Como Aprendi a Pronúncia do Inglês Estudando Sozinho

Vira e mexe, as pessoas me perguntam como aprendi a pronúncia do inglês estudando sozinho. A pergunta é muito natural. Afinal, eu realmente aprendi inglês sem ter praticamente ninguém para me ajudar. Então, como foi que consegui?

Parte da resposta está neste vídeo abaixo que publiquei recentemente lá no Youtube. Ao longo do vídeo, eu conto como eu fazia bem lá no começo e como fui melhorando com o passar do anos.

Falando em passar dos anos, devo dizer aqui que até hoje – dia após dia –, eu continuo aprendendo a pronúncia do inglês. Nunca deixamos de aprender isso; portanto, estou sempre praticando e exigindo o máximo de mim para melhorar cada vez mais e sempre.

Veja o vídeo! Se gostar, deixe um comentário para eu saber se a minha história incentiva você a aprender mais e nunca desistir.

Como aprendi a pronúncia do inglês estudando sozinho

Outras dicas para você aprender a pronúncia

Há ainda muitas outras dicas para ajudar você a aprender a pronúncia do inglês aqui no site e também no Youtube. Portanto, use a ferramenta de busca para encontrar dicas mais específicas, caso deseje.

Mais dicas sobre como aprendi inglês

Como aprendi a pronúncia do inglês estudando sozinho

Tenho procurado publicar com certa frequência alguns vídeos falando sobre minha história como aprendiz de inglês. Afinal, quais foram os “segredos”, métodos, estratégias, maluquices que me ajudaram a ter o nível de inglês que tenho hoje?

Caso queira descobrir, leia as dicas dos links abaixo. Tenho certeza que você aprenderá muitas coisas interessantes.

I guess that’s all about it! So, just wait for the next video on pronunciation and the other on how I develop my English. And remember to subscribe to Inglês na Ponta da Língua on Youtube. It’ll be awesome to have you there.

Take care and keep learning!

Quer melhorar o listening!? Estude a pronúncia do inglês!

Quer melhorar o listening!? Quer desenvolver aos poucos e naturalmente a sua habilidade de ouvir inglês!? Você tem problemas para entender o inglês falado em filmes, seriados, músicas ou conversas ao vivo!?

Claro que você quer melhorar o listening! Afinal, de nada adianta estudar inglês e ser incapaz de entender o inglês falado. Mas, o que fazer para transpor essa barreira?

No vídeo abaixo, eu – prof. Denilso – falo sobre uma coisa que todos estudantes de inglês deveriam começar a aprender desde cedo desenvolver o listening naturalmente.

Trata-se da pronúncia! Ou seja, aprender/estudar a pronúncia do inglês ajuda a desenvolver o listening, mas infelizmente as pessoas – professores e estudantes – estudam/ensinam a pronúncia de modo errado.

Como assim!?

Assista ao vídeo e você entenderá isso!

Quer melhorar o listening!? Aprenda a Pronúncia!

The idea in short!

Para você que está muito sem tempo para assistir ao vídeo, vou resumir a ideia aqui.

Quer melhorar o listening?

Geralmente, as pessoas estudam a pronúncia do inglês focando apenas nos sons do inglês isoladamente. Assim, passam horas e horas praticando os sons do TH em inglês, ou a diferença entre bitch e beach, ou como pronunciar can e can’t e coisas assim.

Embora essa coisa de aprender os símbolos fonéticos do inglês e como pronunciá-los seja interessante, eu costumo dizer que não é assim tão importante. Por quê?

Quando conversamos com alguém os sons isolados são colocados juntos e acabam mudando muito. Assim, no inglês da vida real, ocorrem fenômenos que podem mudar o modo como tudo é colocado junto.

Por exemplo, você pode aprender a pronunciar a sentença abaixo da melhor maneira possível:

  • What are you going to do tomorrow?

Mas, na vida real – o que você vai ouvir com mais frequência – não é as pessoa dizendo essa sentença palavra por palavra e com os sons sendo pronunciados cuidadosamente. O que você certamente ouvirá será algo como:

  • Whatcha gonna do t’morrow?

Você pode aprender algo como “I’m going to talk to her about that“. Mas, na vida real as pessoas falarão algo como “Imna talk t’ ‘er ‘bout that’“.

Portanto, se você quiser melhorar o seu listening em inglês, você deve estudar/aprender essas características da pronúncia.

Isso não é só para avançados?

Quando eu apresento essa ideia, muitos estudante e professores defendem o fato de que isso deve ser algo apenas para estudantes de nível intermediário ou avançado.

I totally disagree! Why?

Por que quanto mais cedo, você, estudante de inglês, começar a aprender como o inglês é realmente pronunciado na vida real, melhor será o seu listening.

Durante minha carreira como professor de inglês (mais de 25 anos!), eu aprendi isso aos poucos. No começo, eu achava extremamente importante focar o ensino e o aprendizado nos sons de modo isolado.

Minha experiência como professor

Eu passava um bom tempo das aulas demonstrando como fazer os sons da língua inglesa. Eu focava muito no ensino do alfabeto fonético do inglês. Meus alunos tinham dificuldades para fazer as atividades de listening e isso frustava não só os alunos, mas a mim também.

Um belo dia, resolvi mudar! Passei a ensinar mais essas características mais “avançadas” da pronúncia aos alunos de nível básico (iniciantes). O resultado foi fantástico.

A capacidade de entender o que era dito nas atividades começou a ficar mais fácil para eles. Quando chegaram aos níveis mais avançados, eles tinham mais facilidade para entender músicas, filmes, conversas reais, etc. Eles também tinha uma pronúncia muito mais natural do que aqueles estudantes que focavam demais nos sons de modo isolado.

Portanto, isso não é apenas para alunos de nível intermediário ou avançado. Estudantes de nível básico podem se sentir muito mais motivados a continuar aprendendo se começarem a aprender isso desde os primeiro passos dentro do inglês.

So, give it a try, will ya?

Aprenda mais

Seguem abaixo outros textos que você pode ler aqui no Inglês na Ponta da Língua para continuar aprendendo mais sobre isso.

Há ainda muitas outras dicas aqui no site sobre isso, então sinta-se à vontade para lê-las e compartilhá-las com seus amigos e amigas.

That’s all for now! Take care and keep learning!

Silent B – Dica de Pronúncia em Inglês

Silent B em inglês? Você faz ideia do que seja isso? Nunca ouviu falar? Quer melhorar sua pronúncia em inglês? Então, continue lendo esta dica!

Silent B: o que é?

Indo direto ao assunto, o silent B nada mais é do que o B mudo em algumas palavras em inglês. Ou seja, a letra B até está presente na escrita (grafia) das palavras, mas desaparece na pronúncia. Calma, continua aqui comigo, pois agora vamos aos exemplos!

Silent B: exemplos

Esse silent B (B mudo) está em várias palavras. Geralmente, palavras em que tenhamos a sequência BT ou MB em seu final. Isso não é um regra absoluta! Portanto, é extremamente recomendável checar um dicionário para saber como a palavra é realmente pronunciada.

Seguem alguns exemplos:

  • debt, doubt, subtle, comb, crumb, dumb, bomb, climb, tomb, plumber, numb, womb e outras mais

Se você achava que o B nessas palavras deveria ser pronunciado, enganou-se. Em todas elas a letra B é muda (silent B).

Por que temos esse Silent B nas palavras?

Silent B em InglêsSe você é daqueles estudantes de inglês bem curiosos, certamente deve estar louco para saber o porquê de termos o B na grafia dessas palavras. Afinal, se na pronúncia o B não aparece, por que o inglês manteve isso na escrita?

Quando me fazem essa pergunta, eu respondo com outra pergunta:

Por que em português nós escrevemos “hoje”, “hospital”, “hóspede”, “hóstia”, “hotel”, “hora” com esse H mudo? Se nós não o pronunciamos, então por que deixa-lo aí na escrita?

Se você souber a resposta para minha pergunta em português, você encontrará a resposta para sua pergunta em inglês. Mas, se você faz mesmo questão de saber, então continue lendo!

» Leia e Assista: Sons do TH em Inglês – verdades não ditas

Culpa da História das Palavras

Em inglês (assim como em português), a culpa é da história das palavras. Essa história quem estuda é a Etimologia. Assim sendo, vamos ver o que sabemos sobre isso.

Não dá para analisar todas as palavras. Mas, vamos pegar umas como exemplo e aí a resposta será praticamente a mesma para todas.

Primeiro, vamos ver a palavra “doubt”, que é uma palavra com origem no latim (dubitare), passou pelo francês arcaico (doute) e então chegou no inglês (doubt). Note que no latim, o verbo tinha a letra B e ele era pronunciado. No francês arcaico, o B sumiu tanto na escrita quanto na pronúncia. [Assista a um vídeo sobre isso aqui!]

Em inglês, a palavra quando começou a ser usada lá por volta de 1300 não tinha o B na pronúncia. Todo mundo era feliz! Nem todo mundo também escrevia em inglês. Então, estava tudo sossegado.

Mas, eis que nos anos de 1500, o pessoal resolveu inventar regrinhas para a escrita das palavras em inglês. Os “reformistas” acharam que seria uma excelente ideia resgatar um pouco da grafia latina das palavras. Então, inteligentes como eles eram, decidiram inserir de volta a letra B nas palavras “doubt”, “debt” e “subtle”.

Mesmo que eles já não pronunciassem esse B, eles decidiram resgatar o que tinha em latim. Afinal, o latim era a língua sagrada. Logo, era bom manter a língua inglesa abençoada e assim ela não ser tão – digamos! – vulgar.

Isso aí é a história dessas palavras. No caso de palavras terminadas com MB, a história é outra. Ou melhor, as histórias são outras pois suas origens são variadas. Uma coisa é certa: séculos atrás o B nessas palavras era pronunciado. No entanto, foi deixando de ser pronunciado por uma questão natural e técnica.

Como “m” e “b” são consoantes bilabiais, o “b” acaba sendo engolido pelo “m”. Enfim, algo mais fonético do que qualquer outra coisa.

Só para matar a curiosidade

Mas, vale dizer que climb era originalmente climban no inglês arcaico. O B era pronunciado! Com o passar dos tempos, eles foram banindo o “ban” na hora de pronunciar. Já na escrita, jogaram o “am” no lixo e mantiveram o “b” só para complicar. Outras palavras seguiram essa lógica.

No caso de bomb, o termo veio emprestado do italiano “bomba”. O tempo foi passando e o “ba” ficou silencioso. No final, o “a” sumiu na escrita, mas o “b” permaneceu.

Para encerrar, vale dizer que em alguns locais onde o inglês é falado o B em algumas dessas palavras terminadas em MB é pronunciado. Isso é algo extremamente raro e específico de regiões bem isoladas. Isso significa que o melhor é não pronunciar o B se você quiser pronunciar corretamente.

Gostou dessa dica sobre o Silent B em inglês? Quer saber mais sobre as histórias por trás da língua inglesa e sua formação? Então, continue acompanhando as dicas do Inglês na Ponta da Língua. Afinal, aqui não temos diquinhas de inglês. Aqui nós temos dicas grandiosas para ajudar você a melhorar não só seu inglês, mas também a sua cultura em relação às línguas.

Bye bye! Take care! Happy learning!

Sobre Pronúncia e Sotaque em Inglês

Em algumas dicas publicadas aqui no Inglês na Ponta da Língua, disponibilizo um arquivo de áudio. Nele, gravo a pronúncia de uma palavra, de uma expressão, de uma sentença etc. O objetivo, claro, é ajudar quem acompanha as dicas que publico por aqui e assim colaborar mais com o aprendizado de todos.

Então, eis que recentemente, compartilhei uma dessas dicas no Facebook e uma pessoa, após ouvir o áudio, deixou o seguinte comentário: “Que sotaque ridículo!”. Para ser bem sincero, Eu não me incomodo com esse tipo de comentário; portanto, agradeci a pessoa e segui na vida. Mas, mesmo assim decidi escrever algo sobre pronúncia, sotaque e atitudes como a da pessoa que deixou o gentil comentário. Esse é um assunto que, em minha opinião, Então, vamos por partes!

[Leia também: Por que brasileiro não aprende inglês?]

O que é pronúncia?

De modo simplificado, pronúncia tem a ver com os sons das palavras: o modo como as palavras são ditas. Nada mais do que isso!

Pronúncia e SotaqueAssim, ao lidarmos com pronúncia, temos de aprender os sons da língua inglesa. Um jeito fácil para dominar isso, é aprendendo o Alfabeto Fonético Internacional (International Phonetic Alphabet – IPA). Para exemplificar, vamos ver a pronúncia da palavra “interesting”.

Com a ajuda de um dicionário, notamos que “interesting” tem a seguinte pronúncia: /ˈɪntrəstɪŋ/.

As barras (/) servem para indicar que estamos nos referindo à pronúncia da palavra. O sinalzinho (ˈ) antes de ɪn indica que a sílaba tônica é “in”. Os símbolos – ɪ, n, t, r, ə, s, ŋ – mostram os sons que formam a pronúncia da palavra.

Quem estuda pronúncia, aprende justamente isso: identificar, entender e reproduzir cada um dos sons da língua inglesa e como juntá-los para formar sílabas, palavras e, até mesmo, sentenças.

Quando você pergunta como se pronúncia uma palavra em inglês, a resposta é dada levando em conta os sons que compõe aquela palavra. Isso é pronúncia.

[Aprenda mais sobre os sons da língua inglesa com o ebook Pronúncia Básica do Inglês]

O que é sotaque?

O que é sotaque?Sotaque é algo bem mais amplo. Assim, para falar sobre sotaque, vamos usar nossa querida língua portuguesa como exemplo.

Como você bem deve saber a língua portuguesa é a língua oficial de nove países: Brasil, Portugal, Moçambique, Angola, Guiné-Bissau, Timor-Leste, Guiné Equatorial, Macau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe.

Se você assistir a um programa de TV lá de Portugal, notará que o jeito como eles falam é bem diferente do jeito como falamos aqui. Isso mostra que o sotaque de cada país é diferente. As palavras – em vários momentos – podem ter a mesma pronúncia, mas o sotaque não é o mesmo.

Agora vamos ficar apenas dentro do Brasil. Aqui falamos português! No entanto, meus leitores soteropolitanos têm um sotaque (jeito de falar) diferente de meus leitores gaúchos. Os leitores mineiros têm um sotaque diferente dos leitores manauaras. O interessante é que dentro de um único estado (ou mesmo cidade) podemos ter diferentes sotaques.

Enfim, no Brasil falamos uma só língua, mas temos vários sotaques (jeitos de falar). Esse vários jeitos de falar são como os vários temperos que dão sabor à língua.

Acho que você já entendeu a diferença entre pronúncia e sotaque. Então, só para resumir, pronúncia está no nível dos sons, sílabas e palavras. Já o sotaque vai no jeito de colocar tudo junto. A pronúncia pode ser quase homogênea, já o sotaque não; pois, ele – o sotaquereflete aspectos culturais, históricos, sociais e outros tantos fatores que influenciam o modo como as pessoas usam a mesma língua em diferentes locais.

Que sotaque ridículo!

Diante do que você leu sobre sotaque, eu pergunto: qual é o sotaque do Brasil? Quem decide qual é o sotaque mais ridículo ou o mais bonito de todos?

Não sei você! Mas, para mim, essa escolha é muito pessoal. Eu posso adorar o sotaque falado pelos baianos que moram na região de Paulo Afonso; mas, posso não gostar do sotaque dos baianos que moram no sul da Bahia. Posso dizer que odeio o sotaque do gaúcho de Frederico Westphalen (RS), mas posso amar o sotaque dos gaúchos de Santa Maria.

Essas escolhas são pessoais. Minha escolha (preferência) não torna um sotaque melhor que outro. Não torna o meu jeito de falar (sotaque) melhor que o seu. Todos os sotaques têm sua beleza, mas podemos ter nossas preferências.

Ao aprender inglês, as pessoas esquecem disso. Creio eu que pela ignorância intelectual, pela falta de conhecimento ou mesmo por se acharem superiores aos outros. Ao longo dos meus mais de 20 anos como profissional de ensino de inglês, encontrei muitos estudantes e professores de inglês com o terrível hábito de julgar e criticar o jeito dos outros falarem inglês.

A pessoa aprende a falar inglês morando na Austrália e aí começa a achar que o sotaque dos outros é ridículo. Como ele aprendeu na Austrália, o cara que está aqui no Brasil tem um jeito ridículo de falar inglês. “Só o que presta é o que eu prefiro ou acho melhor, os outros são lixo!“, dizem.

EnglishesInfelizmente, esse tipo de comportamento é bem típico do brasileiro. Experimente ouvir um coreano falando inglês. Ouça um russo falando inglês. Que tal um italiano? Um chinês? Um mexicano? Enfim, nos outros países as pessoas estão preocupadas em se comunicar em inglês e não em atingir o nível ultra hiper mega super blaster da pronúncia e do sotaque. Só aqui no Brasil, algumas pessoas têm essa mania terrível e idiota de achar que sotaque A, B, C ou D é ridículo. Esse comportamento é ainda muito pior quando parte de um professor de inglês (quando vejo isso, logo concluo que a pessoa não é bem um professor profissional, é apenas mais um aventureiro arrogante que se acha o dono da verdade!).

Eu falo inglês quase que diariamente com americanos, britânicos, australianos, canadenses e irlandeses. Todos entendem perfeitamente o que digo e não se preocupam com o meu sotaque (que de acordo com eles não tem nada de errado, feio, ridículo, estranho, patético). Para eles, o importante é a comunicação. O principal é se fazer entendido e entender. Acredite, os falantes nativos estão muito mais interessados na comunicação do que em avaliar seu sotaque como ridículo ou não.

O que isso tem a ver com você?

Para entender, responda as seguintes perguntas: O que faz com que seu sotaque (jeito de falar) inglês seja ridículo? Quem dita as regras do ridículo? O que é o ridículo?

Como profissional na área, o que eu tenho a dizer é que você está aprendendo. Portanto, está melhorando a cada dia (Eu também procuro melhor a cada dia!). Hoje você pode ter várias falhas ao falar inglês. Você pode estar ciente delas e, portanto, está fazendo de tudo para superá-las. Ótimo! Parabéns! Garanto a você que em 30 dias você estará bem melhor do que está agora! E em 1 ano estará muito melhor do que estava um ano atrás. Você vai melhorar sua pronúncia, seu vocabulário, sua gramática e, claro, reduzir seu sotaque.

Mas, lembre-se: seu sotaque brasileiro ao falar inglês poderá ser reduzido com muito esforço; mas, você nunca o perderá. Acredite: um dia ou outro – por melhor que você fique nesse negócio de falar inglês! – algo fará com que você seja descoberto. Portanto, preocupe-se em falar inglês com menos erros gramaticais possíveis. Amplie seu vocabulário (uso correto e natural das palavras). Aprenda a pronunciar bem as palavras. Envolva-se com a língua inglesa em todos os sentidos. Comunique-se. Procure sempre melhorar!

Seu sotaque é sua marca registrada. Seu jeito de falar. Sua identidade. Sua alma. Seu espírito. Seu eu. Não se desespere tentando falar inglês como um americano ou um britânico. Comunique-se! Afinal, como diria o saudoso Abelardo Barbosa, vulgo Chacrinha, “quem não se comunica se trumbica”. Não se incomode com as críticas e siga feliz da vida aprendendo e melhorando cada vez mais. E quando alguém falar que seu sotaque é ridículo, sorria e diga à pessoa que você ainda está melhorando; já ela… Bom, ela ainda precisa melhorar bem mais! 😊

Como Aprender a Pronúncia das Palavras em Inglês?

Afinal, como aprender a pronúncia das palavras em inglês? Ou como aprender a pronunciar corretamente as palavras em inglês? Se você se faz essas perguntas, continue lendo para ler minha dica a respeito e assim ajudar você a aprender a pronúncia das palavras em inglês.

Uso de Dicionários

Houve uma época na qual os dicionários de inglês vinham com a pronúncia aportuguesada das palavras. Assim, a palavra “by” trazia ao seu lado a pronúncia escrita da seguinte maneira [bái]. O mesmo valia para “house” [ráus], “paper” [pêiper], “chair” [tchér], “book” [búq] e assim por diante.

Claro que alguns sons não tinham (e nem tem ainda) como serem aportuguesados. Palavras que possuíam o “th”, por exemplo, vinham com os sons de “f”, “s”, “z” ou “d”. Isso não retratava bem os sons do famoso “th” em inglês. O mesmo vale para os sons diferentes entre “beach” e “bitch”. Os dicionários então tiveram de mudar.

Com a chegada da teconologia, os dicionários (vendidos em livrarias) passaram a ser comercializados com os famosos CD-ROMs. Isso facilitou e muito a vida de quem estuda inglês. Pois, era só colocar o CD no computador, instalar o que tivesse de ser instalado e todo o conteúdo do dicionário, incluindo a pronúncia das palavras em inglês, estava à disposição sempre que desejasse.

Aprender a Pronúncia das Palavras em InglêsAlguns desses dicionários vinha (e ainda vem) com ferramentas que gravam a sua voz – o modo como você pronúncia a palavra – e comparam com a pronúncia do falante nativo no CD (que pode ser britânico e/ou americano). Alguns desses dicionários disponíveis no mercado são:

  • Longman Dicionário Escolar Inglês/Português – Português/Inglês (nível básico e pré-intermediário)
  • Dicionário Oxford Escolar Para Estudantes Brasileiros de Inglês (nível básico e pré-intermediário)
  • Password – English Dictionary For Speakers Of Portuguese (nível básico e pré-intermediário)
  • Collins Cobuild Advanced Dictionary of American English (nível intermediário e acima)
  • Oxford Advanced Learner’s Dictionary (nível intermediário e acima)
  • Longman Dictionary of Contemporary English (nível intermediário e acima)
  • Macmillan English Dictionary (nível intermediário e acima)

Dicionários Online

Caso você seja daqueles que não quer comprar um dicionário para tê-lo em casa e prefere usar a internet, o que fazer? Felizmente, há na web inúmeros recursos para estudantes de todos os níveis. Não tem como reclamar!

A grande maioria dos dicionários de inglês pode ser acessada gratuitamente na internet. Um exemplo é o Macmillan Dictionary Online. Ao acessá-lo você poderá digitar a palavra que deseja aprender, ler suas definições e usos e ouvir a pronúncia. Para isso basta clicar no ícone de áudio que está geralmente abaixo da palavra [veja a imagem abaixo].

Aprender a Pronúncia das Palavras em Inglês

O dicionário online da Macmillan é apenas um exemplo. Saiba que há ainda inúmeros outros.

Outro site que pode ajudar muito é o Howjsay. Ao acessá-lo você pode digitar uma palavra ou mesmo uma frase, esperar a página carregar e ouvir a pronúncia. Depois é só clicar sobre a palavra/frase e ouvir quantas vezes quiser. Sobre as frases, vale dizer que essas devem ser frases pequenas e comuns em inglês: “what’s up?“, “how can I help you?“, “can I call you back?“, “I’ll put you through“, “you’re kidding“, etc.

Canais no Youtube

Você pode ainda assistir aos inúmeros vídeos gratuitos disponíveis no Youtube que trazem dicas de pronúncia para todos os estudantes de inglês. Um dos canais que recomendo é o Rachel’s English. Vale a pena dedicar um tempinho para ouvir as dicas da Rachel e assim ir melhorando a sua pronúncia em inglês. [Leia mais sobre pronúncia na dica Aprender a Pronúncia do Inglês]

Alfabeto Fonético da Língua Inglesa

Pronúncia Básica do Inglês (ebook)Além disso tudo, você pode dedicar tempo para aprender o Alfabeto Fonético Internacional. Esse alfabeto é uma forma interessante de você visualizar como as palavras são pronunciadas. Concordo que os símbolos usados no tal alfabeto sejam estranhos e pareçam complicados; mas, saiba que com um pouco de prática e dedicação, você aprenderá cada um rapidinho.

Portanto, aprenda-o. Nada de ficar reclamando, achando que é difícil. Com o tempo você saberá como ele funciona e perceberá que aprender a pronúncia das palavras em inglês com ele é muito mais fácil. Você pode adquirir o ebook Pronúncia Básica do Inglês e aprender o alfabeto fonético da língua inglesa sem complicações. Saiba mais clicando na imagem ao lado.

Inglês Britânico ou Inglês Americano?

Calma aí! As dicas que dei acima são de inglês britânico ou inglês americano?

Se você está no nível básico ou intermediário e ainda perde tempo com esse tipo de pergunta, sinto informar que você talvez demorará muito tempo para aprender a pronúncia do inglês. Já escrevi aqui uma dica na qual eu afirmo que o importante é você aprender inglês. Depois que tiver um bom conhecimento da língua, faça um curso de pronúncia voltado para o inglês britânico, americano, australiano, canadense, sul-africano, etc. Você decide! Preocupar-se com isso no começo dos estudos é, de certa forma, uma grande perda de tempo. Aprenda inglês e só depois dedique-se a uma variante específica da língua.

Por fim, lembre-se: você não aprenderá a pronúncia das palavras em inglês da noite para o dia. Aliás, você não vai falar inglês como um americano de uma hora para outra (talvez isso nunca aconteça!). Algumas palavras podem ser fáceis, outras nem tanto. Mas, entenda que aprender a pronúncia da língua inglesa leva tempo, esforço e dedicação. Algumas pessoas podem aprender o som do “th” mais rápido que você; outras poderão levar anos ou mesmo nunca conseguir. Não desanime! Dedique-se! Fortaleça os pontos fortes e os pontos fracos melhorarão aos poucos ou nem serão percebidos quando você falar inglês com alguém.

Essas são as dicas que tenho para você que deseja aprender a pronúncia das palavras em inglês ou mesmo a pronúncia do inglês de modo geral. Até a próxima! 😉

Connected Speech: o que é isso?

O que é connected speech? Será que isso é realmente importante no seu aprendizado de inglês? Leia esta dica para aprender um pouco sobre connected speech e a importância desse assunto no desenvolvimento da sua fluência em inglês. Antes, porém, vamos introduzir esse assunto para você entrar no clima.

Ao longo dos meus anos como profissional de ensino de língua inglesa, ouço vários e vários estudantes de inglês falando coisas assim: “Não consigo entender o inglês falado. É muito rápido”, “Eles falam rápido demais. Não consigo acompanhar” ou “Por que eles falam tão rápido?”. Você certamente já deve ter dito algo assim, não é mesmo? Mas, saiba que o problema não está em você ou na fala rápida do inglês. O problema está no fato de não terem falado sobre connected speech para você no início dos seus estudos de inglês.

Caso você queira aprender mais sobre a pronúncia do inglês, conheça o ebook Pronúncia Básica do Inglês (pdf e áudio). Nele você encontra todos os sons da língua e também aprende sobre as dificuldades de pronúncia que os brasileiros têm e como superá-las. Clique no botão abaixo para saber mais.

Mas, o que é connected speech?

Connected Speech

Connected speech é uma característica da fonética da língua inglesa no qual as palavras são conectadas (ligadas) uma à outra ao serem pronunciadas em uma sentença. Se traduzirmos connected speech para o português teremos algo como “fala conectada” ou “discurso conectado”. Na prática isso refere-se às ligações, uniões, conexões que há no inglês falado para fazer com que a língua flua muito mais natural e rapidamente.

Em outras palavras, também podemos dizer que connected speech tem have com o modo como simplificados a pronúncia das palavras dentro das sentenças. Para você entender bem, vamos passar para alguns exemplos.

Connected speech: exemplos

As sentenças abaixo são comuns em livros de inglês básico. Você certamente conhece a maioria delas. O que eu quero que você faça é que leia em voz alta cada uma delas.

  • What’s your name?
  • My name is [Ana].
  • Where are you from?
  • What did you do?
  • Don’t you like it?
  • Who’s your friend?
  • What are you going to do about it?
  • I’ve got to help them.
  • We have to get out of here.
  • I asked her out.

Se você for como a maioria dos estudantes de inglês, certamente leu as sentenças palavra por palavra. Deve ter repetido as sentenças e prestado atenção à pronúncia de cada som em cada palavra. Enfim, você deve ter lido mais ou menos assim [clique no botão abaixo para ouvir]:

No entanto, quando a gente vai para o mundo real e ouvimos as pessoas falando inglês naturalmente, a gente pode se perder. Pois, o inglês do dia a dia não é falado assim palavra por palavra. Isso se deve justamente por causa do fenômeno conhecido como connected speech. Portanto, as sentenças acima são faladas da seguinte maneira [clique no botão abaixo para ouvir]:

Percebeu a diferença!? Tenho certeza que sim! Não tem como não perceber! No segundo momento, procurei fazer uso dos aspectos relacionados ao connected speech. Não falei as sentenças de modo lento e nem as li palavra por palavra. Procurei conectar os sons das palavras em cada sentença e assim chegar mais perto do modo como um nativo fala.

Por que aprender connected speech?

Quando aprendemos a fazer uso do connected speech naturalmente, no jeito de falar inglês fica muito mais próximo ao de um nativo. O listening (habilidade de ouvir) fica mais apurado. Nós podemos até perder uma coisa aqui e ali, mas no geral somos capazes de acompanhar uma palestra, um filme, um diálogo, uma música, etc., sem muitas dificuldades.

Portanto, os aspectos relacionados ao connected speech são, em minha opinião, algo que todos estudante de inglês deveria aprender desde o nível básico. Ou seja, desde a primeira aula de inglês em uma escola.

Para isso é preciso mudar os hábitos de aprendizado. Pois, quando alguém decide aprender inglês, ela começa a aprender com os olhos. Ela cria o hábito de ler sentenças e textos palavra por palavra. Assim, acostuma-se a pronunciar tudo de modo mais lento e nada natural. Mas, ao dar atenção ao connected speech, a pessoa começa a aprender inglês com o ouvido. Logo, isso fará uma grande diferença no desenvolvimento de sua fluência em inglês.

Isso significa que você deve aprender a ouvir inglês do modo como é falado e não do modo como é escrito. Aprenda e entenda que o inglês escrito e o inglês falado são coisas diferentes. Assim, você deve aprender os dois juntos. Contudo, preste muito mais atenção ao inglês falado; pois, é ele que ajudará você a se sentir mais à vontade para interagir com as pessoas em inglês: falando e ouvindo.

Infelizmente, não dá para falar tudo sobre connected speech em um só texto. Então, voltarei a escrever outros textos relacionados a esse assunto para que você comece a entender ainda mais. A ideia é apresentar alguns aspectos dessa parte da pronúncia da língua inglesa e ajudar você a mudar ainda mais o seu jeito de aprender inglês.

Por enquanto, pense nisso: Não são os nativos que falam inglês rápido demais. Na verdade, é o modo como nós aprendemos inglês que nos condiciona a sermos lentos para entender, ouvir e falar. Temos, portanto, de mudar isso.

 

Dicas Para Aprender a Pronúncia do Inglês

Dicas para aprender a pronúncia do inglês! Quais são as melhores dicas para quem quer aprender a pronúncia do inglês? Será que há regras para aprender a pronúncia do inglês? Neste texto, vou compartilhar algumas dicas com vocês que querem aprender a pronúncia do inglês.

Desde que esse texto foi publicado aqui, muitas outras dicas foram escritas. Portanto, vamos fazer um apanhado geral do que já foi publicado durante nossos 11 anos de história. Afinal, o tema aprender a pronúncia do inglês nunca sai de moda. Então vamos lá!

Dicas para Aprender a Pronúncia do Inglês

Listo abaixo algumas dicas para aprender a pronúncia do inglês que considero serem importantes para estudantes de inglês em qualquer nível. Ou seja, as dicas servem tanto para quem está começando a aprender inglês quanto para quem já sabe inglês e continua aprendendo cada vez mais e mais.

A Pronúncia das Palavras

A primeira dica que sempre dou é aprender a pronúncia das palavras assim que você a encontra. Claro que você não vai fazer isso com todas as palavras que encontrar, mas sim com aquelas que achar importante ou interessante aprender no momento dos estudos.

Por exemplo, digamos que hoje você se deparou com a palavra “mayor“. Geralmente, as pessoas se preocupam com seu significado – prefeito – e julgam que a pronúncia seja fácil. Ou seja, quando se trata da pronúncia as pessoas tentam adivinhar como deve ser. Assim, acabam aprendendo errado.

A dica então é: não aprenda só o significado. Veja no dicionário que a pronúncia mais comum de “mayor” é parecida com “mér“. Ou seja, “mayor” rima com “chair“. Nunca deixe para aprender a pronúncia depois de algum tempo! Procure aprender sempre no momento em que aprender a nova palavra. Se deixar para depois, você terá mais dificuldades.

Você pode ler mais sobre isso na dica Como Aprender a Pronúncia das Palavras em Inglês. Caso esteja com um pouco mais de pressa, você pode também acessar os dicionários de inglês online e assim ouvir a pronúncia das palavras: Macmillam Dictionary, LDOCE Online, Merriam-Webster e Oxford Dictionaries são alguns dos que recomendo.

Repita! Repita! Repita!

Dicas para Aprender a Pronúncia do InglêsSempre que for aprender a pronúncia de uma palavra, repita-a em voz alta várias vezes.  Assim, você se acostuma com o som e com o modo de falar a palavra. Acho que não preciso falar muito sobre essa questão de repetição. Ela tem a ver com praticar. Logo, como você bem sabe, a prática leva à perfeição. Mas, não adianta repetir apenas a palavra isolada (sozinha), fora de contexto. Isso nos leva a mais uma de minhas dicas para aprender a pronúncia do inglês.

Faça Frases e Contextualize!

Repetir a palavra sozinha nem sempre é uma boa ideia. Portanto, eu sempre recomendo que meus alunos escrevam sentenças com as palavras que querem aprender a pronunciar e leiam essas sentenças em voz alta. Isso ajuda o seu cérebro a se acostumar com and novas palavras em contexto: acompanhada de outras palavras – collocations e chunks of language.

O legal de fazer isso é que além de aprender na palavra nova, você vai também praticar a pronúncia das outras palavras. Indo um pouco mais além, você vai aprender como montar frases em inglês e até mesmo a gramática de uso da língua inglesa. Ou seja, você estará aprendendo inglês de uma maneira muito mais dinâmica. Deixando de lado, aquela ideia de ficar decorando apenas palavras soltas e depois tentando juntar tudo. Enfim, se você ler as dicas que indiquei acima, você terá uma ideia do que estou falando.

Não Procure Regras!

Se você é o tipo de estudante que quer saber quais as regras da pronúncia em inglês, eu recomendo que você pare com isso. Não procure por regras ou padrões. Também não caia no erro de achar que uma letra será sempre pronunciada do mesmo jeito. Isso, infelizmente, não é possível em inglês. A letra ‘i‘, por exemplo, não é pronunciada sempre do mesmo jeito. Basta ler a dica Como Pronunciar o i em Inglês para perceber isso. O segredo é se acostumar com as palavras por inteiro e evitar essa coisa de regras.

Alguns exemplos que gosto de citar sempre são “said” e “paid“. O “ai” nelas é pronunciada de formas diferentes. Em, “said” o som é de “é”: séd; já em “paid” é “ei”: peid. Portanto, evite criar regras! Caso queira saber mais sobre as regras da pronúncia em inglês, assista ao vídeo abaixo. Do contrário, pule o vídeo e continue lendo a dica.

Seja Paciente!

Infelizmente, não há uma dica milagrosa para que você consiga aprender a pronúncia do inglês da noite para o dia. É preciso ser paciente! A gente aprende um pouco a cada dia e vi melhorando. Vamos aprendendo com os erros e ganhando confiança com os acertos. Aliás, vale ressaltar aqui que errar é algo totalmente normal. Mas, o anormal é continuar cometendo sempre os mesmos erros.

Só para citar um exemplo, lembro-me que demorei um bom tempo para aprender a pronunciar ‘going‘ corretamente. Várias vezes eu era lembrado de que a pronúncia correta era parecida com ‘gouing‘ e não ‘góingui‘. Eu achava tudo estranho, mas aprendi a falar do jeito certo. Hoje em dia, ao me deparar com uma palavra nova faço justamente o que eu disse acima. Conheço inúmeras pessoas que fazem as mesmas coisas. Enfim, no final o que importa mesmo é a dedicação e a prática constante. Do contrário, você não vai aprender a pronúncia do inglês corretamente.

Para finalizar, veja abaixo os outras dicas sobre a pronúncia da língua inglesa que são úteis ao seu aprendizado. That’s all for now, guys! So, take care and keep learning!

Por que aprender a pronúncia do inglês é difícil?

Por que aprender a pronúncia do inglês é difícil? Essa é uma pergunta que muita gente me faz. Algumas pessoas dizem que não é tão difícil assim. Já outras simplesmente sofrem para se acostumar a ouvir (diferenciar) e reproduzir alguns sons.

Neste artigo, vou falar um pouco sobre esse fenômeno. Portanto, continue lendo para entender algumas coisas interessantes e curiosas.

Como aprendemos os sons de nossa língua?

Quando crianças ficamos tão expostos aos sons da nossa língua materna [português] que com o passar do tempo começamos a produzir tais sons naturalmente. Em inglês, esse reconhecimento dos sons e adaptação a eles é chamado de phonemic awareness (algo como consciência fonêmica).

Após essa fase inicial, passamos a aprender os morfemas. Ou seja, começamos a colocar os sons juntos e a formar palavras. Isso tudo acontece conforme vamos crescendo. Nós ouvimos os sons (percepção) e começamos aos poucos a reproduzi-los (produção).

Por que aprender a pronúncia do inglês é difícil?

Depois, da fase dos morfemas, passamos para a fase das sentenças. Vamos repetindo frases curtas e na maioria das vezes com a gramática não muito acertada. Mas, lá dentro do nosso cérebro a área responsável pela aquisição da gramatical natural também está sendo trabalhada.

Essas “fases” acontecem aos poucos e podem variar de um bebê para outro. Contudo a sequência é a mesma: fonemas, morfemas, sentenças.

Ok! O que dizer no caso de um adulto que decide aprender inglês?

Adultos aprendendo uma segunda língua

O subtítulo aqui deveria ser “aprendendo os sons de uma segunda língua após a puberdade“. Isso porque é após a puberdade que as coisas começam a ficar difíceis. E por quê?

Ao iniciarmos os estudos de uma segunda língua temos de aprender a perceber e reproduzir os sons daquela língua. Muitos sons não existem na língua materna do aprendiz, logo o cérebro tenta associar os sons desconhecidos a sons conhecidos. É o que acontece com os sons do TH que parecer soar como z, s ou f, em algumas palavras. Ou o que gera dificuldades para perceber a diferença entre man e men.

De acordo com estudos realizados por pesquisadores da Radboud University na Holanda, o cérebro faz essa associação porque para ele essas diferenças não são tão importantes. No entanto, com o passar do tempo, ele vai se acostumando e percebendo as diferenças. Assim, você pode aprender a perceber a diferença entre man e men, symbol e thimble ou beach e bitch, mas não dá conta de reproduzir os sons da mesma maneira.

Por quê?

O aparelho fonador

Todos os sons que produzimos em nossa língua – ou qualquer outra – precisam do nosso aparelho fonador (língua, lábios, laringe,traqueia, etc.). Todo este aparelho é controlado por músculos.

Quando crianças (bebês), o aparelho fonador (consequentemente, os músculos e nervos que movem tudo isso) está em fase de desenvolvimento. Portanto, a capacidade de se adaptar, aprender, acostumar-se aos movimentos necessários para reproduzir os sons é muito mais fácil.

Mas, quando passamos de uma certa idade, vai ocorrendo um certo enrijecimento dos músculos. Consequentemente, é extremamente normal que tenhamos dificuldades para aprender aqueles novos sons que uma segunda língua tem.

Isto significa que a sua dificuldade em aprender a pronunciar corretamente o som do th em tooth e with não significa que você seja incapaz de aprender inglês. Na verdade, a dificuldade está no fato de você tentar movimentar seus músculos de um modo ao qual não está acostumado. Os músculos do aparelho fonador não estão adaptados e preparados para esses novos sons. E como o tempo (idade) passou, esse músculos não se sentem muito confortáveis para reproduzir os novos sons com exatidão.

Dá para resolver isso?

Para responder a essa pergunta, vamos imaginar uma situação muito frequente nos dias de hoje.

Você passa anos sem exercitar os músculos dos braços, pernas e abdômen. Certo dia, você decide entrar em uma academia. Você começa meio aos poucos, sente dores, pensa em parar, etc. Você se sente desconfortável. Afinal, você não está acostumado a se exercitar! Porém, com o tempo, persistência, continuidade, prática, etc., os músculos se adaptam às novas atividades.

Pois bem! O mesmo acontece com os músculos do aparelho fonador.

Ou seja, é preciso prática, persistência, tempo, continuidade, esforço, dedicação, etc., para que todo o aparelho se acostume a reproduzir esses novos sons.

Para isso, é preciso escutar inglês o máximo que puder (aprender a perceber os sons). Fazer atividades/exercícios que foquem na reprodução desses sons sons. Estudar a pronúncia das palavras. Comparar os diferentes sons da língua portuguesa e da língua inglesa. Enfim, estudar e praticar.

Mas…

Contudo, é preciso ter em mente que muitos sons provavelmente não sejamos capazes de reproduzir da mesma forma como um falante nativo. Em outras palavras, pode ser que você nunca domine os sons do TH com maestria.

Isso pode ser difícil de aceitar! Mas, não se desespere e não perca sua motivação. Os especialistas em ensino de línguas dizem que o importante é se comunicar. Portanto, o que conta mesmo é o conjunto da obra.

Isto significa que se na expressão ‘I used to go to the gym when I was twenty‘ você pode pronunciar o ‘used to‘ como ‘iuzed tchu‘ ou ‘iustchu‘, a pessoa que ouvir saberá o que você estará dizendo. Afinal, o contexto deixa claro o rumo da conversa. Claro que há casos que podem causar confusão; mas, geralmente uma boa conversa acaba deixando tudo bem claro.

O importante é não se martirizar e achar que incapaz de aprender inglês por causa de um som ou outro. Há muito mais coisas para ajudar você a se comunicar em inglês. Então, foque nisso! E aos poucos vá fazendo exercícios que ajudem você a se dar bem com os novos sons. Mas, caso não consiga ficar igual um nativo, não desista; afinal, você não é um nativo.

Espero ter deixado esse assunto claro a todos. Aprender a pronúncia dos sons é importante, mas não é o tudo. Aprender a pronúncia é importante, mas se comunicar é muito mais. Aprender a pronúncia é importante, mas é bem provável que muitos sons você saberá identificar (reconhecer), mas nunca reproduzir com precisão.

Não desista do inglês por causa do ‘th’. Inglês não se resume a isso!

Take care and keep learning!