Por que acrescentar -s à 3ª pessoa do singular em inglês?

Vira e mexe, recebo perguntas bem curiosas. Coisas que muitas vezes não fazem muita diferença aprender caso você queira apenas falar inglês.

Mas, como este site é acompanhado também por profissionais do ensino de inglês, linguistas e curiosos, certas perguntas merecem ser respondidas.

De tal forma, a pergunta que responderei neste artigo tem a ver com a história do -s que devemos acrescentar ao verbo quando conjugado na 3ª pessoa do singular no Present Simple. Afinal, de onde veio isso? Por que só os pronomes he, she e it recebem esse -s (ou -es e -ies)?

Antes, uma informação linguística

Para ajudar você a entender melhor o assunto, preciso dar uma rápida aula de linguística.

Quem estuda línguas aprende que as palavras em alguns casos podem ser flexionadas. Essa coisa de flexão – ou inflexãoé a modificação de uma palavra para expressar diferentes categorias gramaticais, como modo, tempo, voz, aspecto, pessoa, número, gênero e caso. A conjugação é a flexão dos verbos; a declinação é a flexão de substantivos, adjetivos e pronomes. [Wikipedia].

Assim, em português, quando conjugamos os verbos no passado, presente e futuro temos de mudar alguma coisa no verbo para que a conjugação fique correta. Por exemplo, o verbo “amar” conjugado no presente do modo indicativo fica assim:

  • Eu amo
  • Tu amas
  • Você ama
  • Ele/Ela ama
  • Nós amamos
  • Vós amais
  • Vocês amam
  • Eles/Elas amam

Veja que o final do verbo muda de acordo com o pronome (sujeito). Esse é um pequeno exemplo para mostrar a você que a língua portuguesa é uma língua que possui flexões.

Por outro lado há línguas que não são flexionadas ou que são moderadamente flexionadas. Esse é o caso da língua inglesa, uma língua que possui flexões em alguns casos apenas. Portanto, ela é o que chamamos de moderately inflected language.

Agora que você entendeu isso, continue lendo.

O Inglês Antigo (Anglo-Saxão)

Por que acrescentar -s à 3ª pessoa do singular em inglês?

Historicamente falando, o período conhecido como Old English, inglês antigo – também chamado de anglo-saxão –, vai do ano de 450 até o ano de 1150. Durante esse período a língua inglesa tinha flexões (ou inflexões) nos verbos, nos pronomes, nos adjetivos, nos substantivos e tudo mais. A gramática do Inglês Antigo era bem complexa.

Para conjugar os verbos, você precisaria aprender as desinências verbais (terminações) e assim falar do jeito certo. Se você quisesse conjugar o verbo “amar” naquela époéca, teria de aprender que eles diziam “lufian” e no Present Simple ficava assim:

  • ic lufie (I love)
  • þū lufast (you love – singular)
  • hē luf (he loves)
  • hēo luf (she loves)
  • hit luf (it loves)
  • wē lufiaþ (we love)
  • gē lufiaþ (you love – plural)
  • hīe lufiaþ (they love)

Note como o final do verbo mudava de acordo com o sujeito. Veja ainda que na 3ª pessoa do singular o final era com a extinta consoante þ, que com o tempo virou “th” e tinha a pronúncia do “th” em “with” nos dias de hoje. 

Esse sistema de conjugação verbal do Old English foi sendo deixado de lado ao longo dos tempos. Tudo devido às inúmeras mudanças pelas quais a língua inglesa foi passando ao longo de seu surgimento.

Essas mudanças ficam bastante evidentes quando o Old English começa a evoluir para o Middle English (Inglês Médio).

O Inglês Médio (Middle English)

O período histórico da língua inglesa conhecido como Middle English teve seu início por volta do ano 1100. 

Naquela época, muitas coisas que eram comuns no Old English já haviam sido deixadas de lado. Uma dessas coisas foi justamente esse monte de flexões (inflexões) que a língua tinha.

Até os pronomes pessoais começaram a mudar. As palavras também mudaram. Assim, o o verbo “lufian” (amar) do Old English virou “loven” no Middle English. Sua conjugação no Present Simple passou a ser a seguinte:

  • i love
  • thou lovest
  • he loveth
  • she loveth
  • it loveth 
  • we loven
  • ye loven
  • they luven

Note que na 3ª pessoal do singular (he, she ou it) o verbo ficava “loveth” (também escrito “loveþ). O Middle English era bem bagunçado no começo. Somente com os escritores clássicos – Geoffrey Chaucer, Shakespeare e a publicação da versão King James da Bíblia, por exemplo – as coisas foram passando a ter um padrão.

Morphological Leveling: o grande culpado

Caso você não saiba, as línguas vivas estão em constante mudança. Assim, o que antes era certo, hoje pode não ser mais. Ou o que hoje é tido como um erro, pode ser considerado certo daqui alguns anos.

Isso vale para o modo como as palavras são escritas (formadas). O que nós conhecemos como morfologia. E graças a um paradigma linguístico que ocorre naturalmente essas mudanças vão se consolidando de uma geração para outra. Esse paradigma é conhecido como morphological leveling.

Mas, o que é isso?

De modo bem simples, O morphological leveling (nivelamento morfológico) é um paradigma que ocorre quando a escrita de uma palavra (ou palavras) vai sendo simplificada. A escrita fica a mesma em vários casos só por uma questão de mudança natural da língua.

O que isso tem a ver com o assunto?

No caso do Old English, o nivelamento morfológico foi acontecendo conforme ele evoluía para o Middle English.

Assim, a conjugação dos verbos no Present Simple sofreu esse nivelamento. Os falantes da língua foram simplificando a conjugação ao eliminar as desinências para determinados pronomes:

  • I love
  • thou love
  • we love
  • they love

Veja que o verbo (love) não é alterado (flexionado); logo, nós dizemos que ocorreu aí o tal do nivelamento morfológico.

Esse nivelamento no inglês aconteceu naturalmente e os escritores se encarregaram de registrar isso. O que nós não sabemos hoje em dia é a razão pela qual os falantes do inglês daqueles tempos mantiveram a desinência na 3ª pessoa do singular. As pessoas continuaram usando a desinência nesse caso e os escritores colaboraram para que isso continuasse.

O que nós sabemos é que o desaparecimento das flexões em algumas palavras é natural. Agora não sabemos dizer por que ela essas flexões são mantidas em alguns casos.

O que sabemos com certeza é que ao invés deles escreverem o final do verbo com “th” ou “þ”, como era no começo, eles foram mudando para um simples “-s” (ou -es e -ies). 

Conclusão

Para encerrar, quero dizer aqui que essa coisa de morphological leveling é algo que continua acontecendo até os dias de hoje. Portanto, enquanto nós estamos aprendendo uma língua – até mesmo a nossa língua materna –, as mudanças estão acontecendo.

No inglês de hoje, é comum encontrarmos pessoas falando inglês sem colocar o “-s” ou “-es”, “-ies” ao final dos verbos na 3ª pessoa do singular: “he love”, “he study”.

Portanto, é bem provável que no futuro – daqui uns 100 anos ou menos –, essas regras de “s” para a terceira pessoa do singular também desapareçam. 

Vale dizer que geralmente o morphological leveling ocorre primeiro na língua falada para depois ser levada para a língua escrita. Tudo é uma questão de tempo e adaptações.

É isso, pessoal! Espero ter ajudado você aí a entender o porquê de termos -s no final dos verbos na 3ª pessoal do singular quando conjugado no Present Simple.

Se você curte essas curiosidades linguísticas, fique de olho aqui no site. Em breve, postarei outras.

Artigos Relacionados
Comentários