

Será que ter um bom vocabulário em inglês refere-se mesmo ao fato de alguém ter na ponta da língua uma lista de 2000, 3000, 4000, 5000 palavras? E também palavras raramente usadas?

Em parte, isso pode até ser verdade. No entanto, isso não é nem 80% do que nós, especialistas em aquisição lexical, definimos como ter um bom vocabulário em inglês.

Então, o que é ter um bom vocabulário em inglês?

No vídeo abaixo, eu – Denilso – explico do modo mais simples possível o que significa ter um bom vocabulário em inglês. Você vai entender ter um bom vocabulário não se resume a esses dois pensamentos comuns – e falhos – mencionados acima.

Resumindo um pouco o assunto, ter um bom vocabulário em inglês significa ser capaz de usar de como correto e natural as palavras mais simples e comumente usadas no dia a dia da língua inglesa.

Ou seja, saber usar palavras como “all”, “can”, “just”, “mean”, “get”, “will”, “tell”, “say”, “know” e outras mais é o que faz uma grande diferença no seu modo de se comunicar em inglês. Esse é o assunto que trato no curso Aprender Inglês Lexicalmente – participe do curso clicando aqui. Afinal, o segredo para o desenvolvimento da sua fluência está na qualidade de como você usa as palavras e não na quantidade de palavras que tem decorada na cabeça.

Assista, ao vídeo para entender melhor. Caso queira dizer algo a respeito do assunto, deixe seu comentário aí abaixo. Let’s keep talking about this issue. [Não está vendo o vídeo abaixo? Então, assista clicando aqui!]

» Inscreva-se em nosso canal no Youtube: clique aqui

 

Dicas Para Pensar em Inglês? Encontre aqui as dicas que você precisa!

O que fazer para pensar em inglês? Como deixar de pensar em português e começar a pensar em inglês? Quais são as dicas para pensar em inglês?

Estou na área de ensino de inglês há mais de 20 anos e essa pergunta é uma das perguntas que mais ouço. Há um desejo enorme entre os estudantes de inglês de querer pensar em inglês e para isso eles procuram dicas que ajudem. Se você está em busca de respostas a essa pergunta, darei abaixo algumas dicas para pensar em inglês.

Infelizmente, você já deve ter notado que não existe um botãozinho dentro de nossa cabeça que mude o nosso cérebro para deixar de pensar em português e começar a pensar em inglês. Não existe uma espécie de tecla SAP para isso. Se existisse, seria simplesmente MA-RA-VI-LHO-SO, não é mesmo?

Eu e Minhas Ideias

Dicas Para Pensar em InglêsMesmo não tendo tal botão, ao longo dos meus estudos de inglês, eu desenvolvi estratégias para fazer com que meu cérebro usasse o inglês que eu sabia e aprendia.

Caso você não saiba, eu – Denilso – aprendi inglês sozinho. Nunca viajei para o exterior para aprender inglês. Nem mesmo frequentei uma escola de inglês. Todo o inglês que aprendi foi enfiando a cara nos livros, observando a língua sendo usada, cometendo erros de pronúncia, de gramática, de uso das palavras e tudo mais.

Assim, uma coisa que fiz desde o começo foi fazer meu cérebro “pensar” em inglês. Mas, como eu fazia isso? Seguem abaixo algumas das “maluquices” que eu costumava fazer. São dicas para pensar em inglês desde que você realmente queira isso. Claro que você não precisa fazer todas elas, mas experimente algumas por algum tempo e me conte depois qual foi o resultado.

Dicas Para Pensar em Inglês

» Dica 01

Quando estiver parado em algum local – fila de banco, consultório médico, esperando alguém em algum local –, tente descrever as pessoas e o local (o ambiente) em inglês. Não se preocupe se você não souber uma palavra ou outra; simplesmente faça uso daquilo que você já sabe.

» Dica 02

Quando estiver assistindo a uma aula ou ouvindo uma palestra, experimente fazer as anotações em inglês. Se for anotar algo importante que você ouviu, anote em inglês usando as palavras e expressões que você já sabe. Não se preocupe com a gramática; apenas use aquilo que você sabe.

» Dica 03

Ao ver um número de telefone ou placa de um carro, leia os números e letras em inglês. Uma das maiores dificuldades que as pessoas tem ao falar inglês é quando se deparam com números; portanto, acostume-se a ler os números e as letras em inglês. Soletre as palavras de vez em quando apenas para praticar o alfabeto mentalmente.

» Dica 04

Ao começar o seu dia, procure descrever em inglês para você mesmo como será o seu dia.. Fale de coisas que terá de fazer ou acha que terá de fazer. Você pode dizer mentalmente algo como “Today I’m going to work by car. At midday, I think I’ll go to the bank. I also have to call my friend Miguel and…“. Enfim, use o inglês que você já sabe para dizer como será seu dia, coisas que terá de fazer.

» Dica 05

No final do dia, ao deitar na cama – ou um pouquinho antes – repasse seu dia mentalmente em inglês. Pense nos principais momentos do dia e descreva-os em inglês. Por exemplo, “Today, I woke up really early. I went to the dentist. I had lunch at a restaurant and then I went back to work and solved some problems there. I also went to the gym and had a wonderful time“. Enfim, repasse seu dia falando inglês com você mesmo.

Conclusão

O que estou sugerindo a você é que você se acostume a usar o inglês que já sabe para começar a pensar em inglês. Essa coisa de pensar em inglês não ocorre da noite para o dia. Pensar em inglês é uma questão de hábito e hábito é algo que você adquire aos poucos.

Há muitas outras dicas para pensar em inglês. Por exemplo, no horário do almoço, descreva o que você está comendo em inglês. Se você vai ao trabalho de metrô ou ônibus, descreva as pessoas usando o inglês que você sabe. Enfim, brinque mentalmente com o inglês que você já sabe e faça seu cérebro pensar em inglês aos poucos.

Caso queira ouvir mais dicas para pensar em inglês, assista ao vídeo do link abaixo.

»» Como pensar em inglês?

Participe do Curso

Para muito mais dicas para pensar em inglês, conheça o curso Aprender Inglês Lexicalmente. Nele você aprenderá como aprender inglês por meio de chunks of language, aprender gramática sem gramática, usar inglês com naturalidade, desenvolver sua fluência e muito mais. Já estão abertas as inscrições para novas turmas. Saiba mais clicando aqui ou na imagem abaixo.

Aprender Inglês Lexicalmente

 

Google Tradutor é bom? Será que podemos confiar?

Google Tradutor! Aí está uma ferramenta que muita gente usa para aprender inglês. Mas, será que podemos confiar tanto assim nessa ferramenta? Afinal, o Google Tradutor é bom, meia boca ou péssimo?

O que é o Google Tradutor?

Para quem não sabe, o Google Tradutor é o serviço online do Google que permite fazer tradução instantânea de textos e sites em diversos idiomas. Ele tem ainda algumas outras funcionalidades: pronúncia, contextualização de algumas palavras e expressões e outras coisinhas mais.

É, sem sombra de dúvidas, algo bom para quem precisa de uma tradução rápida ou ainda ouvir a pronúncia de uma palavra. Portanto, o Google Tradutor tem suas vantagens. Mas, ele também tem algumas desvantagens.

Colocando o Google Tradutor à prova

Para nos certificarmos se essa é uma boa ferramenta, vamos colocá-la à prova. Portanto, o primeiro passo é, claro, acessar a página do Google Tradutor (clique aqui)

Na caixa de texto, digito “Eu quero aprender a falar inglês”. A tradução sugerida é: I want to learn to speak English. Sem problemas! É compreensível! Mas, algumas pessoas dirão que o mais natural é dizer “I want to learn how to speak English”. No entanto, isso não afeta a comunicação. As duas formas são possíveis.

O Google Tradutor é bom?Vamos tentar algo mais complexo: “Se você acha que eu vou te ajudar, você está redondamente enganado”. Desta vez a sugestão foi “If you think I’m going to help you, you’re deeply mistaken”. Mais uma vez, tiro o chapéu para o Google Tradutor. O collocation “redondamente enganado” não foi traduzido literalmente como em outros serviços de tradução online. Isso é ótimo!

A próxima frase é “Eu acho que você deveria fazer uma dieta”. Confesso que neste caso vez a sugestão me decepcionou um pouco: “I think you should diet”. Essa sugestão é compreensível, mas não é muito natural. O que soaria melhor aí é: “I think you shoud go on a diet?”. Não que esteja errado, mas temos de notar sempre o que é mais natural.

Resolvi complicar um pouco mais e pedi a tradução de “Sei lá! Acho que de deu problema na rebimboca da parafuseta”. Desta vez, o Google Tradutor se enrolou: “I do not know! I think it gave trouble in the screwdriver rebimboca”. Neste caso, o problema não está apenas na tradução de “rebimboca da parafuseta”, que ele desconhece; mas também, na tradução de “deu problema”. A tradução foi muito ao pé da letra. Uma sugestão humana mais natural poderia ser: “I don’t know! I guess there’s something wrong with the whatchamacallit”.

O Google Tradutor é bom?

De modo geral, eu digo que o Google Tradutor é bom. No entanto, ele não é excelente. Por quê?

Pelo lado mais simples – sentenças não muito complexas –, o serviço de tradução do Google consegue se sair muito bem. Veja mais alguns exemplos:

  • Eu odeio estudar inglês. » I hate studying English.
  • A gente nunca mais vai falar com ela. » We’ll never talk to her again.
  • Estou morrendo de fome. » I’m starving.
  • Quando foi que isso aconteceu? » When did this happen?
  • O poder executivo não tem autoridade para isso. » The executive branch has no authority for this.
  • Você pode baixar o volume um pouquinho? » Can you turn the volume down a bit?
  • Estava um breu quando chegamos lá. » It was pitch black when we got there.

Por outro lado, quando incluímos algumas gírias, expressões idiomáticas, collocations mais complexos, o Google Tradutor pode deixar a desejar. As traduções em parênteses são as minhas sugestões.

  • Gostaria de te ajudar, mas eu estou duro. » I would like to help you, but I’m hard. (I’d like to help you, but I’m broke.)
  • Isso vai dar rolo! » This will roll. (This will be terrible. | This will be a huge problem.)
  • Ela vive falando mal dos outros. » She lives speaking ill of others. (She’s always speaking ill of other.)
  • Ele ganhou as contas semana passada. » He won the bills last week. (He was fired last week. | He got fired last week.)
  • Eu não vou bater boca com ela. I’m not going to mouth her. (I’m not going to have an argument with her.)

Conclusão

Como dito acima, o Google Tradutor é bom. No entanto, para traduções mais sérias é óbvio que não podemos contar com ele 100%.

Para quem está começando a aprender inglês, ele é uma mão na roda. Aliás, ao pedir a tradução para “Ele é uma mão na roda”, a sugestão dada foi “He’s a hand on the wheel”. Em inglês, o melhor é dizer “It’s really useful” ou “It’s really handy”.

Ou seja, há expressões, combinações (collocations), chunks of language, gírias, etc., que o Google Tradutor ainda não reconhece. Claro que isso não desmerece o trabalho feito pela equipe que cuida dessa ferramenta.

Vale ainda ressaltar que qualquer pessoa pode colaborar para a melhoria das traduções sugeridas. Ou seja, nós podemos fazer parte da comunidade e assim ajudar na tradução das expressões. Com isso, o Google Tradutor vai ficando melhor cada vez mais e mais.

No entanto, lembre-se que para fins profissionais e mais sérios nada substitui um tradutor de verdade. Portanto, caso você precise traduzir documentos, contratos e coisas assim, procure um profissional da área de tradução.

E você? Faz uso do Google Tradutor nos seus estudos? Como você o utiliza? O que você tem achado dele? Enfim, fale sobre sua experiência com o Google Tradutor deixando um comentário na área abaixo.

That’s all for now, guys! Bye bye, take care, and keep learning.