Gramática de Uso: Fazendo Perguntas Informalmente

Ao fazer um curso de inglês ou estudar livros de gramática normativa da língua inglesa, você aprende que para fazer perguntas corretamente em inglês deverá fazer assim:

  • Do you like orange? (você gosta de laranja?)
  • Does he speak English? (ele fala ingles?)
  • Did you go there yesterday? (você foi lá ontem?)
  • Are you ok? (você está bem?)
  • Have you seen Carlos lately? (você tem visto o Carlos recentemente?)
  • Are you busy? (você está ocupado?)

Ou seja, você aprende que deve usar os tais verbos auxiliares e inverter a ordem das palavras nas sentenças interrogativas. É assim que professores – e gramatiqueiros – exigem que alunos e alunas falem durante anos de curso. Mesmo assim, não é raro ouvir um estudante de inglês em sala de aula dizer “You like orange, teacher?” (você gosta de laranja, professora?). O aluno faz a pergunta na maior vontade de se comunicar com sua teacher; porém, o que ele ouve como resposta é uma repetição enfática de sua pergunta seguida por um comentário:

DO YOU like orange, teacher? Remember the ‘DO‘ when asking questions, ok?

Não é de estranhar que muita gente acha inglês complicado, chato, difícil, impossível de ser aprendido, etc. Tudo por causa de um ‘do‘ que ficou faltando na pergunta. Nesse momento eu pergunto, a falta do ‘do‘ (ou qualquer outro verbo auxiliar) prejudica a comunicação no dia a dia dos falantes nativos da língua inglesa?

Se você gosta de assisitir a programas de TV, escutar músicas, conversar informalmente com as pessoas em inglês, notará que americanos, ingleses, australianos, canadenses, etc., ao baterem papo uns com outros podem fazer as perguntas acima da seguinte maneira:

  • You like orange? (você gosta de laranja?)
  • He speaks English? (ele fala inglês?)
  • You went there yesterday? (você foi lá ontem?)
  • You ok? (você está bem?)
  • Seen Carlos lately? (você tem visto o Carlos ultimamente?)
  • You busy? (você tá ocupado?)

Algumas vezes é possível notar também que quando uma pessoa conversa diretamente com outra, a palavra “you” simplesmente desaparece do diálogo:

  • Like orange? (gosta de laranja?)
  • Went there yesterday? (você foi lá ontem?)
  • Busy? (ocupado?)

Estranho não!? E aí, quem está errado: o professor ou os falantes nativos da língua? Na verdade, ninguém está errado. O problema é que os professores de inglês sempre ensinam aquilo que está nos livros e aquilo que está nos livros é o inglês formal. Os falantes nativos ao conversarem informalmente com as pessoas fazem uso do inglês do dia a dia, ou seja, o inglês informal. [» Leia também: You want to speak English or “Book English”?]

Infelizmente, o inglês informal raramente é apresentado nas escolas e livros. A grande maioria das escolas baseia seu ensino nas regras e termos técnicos da gramática. As atividades realizadas fora ou dentro da sala de aula procuram desenvolver o aprendizado do inglês formal.

Assim, ao escutar uma música, filme, entrevista, desenho animado em inglês os estudantes se complicam. Afinal, há uma grande diferença entre o que é ensinado nos livros e o que falado no mundo real. É por isso que muita gente tem a triste sensação de não sabere inglês ao assistir a um filme ou seriado, por exemplo.

Observe nos exemplos acima como as famosas regrinhas não são usadas no inglês informal. Acontece com o inglês, a mesma coisa que acontece com o português nosso de cada dia. Por exemplo, a gramática da língua portuguesa diz que o correto é dizer “o que você está fazendo aqui?”, mas no dia a dia a grande maioria das pessoas diz “que qui ce tá fazenu aqui?” (isso tudo pronunciado rapidamente e sem pausa). Se você ainda não se convenceu, vou dar mais exemplos dessa confusão em nossa própria língua:

Como é que é?” vira “Comé?”; “você foi lá ontem?” se torna “cê foi lá onti?”; “ele passará por aí hoje?” vira “ele vai passá puraí hoji?”; “onde está a chave do carro?” vira “cadê a chavi du carru?” Por incrível que pareça, é assim que a maioria das pessoas (inclusive você!) fala português no Brasil. Imagine um estrangeiro aprendendo português de acordo com as gramáticas. O que você acha que acontecerá no dia que ele tiver de ir a uma feira?

Infelizmente, nós, aqui no Brasil, temos de aprender o inglês bonitinho, com todas as regrinhas gramaticais no lugar, tudo certinho; do contrário, será 0 (zero) na prova e, pior que isso, a péssima sensação de que você não nasceu para aprender inglês.

Mas, peraí (espera aí)! O que você deseja é falar inglês de modo natural, entender o que os gringos dizem! Você não quer ser especialistas em gramática, ou quer? Sei lá! Vai de cada um, não é mesmo? Não desmereço o valor do ensino das regras e termos gramaticais, mas gostaria de professores preocupados em ensinar como o inglês é realmente usado no dia a dia. Gostaria de ver coisas como:

  • Do you want to go there? (você quer ir lá?)
  • Have you ever been to theUSA? (você já esteve nos Estados Unidos?)
  • Did you talk with her about that? (você falou com ela sobre isto?)
  • What do you think? (o que você acha?)
  • What are you going to do tonight? (o que você vai fazer hoje a noite?)

Sendo ensinadas assim também (e sem vir com aquele papo de que isso é o inglês do ‘negros da região tal’ ou dos ‘caipiras de não sei onde’…):

  • Wanna have a pizza? (cê qué uma pizza?)
  • Ever been to the US? (cê já teve nos Estados Unidos?)
  • Talked with her about that? (cê falô cum ela sobre isso?)
  • What you think? (que qui você acha?) ou Watcha think? (que qui cê acha?)
  • What you’re gonna do tonight? (que qui você vai fazê hojia noiti?) ou Watcha gonna do tonight? (que qui cê vai fazê hojia noiti?)

Claro que o professor deverá informar seus alunos que as perguntas feitas desse modo informal, mais despreocupado com regras de verbo auxiliar e inversão, etc., só será usado em situações realmente informais. Em ambientes onde a formalidade se faz necessária (reuniões de negócio, palestras, conferências, tribunais, pessoas que não se conhece bem, etc.) o melhor é falar de modo neutro, respeitando as regras e tudo mais. Isso é conversa para outra hora.

Outros textos relacionados a este são os que seguem abaixo:

Artigos Relacionados
Comentários