Curiosidade: O Titanic e o Pronome She

Espaço Publicitário
Você deve estar enjoado de tanto ouvir falar sobre o Titanic, não é mesmo? Hoje 14 de abril, o naufrágio trágico e histórico dessa embarcação completa 100 anos. Logo, todos os canais de TV estão dedicando programas que falam exaustivamente sobre isso. Embora eu também esteja enjoado de Titanic, não pude deixar de escrever algo a respeito. Afinal, o que vou falar aqui é uma curiosidade sobre a qual muitas pessoas costumam questionar vez ou outra.
Não estou falando de curiosidade sobre o Titanic em si, mas de uma curiosidade linguística sobre o uso do pronome “she” (ela) para se referir a embarcações. Isso mesmo! Em inglês é comum usarmos o pronome “she” para falarmos de “ships”, “boats”, “submarines”, “battleships” e quaisquer outros tipos de embarcações. Vamos ver isso melhor!
Quem assiste a programas no Discovery Channel, History Channel, CNN, Fox News e canais semelhantes já deve ter visto inúmeros documentários sobre o Titanic. Nesses documentários é comum ouvir os locutores dizendo:
  • Titanic was believed to be unsinkable, but she sank taking the lives of…
  • Where exactly was the Titanic the night she sank?
  • As she sank, Titanic broke in half…
  • She set sail beautifully from the 10th of April until the night of April 14th.
Pronome She para Navios e Barcos

Enfim, como você pode ver o uso de “she” para se referir ao Titanic é frequente. Ao perceber isso, muitos logo fazem a seguinte pergunta: Por quê? Qual é a regra para isso? Qual a lógica?

A resposta exata ninguém tem. Também não existe uma regra. O que se sabe é que em inglês é assim e ponto final. Para um falante nativo de inglês, o fato de se referir a uma embarcação  com o pronome “she” é algo normal. Eles não vêm nada de estranho nisso. Seria o mesmo que perguntar para um falante de português por que falamos “marido”, mas não falamos “marida”.

O legal é que algumas pessoas, falantes nativos mesmo, tentam dar algumas explicações. Assim, há algumas teorias populares que tentam desvendar este mistério. Abaixo, apenas por curiosidade, você conhece as quatro principais.
Antes do mundo da língua inglesa ser o que é hoje, existiam os anglo-saxões. Esse povo aí tinha costumes e cultural germânicas misturadas com nórdicas e tudo mais. Para esse pessoal todo, os barcos ou navios eram o principal meio de transporte. Por questões de respeito aos deuses dos sete mares, todos os barcos e navios eram dedicados a uma deusa amada e venerada por seus construtores. Logo, isso explicaria as razões para se referir às embarcações com o pronome “she”.
A segunda teoria é bem romântica. Dizem que os marinheiros, ao empreitarem longas viagens, sentiam falta de suas companheiras e amantes. Assim, passavam a ter uma relação de amor e carinho por aquele meio de transporte que oferecia a eles aconchego, alimento, segurança, companheirismo e tudo mais. Logo, eles se referiam ao navio como se fosse uma mulher, companheira e amante ao longo das viagens.
A teoria mais linguística e louca vem agora. Dizem que nas línguas românicas (português, espanhol, francês, etc.) a tradução exata da palavra “ship” resulta em um substantivo feminino. Você deve estar pensando, “nada a ver isso, afinal ninguém fala a navia, mas sim o navio”. Bom! Sinto informar que “ship” significava originalmente “nave” ou “nau”, portanto “a nave” ou “a nau”. Já que estou falando sobre isso, vale dizer ainda que a palavra “navio” ou “nave” vem do latim “navis”, que por sua vez vem do grego “naus”. E agora!? Fez mais sentido a ideia de “ship” ser “she” por causa da origem das palavras? [Convenhamos que isso é viajar demais na maionese para achar uma explicação!]
A última teoria também é romântica. Todos os navios ao serem construídos eram dedicados a uma mulher importante na vida de seu dono, geralmente a mãe, para não ter problema entre a esposa e as amantes. Logo, referir-se ao navio ou barco com o pronome “she” era o mais natural.
Nenhuma dessas quatro teorias tem fundamento. O curioso é que as quatro remetem a algo romântico! A primeira, o amor aos deuses; a segunda, o amor dos marinheiros pelo barco; a terceira, envolve as línguas românicas, que em inglês são conhecidas como “romance language”; e, a quarta, o amor que o dono tinha por sua mãe. Bom! Pelo menos nisso as teorias concordam: o amor é tudo!  
Enfim, seja lá como for, está aí mais uma curiosidade da língua inglesa para você. Acontece que o melhor eu deixei para o final. Sabendo que em inglês sempre usaremos o pronome “she” para nos referirmos a barcos e navios,  você agora está ciente que o Titanic não é ele, mas sim ela? Ou seja, não deveríamos falar O Titanic, mas sim A Titanic? O nome do navio não era Titânico, mas sim Titânica. Pare para pensar nisso! Acho quevocê não dorme mais hoje depois de descobrir isso! [O que você achou dessa curiosidade? Clique aqui e deixe seu comentário!]
Ok! Chega de conversa! Até a próxima dica! Take care!
Artigos Relacionados
Comentários
  • Gostei da dica. Eu não havia percebido essa peculiaridade da lingua inglesa. Eu trabalhei em um navio de passageiros por seis meses e não me lembro de ter usado o pronome "She" para a minha nau… Contudo acho que vou adotar isso nos futuros textos do meu blog em ingles. http://www.ibmyle.blogspot.com

  • Muito interessante! Parabéns pelo blog, muito show!

  • Renato Alves

    Eu tava ontem mesmo assistindo um documentário sobre o Titanic e confesso que nem tinha percebido esse uso do "SHE".Muito interessante a curiosidade, principalmente das possíveis origens. Parabéns Denilso!

  • Excelente! Além de Inglês tenho aprendido História.

  • obrigado! esclarecimento sucinto,aumentou meu conhecimento e foi diuvertido. thanks.

  • Lucas Lima

    bem, gostei muito do post, agora quero ver conseguir colocar isso na cabeça dos meus amigos hah

  • Eduardo Souto

    Muito bacana esta curiosidade, mas realmente a terceira teoria viajou na maionese!Haha, mas, o que vale é a intenção!Um abraço Denilso!

  • Muito legal as histórias das linguas… Denilso, veja se pode me matar uma curiosidade. O que os falantes de outras linguas pensam sobre o português (brasileiro)? Grande abraço!

  • Exelente dica Denilso!!!Parabéns:obs Quando você disse: que isso é viajar demais na maionese para achar uma explicação! não concordo com você pois acredito que quanto mais soubermos sobre a etimologia da palavra melhor é, porque nos dá mais sentido a palavra, parabéns continue assim, nos presenteando com essas pérolas.

  • André,Concordo com você que etimologia é interessante. Mas, ainda assim, continuo achando uma grande perda de tempo o pessoal usar isso para explicar as razões pelas quais em inglês o pronome "she" é usado para embarcações. É tão mais fácil aceitar o fato de que é assim e pronto.Denilso de LimaCurta nossa fanpage no Facebook

  • VINICIUSSAOLI

    Concordo com o Denilson que praticidade é algo fundamental no aprendizado de outra lingua, e de outras coisas. Acho que o sucesso deste ensino aqui se deve a isso, eu mesmo o conheci por causa disso e tenho aprendido muito. Mas praticidade é um meio não é um fim. Lingua é cultura e cultura quer mais.No mais tem me acrescido muito sua (deste blog) contribuição.Obrigado.Vinicius.

  • Ah, sim.. então assim, sim…Valeu abraços!!!!

  • Concordo com o Denilson no que diz respeito as peculiaridades de uma língua. O negócio é se comunicar e se entendido, nada de ficar especulando particularidades gramaticais. Adoro as afirmações do tipo, não adianta ficar perguntando o porquê, é assim e pronto… Adoro seu site, Denilson. Ronald Mattias