Collocations em Inglês

Collocations e Aquisição de Fluência em Inglês

Semana passada escrevi aqui no blog um post com o título “Fluência em Inglês: Como!? De que jeito!?“, nele falei sobre a diferença entre ‘fluency‘ [fluência] e ‘accuracy‘ [exatidão]. O post fazia ainda referência ao curso ‘The Fluency Paradox‘ que fiz em São Paulo com o renomado Jeremy Harmer, autor e teacher trainer na área de ensino de língua inglesa.

Durante o curso [e em uma conversa particular que tivemos], conversamos sobre o impacto que os collocations [ou os chunks of language] exercem no fato de alguém se tornar fluente em inglês [ou qualquer outra língua, inclusive a língua materna].

Isto porque fluência, de acordo com Harmer, não é algo palpável, não é algo que se mede, não é algo que se vê. Fluência para Harmer trata-se de algo que está dentro da cabeça de quem fala uma língua e não fora em livros, cursos, etc. Fluência é algo que se adquire expondo-se à língua o máximo possível. Fluência é algo que simplesmente acontece sem ao menos esperarmos que aconteça.

Um dos fatores que contribuem para a fluência é o aprendizado de collocations. Isto porque collocations tem a ver com o modo natural como as palavras são usadas uma com as outras. Ao aprender collocations [e prestar atenção ao modo como as palavras são usadas um com as outras] o estudante será capaz de expressar suas ideias do jeito certo, sem demoras, sem se pergunta os porquês ou mesmo os comos de uma coisa ou outra.

Com collocations as palavras e suas combinações naturais simplesmente saem da cabeça. Você simplesmente diz o que tem de ser dito. E isto é o que Jeremy Harmer diz sobre o fato da fluência ser algo que está dentro da cabeça de quem fala outra língua.

Fico super satisfeito com esta visão. Afinal, é a mesma visão que defendo em meus livros, em meus workshops como teacher trainer e em minhas pesquisas. Estou de acordo com o que os teacher trainers lá de fora dizem e acreditam. Estamos no caminho certo!

Botão Voltar ao topo
Fechar