Professor Nativo e Professor Não-Nativo

Aqui no Inglês na Ponta da Língua já escrevi muito sobre a qualificação dos professores de língua inglesa e também sobre o mito de que morar fora é o bastante para alguém ser professor. Alguns dos textos foram bastante comentados. Muitas pessoas apoiaram, outras nem tanto. Enfim, conseguimos mexer com as pessoas e fazê-las expor suas ideias.
Um dos textos publicados tem o título “Quem é o melhor professor de inglês? Nativo ou Não-nativo?”. No texto – publicado em 06 de novembro de 2009 – cito a resposta do linguista britânico David Graddol que em entrevista ao G1 afirmou que “O melhor professor é aquele que fala a língua materna de quem está aprendendo o idioma. Também é preciso ser altamente capacitado e ter um ótimo domínio do idioma, claro”.

O linguista simplesmente repetiu aquilo que todo profissional da área de ensino de língua inglesa está mais do que careca de saber: ser falante nativo de um idioma não significa ser ou estar preparado para ensinar o idioma. A relação é simples: você fala português, mas nem por isso dá aulas ou sente-se apto a dar aulas de língua portuguesa para estrangeiros. Você sabe que o simples fato de falar português não o qualifica a ser professor de português. É preciso muito mais que isso.

Graças ao comercial televisivo de uma escola de inglês online o tema voltou com força. No comercial, nota-se uma comparação nada agradável. De um lado, temos um sujeito com cara de otário que tem aulas com uma professora de inglês não-nativa e que aprendeu a língua na Argentina. Do outro lado, um sujeito boa pinta, bem descolado e que tem aulas de inglês online com uma professora nativa, uma californiana. Note também a diferença entre as professoras!
O comercial já rola na TV fechada faz algum tempo, mas agora chegou à TV aberta. E assim, começou no Facebook e Twitter uma campanha contra o comercial e a tal escola. Vários professores de língua inglesa estão indignados. Afinal, ele toca justamente nesse ponto. Profissionais de ensino de língua inglesa bem capacitados e preparados que não são falantes nativos  tomaram o comercial como uma ofensa. [Por determinação do CEO da escola, o vídeo foi retirado do canal oficial deles e um pedido formal de desculpas foi publicado no site deles.]
Eu confesso que o comercial é extremamente infeliz na comparação. A primeira vez que o vi, meses atrás, não gostei. Achei de muito mau gosto.  Porém, devo admitir que comercial foi feito para o público em geral. Logo, esse público pode ver o comercial de uma forma diferente. Afinal, o público sempre acha que o falante nativo é o melhor professor, tenha ele as habilidades para ensinar ou não.
Assim, aproveito o assunto para saber sua opinião. Se tiver um tempinho responda a essas perguntas na área de comentários abaixo: Você prefere ter aulas com um falante nativo ou com um falante não-nativo? O que faz você optar por um ou outro? Como você avalia um professor de inglês? O que você espera de um professor de inglês?
Artigos Relacionados
Comentários