Inglês Informal: O que é Reduplication?

Hoje vamos falar sobre um fenômeno que ocorre com frequência no Inglês Informal, ou melhor, no Inglês Falado (Spoken English): reduplication. Você talvez nunca ouviu falar sobre isso, não é mesmo? Afinal, esse assunto não costuma estar nos livros de gramática.

Mas então, o que é reduplication? Qual a importância disso no aprendizado de inglês? Continue lendo para entender a aprender mais essa.

Reduplication é o nome que damos a um fenômeno linguístico no qual as palavras são repetidas. Você certamente já aprendeu algumas palavras nas quais esse fenômeno está presente:

  • bye bye (tchau)
  • yada yada yada (blá blá blá)
  • night night (boa noite)
  • pee-pee (xixi)
  • so so (mais ou menos)

O curioso é que esse fenômeno não acontece apenas com palavras assim. Ele é muito frequente também no inglês falado informalmente. Ao se deparar com ele, muita gente acha estranho. Mas, se você quer falar e entender inglês como um nativo, então é bom estar ciente deste fenômeno.

No inglês informal é comum os falantes repetirem algumas palavras para esclarecerem melhor a informação dada. Como uma prova disso, leia pequeno diálogo abaixo:

Carla: Come on! Mike is just a friend.
Maria: You mean, a friend friend?

Ao dizer “a friend friend?” Maria quer saber se Carla e Mike são apenas amigos ou alguma coisa mais. Ela repete a palavra “friend” para que essa parte da conversa seja esclarecida.

Esse tipo de reduplication é algo que ocorre com frequência no inglês falado – Spoken English – e para o qual devemos estar atentos. Pois, o contexto e a entonação usados deixarão claros o que a outra pessoa está procurando esclarecer na conversa. Assim, se temos conhecimento disso, saberemos exatamente o que dizer à outra pessoa.

Veja um outro exemplo:

Márcio: Paula just got a new job.
Miguel: A job job?

Miguel quer saber se Paula arrumou um emprego mesmo (algo fixo e pelo qual ela recebe um salário) ou apenas algo temporário e que não é bem um emprego.

Que tal mais um exemplo?

It’s time I bought a car car.

Aqui a pessoa está dizendo que está na hora dela comprar um carro de verdade (um carro bom, zero quilômetro, com tudo o que tem direito) e não um carro qualquer.

Lembre-se que apenas o contexto e a entonação deixarão claros o que a outra pessoa estará procurando esclarecer na conversa ou mesmo o que ela estará querendo dizer com clareza. Temos de estar atentos ao contexto e à entonação. Esse tipo de coisa parece simples, mas na hora de conversarmos com alguém ao vivo e à cores, muita gente acaba se enrolando. Portanto, fique esperto! Reduplication acontece quase o tempo todo em determinadas momentos.

Para encerrar esta dica, assista ao vídeo abaixo. Nele você verá a prof. Anne Curzan, da Universidade de Michigan, falando sobre Reduplication. O vídeo está sendo publicado aqui com a devida permissão do College of Literature Science and Arts da Universidade Michigan. Isso tudo devido a uma parceria de troca de conteúdos firmada entre o Inglês na Ponta da Língua e aquela universidade.

Abaixo do vídeo, você encontra a transcrição do mesmo. Bom aprendizado para você!

What’s happening when we say – often to a child – something like “night night”? Compared with other language English doesn’t use reduplication all that often or all that productively. But if you listen for it, you can hear it.

These reduplicated forms aren’t always childlike. You’ll hear “yada yada yada”, which actually has three forms in a row, “flip-flop”, or “chit-chat”, “super-dupper”.

Those are ways to create new words.

Then, you’ll hear speakers use reduplications in discourse. They’re not making a new word. But, they’re trying to clarify something in a conversation. For example, I have heard students say to another student, “I’m going home”. And the other student will ask, “Home home?”.

And by “home home”, the student is trying to get at a prototypical meaning of home: “are you going to the place where you grew up or the place where your family is?”.

You’ll hear, “Is that a job job?”. And by that, I think they mean “is that a job where you get paid?”.

Or, “did you buy a car car?”. What should be a car as opposed to something like an SUV.

So there, reduplication is trying to get at a prototypical meaning.

Now, occasionally you’ll hear a reduplicated form in discourse trying to clarify a euphemism.

I have heard people ask, “are you sleeping together sleeping together or just sleeping together?”.

Where the question is, “is this a literal sleeping together or the euphemistic use of sleeping together?”.

There’s also the use of reduplication to suggest a romantic meaning. So, if someone says, “Oh, I like him”. You can ask in response, “Do you like like him?”, which is “do you like him in a romantic sense?”.

Then, we get “friend friend”. And I have to say I think “friend friend” can be quite ambiguous; that it can do the “is this romantic?”. So, “is he a friend friend?”, and you’ll hear the intonation there as “is this romantic?”.

Or, you can use the reduplication to get other prototypical thing, “is he just a friend friend or something more?”.

As you can see, context and intonation can really matter with reduplication in discourse.

And so with that, let me leave you with a ta ta, or bye bye; and let you listen to all the reduplication that’s happening all around you.

Artigos Relacionados
Comentários