Estrangeirismos em Inglês

Os estrangeirismos – palavras ou expressões de uma língua que se “infiltram” em outra – são muito comuns no dia de hoje. Em português, hot dog, shopping center, site, internet, designer, okay, brother, show e outras tantas são exemplos de estrangeirismo. Mas, o que dizer dos estrangeirismos em inglês? Será que há na língua inglesa palavras oriundas de outras culturas?

Claro que há!

Aliás, há estrangeirismos em português que você acha que vieram do inglês, mas na verdade vieram de outra língua. Por exemplo, o famoso “ketchup” é um estrangeirismo em inglês. Ou seja, se você achava que “ketchup” fosse uma palavra inglesa, está redondamente enganado.

Só para matar a curiosidade, “ketchup” foi tomada emprestada do chinês lá por volta de 1600 e bolinha. Originalmente, “koechiap” era usada para se referir a um molho à base de peixe. Mas, depois entre os povos de língua inglesa, o termo servia para se referir também a molho de pepino, de cogumelo (champignon), de nozes, de tomate e de outras cositas mais. Foi nessa mesma época que tentaram inglesar (!) o termo escrevendo catsup e também catshup. Mas, por alguma razão inexplicável, o que acabou vencendo foi “ketchup” (embora seja possível encontrar catsup por aí!). Para terminar a aula sobre “ketchup”, saiba que somente pelo final de 1800, já nos Estados Unidos, o termo passou a ser usado exclusivamente para o molho de tomate que conhecemos hoje.

Estrangeirismos em InglêsPortanto, “ketchup” é um dos vários estrangeirimos em inglês. Outros oriundos do chinês e de outras línguas são:

    • Africano » banana, dengue, jumbo, voodoo, zebra, zombie
    • Alemão » blitz, doppelgänger, hamburger, kaput, lager, wanderlust, zeitgeist
    • Árabe » assassin, algebra, safari, zero, sofa
    • Chinês » chow, silk, tea, tofu
    • Espanhol » cigar, guerrilla, hurricane, platinum, siesta, tornado, vanilla
    • Francês » catalog, façade, gourmet, justice, massage, perfume, regret, terror
    • Holandês » booze, cookie, cruise, iceberg, measles, yankee
    • Indiano » bungalow, cheetah, jungle, pyjama,
    • Italian » artisan, cartoon, gallery, medal, replica, saloon, villa
    • Japonês » anime, karaoke, tycoon, sushi
    • Norueguês » fjord, ski, slalom
  • Português » albino, cobra, feijoada, mosquito, negro, saudade, samba

Assim como acontece em português, os estrangeirimos em inglês ao se tornarem muito comuns acabam sendo incorporados à língua e podem até ganhar uma grafia própria.

Em português, o exemplo é “futebol” que veio do inglês “football”. Já em inglês, temos “cashew”, “tank”, potato”, “marmalade”, “manioc”, “jackfruit”, “genipapo” (com g mesmo!), “embarass”, “caste” e outras que são palavras emprestadas de uma língua maravilhosa e linda conhecida como – adivinhem só! – português. Só para ficar mais interessantes, as palavras são: “caju”, “tanque”, “batata”, “marmelada”, “mandioca” (aipim, macaxeira), “jaca”, “jenipapo” (agora sim com j), “embaraçar” e “casta”.

O legal nisso tudo é que algumas dessas palavras são portuguesas (brasileiras!) mas com origem em outra língua. Esse é o caso de “mandioca” cuja origem está no tupi e seu significado é “casa de Mani”. Lembrando que Mani é o nome de uma deusa guarani. Enfim, o assunto é estrangeirismos em inglês, então não posso me empolgar e mudar o rumo da conversa.

Nos Estados Unidos, quando as pessoas querem soar mais refinadas, geralmente para fazer uma gracinha, acabam usando alguma expressão ou palavra em francês.

Assim, se você ouvir um americano falando “au contraire” (ôukontrér) saiba que ele está dizendo “on the contrary” ou “just the opposite” (pelo contrário). Tem ainda “moi” (muá) que pode ser usado com o sentido de “me” – Don’t count on moi, ok!? (Não contem comigo, belê?) – ou “my” – Come on over to moi house some time! (Dá um pulinho lá em casa um dia desses!). Outros termos são: tre (very), quelle (a lot; big; very) e beaucoup (many, much a lot).

Ha ainda muitas frases (expressões) francesas usadas com certa frequência em inglês: bon voyage, carte blanche, faux pas, beau geste, bon vivant, coup de grâce, coup d’état, entre nous, femme fatale e outras.

Não posso terminar esta dica sem me referir ao latim. Afinal, em inglês há também palavras e expressões latinas usadas em contextos mais formais: ad absurdum, ad infinitum, annus mirabilis, bona fide, deus ex machina, ex cathedra, ex post facto, flagrante delicto, in propria persona etc.

Enfim, a língua inglesa é cheia de estrangeirismos. Algumas pessoas por lá já tentaram “proibir” o uso deles. Mas, isso é praticamente impossível. Os estrangeirimos fazem parte da formação de uma língua. Quando as palavras caem no uso geral dos falantes, proibir o uso é algo inimaginável. Os estrangeirimos em inglês (e mesmo em português) continuarão existindo e a nós caberá apenas o fato de termos de aprendê-los e nos acostumarmos com eles.

That’s all for now, guys! Take care!

Artigos Relacionados
Comentários