Melhore sua Pronúncia em Inglês Fazendo Isso Aqui

Melhore sua pronúncia em inglês fazendo isso aqui que conto nesta dica. Bom! Mais precisamente no vídeo abaixo.

Caso esteja muito curioso para saber o que é, eu vou te contar. Mas, assista ao vídeo para conhecer um pouco mais da minha história para aprender a pronúncia do inglês. E, claro, entender como colocar a técnica que ensino em prática.

Vamos lá!

A técnica à qual me refiro é a que chamamos de Voice Over Technique. Trata-se de uma atividade simples que você pode colocar em prática nos primeiros momentos do seu aprendizado de inglês.

Claro que você não vai começar a fazê-la com texto longos. Ou seja, se você estiver começando a estudar inglês, faça-a com frases ou textos bem curtos.

Melhore a Pronúncia do Inglês

O objetivo é fazer com que você aprenda a pronúncia do inglês conforme for aprendendo mais e mais. Lembre-se, porém, que o assunto pronúncia aqui não se refere apenas aos sons da língua inglesa. A ideia é que você pratique a entonação, o ritmo, a cadência, etc.

Enfim, assista ao vídeo e você vai entender bem melhor essa ideia.

Melhore sua Pronúncia em Inglês

Mais dicas para melhorar a pronúncia

O vídeo acima é um complemento ao primeiro vídeo que publiquei falando sobre isso. Caso você ainda não o assistiu, pode assisti-lo na dica Como Aprendi a Pronúncia do Inglês Estudando Sozinho.

Outras dicas que você também pode ler aqui no Inglês na Ponta da Língua são as indicadas abaixo:

Well, I guess that’s all about it! So, just remember to subscribe to Inglês na Ponta da Língua on Youtube. It’ll be awesome to have you there.

Bye! Take care and keep learning!

5 Dicas Para Você Aprender Inglês em Casa

Em meu primeiro livro, Inglês na Ponta da Língua – método inovador para melhorar seu vocabulário em inglês (GEN, 2003), dou várias dicas para você aprender inglês em casa. As dicas são na verdade coisas que você pode fazer para aprender inglês sozinho, aprender inglês online ou aprender inglês em um curso.

Vale dizer que aprender inglês aqui significa aprender o vocabulário, estimular a memória para reter o que aprende, aprender a gramática do inglês, melhorar a pronúncia, desenvolver a fluência em inglês, envolver-se com a língua inglesa e coisas assim. Afinal, aprender inglês não se resume a decorar palavras e fazer atividades de gramática.

Assim, decidi compartilhar 5 dicas que ajudarão você a continuar aprendendo inglês em casa. Mas, lembre-se que o mais importante de tudo é ATITUDE. Se você não tomar a iniciativa, manter-se firme e focado em seu objetivo, criar o hábito de praticar, você não sairá jamais do lugar. Portanto, seja um bom estudante de inglês e faça a diferença no seu aprendizado e desenvolvimento da língua inglesa.

Dica 1 » Use Flashcards

Use FlashcardsFlashcards são pequenos cartões nos quais você pode anotar uma palavra em inglês de um lado e a tradução (ou definição do outro). Eu fazia muito isso quando comecei a aprender inglês sozinho. Os flashcards me ajudavam a memorizar palavras, expressões, phrasal verbs, idioms (expressões idiomáticas), gírias e muito mais.

No começo, eu fazia aquela coisa simples que todo mundo faz: focava apenas nas palavras. Assim, eu escrevia “book” de um lado do cartão e do outro a tradução (livro), a definição tirada de um dicionário (a set of printed pages held together in a cover) ou uma imagem representando a palavra.

Com o tempo, fui percebendo que fazer isso me ajudava a decorar palavras, mas eu achava que estava faltando algo. Era necessário melhorar a técnica dos flashcards. Foi então que comecei a anotar mais coisas para assim tirar melhor proveito da ideia.

Ao invés de simplesmente anotar palavras, passei a incluir também collocations, idioms, frases comuns, gírias e exemplos com a palavra chave. Claro que eu não escrevia tudo o que encontrava; eu anotava apenas aquilo que achava interessante e curioso, coisas que eu considerava úteis.

Assim os flahscards continham mais informações do que simples anotações de palavras e suas traduções. Isso simplesmente fazia com que meu cérebro ficasse ainda mais estimulado para aprender inglês.

Outra coisa que eu fazia – e recomendo todos a fazer – é escrever à mão mesmo as informações nos flashcards. Evite fazer algo no computador e imprimir. Estudos neurocientíficos comprovam que quando escrevemos à mão, estimulamos áreas de nosso cérebro que fortalecem as conexões neurais e, portanto, colaboram na retenção daquilo que escrevemos em nossa memória.

Dica 2 » Faça Cópia de Textos

cópia de textos em inglêsQuando você começou a ir à escola, lembra que uma das coisas que tinha de fazer para desenvolver a escrita era fazer cópia de textos?  Foi uma atividade que nos ajudou a desenvolver as habilidades nossa língua materna. Lembro-me até hoje o quanto eu tinha de fazer cópias para melhorar a escrita, aprender a ler com atenção, assimilar a ortografia das palavras, compreender a coerência textual e coisas assim.

Dessa forma, você já pensou em fazer cópias de textos em inglês? Já pegou um artigo em uma revista ou internet e o copiou palavra por palavra em um caderno? Que tal copiar o diálogo que você encontra em alguns livros?

Veja só o que eu disse acima sobre os benefícios de fazer cópias acima: melhorar a escrita, aprender a ler com atenção, assimilar a ortografia das palavras, compreender a coerência textual e coisas assim.

Imagine agora você tirando um tempo – cerca de 20 a 30 minutos por dia (ou a cada dois dias) – para fazer cópias de pequenos textos em inglês. Será que os benefícios não seriam valiosos para o seu desenvolvimento na língua inglesa? O que você acha de experimentar fazer isso por um tempo e depois avaliar os resultados?

Mas, lembre-se: faça isso de próprio punho; use a mão para escrever. Afinal, como você já leu acima, escrever à mão fortalece as conexões neurais que colaboram para a retenção daquilo que aprendemos.

DICA EXTRA: não se preocupe se você encontrar uma palavra que não sabe o significado enquanto estiver fazendo a cópia do texto. Aprenda como ela é escrita, siga fazendo a cópia naturalmente e depois você poderá voltar a ela. Se achar necessário poderá até mesmo criar um flashcard para ela e assim aprender muito mais.

Dica 3 » Memorize Frases em Contextos

memorize frases em inglêsEssa dica é um teste à memória. A ideia aqui é ser um mais específico e organizado em relação ao que você dá ao seu cérebro.

Geralmente, as pessoas tentam decorar frases de todos os tipos e totalmente fora de contexto. Fazem uma lista de frases, colocam em uma folha de papel, tentam decorar tudo e depois de algum tempo percebem que não lembram nem da metade.

Há uma teoria que explica essa baixa retenção de coisas em uma lista. Eu até concordo; mas, um grupo de cientistas também comprovou que se a lista possui itens comuns a um contexto, o cérebro lembrará com facilidade dos itens.

Isso significa que em relação ao inglês, você deve aprender frases comuns a um determinado contexto: “frases em inglês para bancos”, “frases de Natal em inglês”, “frases românticas em inglês”, “frases para dizer como vocês está em inglês”, “diferentes modos de dizer obrigado em inglês”, “frases de inglês no aeroporto e no avião” e outras.

Claro que você não vai anotar 20 ou 50 frases para cada contexto. O ideal é que você anote entre 5 a 8 frases em cada tópico e pratique apenas essas. Você pode ainda escolher dois tópicos diferentes por semana e assim ter 10 a 16 frases para praticar (sendo cada grupo praticado em dias alternados da semana).

Muita gente se acha fraca de memória e nem tenta colocar essa dica em prática. No entanto, os especialistas dizem que o cérebro é um músculo que precisa ser estimulado constantemente. Assim, é bem provável que no começo você se sinta desestimulado e não perceba o progresso; entretanto, não desista, persista. Siga praticando! Com o tempo isso se tornará um hábito e seu cérebro ficará cada vez mais craque em reter as informações que você dá a ele.

Dica 4 » Leia em Voz Alta

leitura de textos em inglêsLer textos em inglês ajuda a: melhorar o vocabulário, desenvolver as habilidades de leitura, entender como textos são escritos, etc. Contudo, ler em inglês não é só para isso.

Use a leitura também para aprender a pronúncia em inglês e melhorar o listening em inglês. Para isso, crie o hábito de ler em voz alta.

Ler em voz alta contribui para que seus neurônios – responsáveis pela formação de memórias – fiquem atentos à língua. Ao ler em voz alta você vê (estímulo visual), fala (estímulo vocal) e ouve (estímulo auditivo) o texto. Assim, seu cérebro estará ativo enquanto lê.

No nível consciente, você estará:

  • atento às palavras
  • pensando na pronúncia
  • procurando entender o texto
  • prestando atenção ao modo como fala

No nível subconsciente, seu cérebro estará sempre buscando as informações que precisa para ler o texto em voz alta. Ele colocará seus conhecimentos em prática e ao mesmo tempo estará se policiando para evitar erros, apontar o que falta ser melhorado (ou corrigido), identificar o que já sabe e o que não sabe.

Ler em voz alta é algo que todo estudante deveria fazer para aprender inglês sozinho. Portanto, tranque-se no seu local de estudo, escolha um texto simples (um que você já até entende bem e estudou antes), fique numa posição confortável e leia o texto em alto e bom som para você mesmo.

Eu ainda recomendo que você se grave ao ler o texto. Salve os arquivos gravados e grave a leitura do mesmo texto várias vezes. Com o tempo, você poderá comparar as gravações e notar as melhoras. E cá entre nós, quando percebemos que melhoramos, sentimos-nos motivados a continuar estudando para melhorarmos ainda mais.

Conheça nossa coletânea de textos em inglês. Lá tem textos com vídeos e arquivos de áudio para você usar à vontade.

Dica 05 » Revise

revisar o que estudaA maioria da pessoas acha que por ter se dado bem em uma atividade não precisa mais rever aquilo. Assim, elas se acomodam. No caso do inglês esse acomodamento é perigoso; pois, podemos esquecer aquilo que aprendemos, aquilo que nos esforçamos tanto para aprender. Portanto, a dica para você que quer aprender inglês em casa é REVISE SEMPRE!

Reveja os flashcards e frases que aprendeu com frequência. O texto que você copiou precisa ser relido para se certificar que não esqueceu de nada. A leitura que fez em voz alta deve ser ouvida e refeita outras vezes para verificar se está mesmo ficando melhorando.

As pessoas costumam achar que revisão significa fazer atividades de gramática e vocabulário. Mas, não é só isso! Revisar é algo que devemos fazer frequentemente e que vai além das simples atividades de gramática e vocabulário do inglês.

Revisar ajudar a estimular o cérebro e fazê-lo relembrar das informações lá armazenadas. Os especialistas dizem que revisar aquilo que já sabemos é uma maneira eficiente de solidificar (ou fossilizar) ainda mais o que já sabemos. Ao revisar (ou revisitar, reencontrar) algo que já sabemos faz o cérebro ativar os neurônios e gravar bem na memória as informações aprendidas. Isso nos dá a satisfação de sabermos que sabemos algo ou a frustração de que esquecemos algo.

Claro que quanto mais você se dedicar, mais atitude tiver, mais motivado e determinado se sentir, mais o sentimento de satisfação aumentará. Mas, lembre-se que esquecer é normal; o que não é normal é deixar de aprender por achar que está perdendo tempo. Portanto, desenvolva o hábito de revisar tudo o que aprende; pois, revisar ajuda a melhorar o seu inglês.

Conclusão

Há ainda algumas coisas simples e divertidas que você pode fazer para aprender inglês em casa. Abaixo compartilho algumas das várias dicas que já publiquei aqui no Inglês na Ponta da Língua e que certamente serão úteis para você aprender inglês sozinho.

» Como Desenvolver o Hábito de Estudar Inglês
» Aprender 2000 Palavras em Inglês e a Fluência
» Como Aumentar o Vocabulário em Inglês
» Como Manter a Fluência em Inglês
» Como Aprender Qualquer Idioma em 6 Meses?
» Atividade para Desenvolver a Fluência em Inglês (vídeo)

Para encerrar de vez, lembre-se que sua ATITUDE é o que realmente fará a diferença no seu ato de aprender inglês em casa. Nada de moleza, desânimo, deixar para depois e coisas do tipo; coloque em prática as dicas dadas aqui e você perceberá o seu desenvolvimento no aprendizado de inglês de forma muito mais natural. Boa sorte e muito aprendizado para você! Take care!

Sobre Pronúncia e Sotaque em Inglês

Em algumas dicas publicadas aqui no Inglês na Ponta da Língua, disponibilizo um arquivo de áudio. Nele, gravo a pronúncia de uma palavra, de uma expressão, de uma sentença etc. O objetivo, claro, é ajudar quem acompanha as dicas que publico por aqui e assim colaborar mais com o aprendizado de todos.

Então, eis que recentemente, compartilhei uma dessas dicas no Facebook e uma pessoa, após ouvir o áudio, deixou o seguinte comentário: “Que sotaque ridículo!”. Para ser bem sincero, Eu não me incomodo com esse tipo de comentário; portanto, agradeci a pessoa e segui na vida. Mas, mesmo assim decidi escrever algo sobre pronúncia, sotaque e atitudes como a da pessoa que deixou o gentil comentário. Esse é um assunto que, em minha opinião, Então, vamos por partes!

[Leia também: Por que brasileiro não aprende inglês?]

O que é pronúncia?

De modo simplificado, pronúncia tem a ver com os sons das palavras: o modo como as palavras são ditas. Nada mais do que isso!

Pronúncia e SotaqueAssim, ao lidarmos com pronúncia, temos de aprender os sons da língua inglesa. Um jeito fácil para dominar isso, é aprendendo o Alfabeto Fonético Internacional (International Phonetic Alphabet – IPA). Para exemplificar, vamos ver a pronúncia da palavra “interesting”.

Com a ajuda de um dicionário, notamos que “interesting” tem a seguinte pronúncia: /ˈɪntrəstɪŋ/.

As barras (/) servem para indicar que estamos nos referindo à pronúncia da palavra. O sinalzinho (ˈ) antes de ɪn indica que a sílaba tônica é “in”. Os símbolos – ɪ, n, t, r, ə, s, ŋ – mostram os sons que formam a pronúncia da palavra.

Quem estuda pronúncia, aprende justamente isso: identificar, entender e reproduzir cada um dos sons da língua inglesa e como juntá-los para formar sílabas, palavras e, até mesmo, sentenças.

Quando você pergunta como se pronúncia uma palavra em inglês, a resposta é dada levando em conta os sons que compõe aquela palavra. Isso é pronúncia.

[Aprenda mais sobre os sons da língua inglesa com o ebook Pronúncia Básica do Inglês]

O que é sotaque?

O que é sotaque?Sotaque é algo bem mais amplo. Assim, para falar sobre sotaque, vamos usar nossa querida língua portuguesa como exemplo.

Como você bem deve saber a língua portuguesa é a língua oficial de nove países: Brasil, Portugal, Moçambique, Angola, Guiné-Bissau, Timor-Leste, Guiné Equatorial, Macau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe.

Se você assistir a um programa de TV lá de Portugal, notará que o jeito como eles falam é bem diferente do jeito como falamos aqui. Isso mostra que o sotaque de cada país é diferente. As palavras – em vários momentos – podem ter a mesma pronúncia, mas o sotaque não é o mesmo.

Agora vamos ficar apenas dentro do Brasil. Aqui falamos português! No entanto, meus leitores soteropolitanos têm um sotaque (jeito de falar) diferente de meus leitores gaúchos. Os leitores mineiros têm um sotaque diferente dos leitores manauaras. O interessante é que dentro de um único estado (ou mesmo cidade) podemos ter diferentes sotaques.

Enfim, no Brasil falamos uma só língua, mas temos vários sotaques (jeitos de falar). Esse vários jeitos de falar são como os vários temperos que dão sabor à língua.

Acho que você já entendeu a diferença entre pronúncia e sotaque. Então, só para resumir, pronúncia está no nível dos sons, sílabas e palavras. Já o sotaque vai no jeito de colocar tudo junto. A pronúncia pode ser quase homogênea, já o sotaque não; pois, ele – o sotaquereflete aspectos culturais, históricos, sociais e outros tantos fatores que influenciam o modo como as pessoas usam a mesma língua em diferentes locais.

Que sotaque ridículo!

Diante do que você leu sobre sotaque, eu pergunto: qual é o sotaque do Brasil? Quem decide qual é o sotaque mais ridículo ou o mais bonito de todos?

Não sei você! Mas, para mim, essa escolha é muito pessoal. Eu posso adorar o sotaque falado pelos baianos que moram na região de Paulo Afonso; mas, posso não gostar do sotaque dos baianos que moram no sul da Bahia. Posso dizer que odeio o sotaque do gaúcho de Frederico Westphalen (RS), mas posso amar o sotaque dos gaúchos de Santa Maria.

Essas escolhas são pessoais. Minha escolha (preferência) não torna um sotaque melhor que outro. Não torna o meu jeito de falar (sotaque) melhor que o seu. Todos os sotaques têm sua beleza, mas podemos ter nossas preferências.

Ao aprender inglês, as pessoas esquecem disso. Creio eu que pela ignorância intelectual, pela falta de conhecimento ou mesmo por se acharem superiores aos outros. Ao longo dos meus mais de 20 anos como profissional de ensino de inglês, encontrei muitos estudantes e professores de inglês com o terrível hábito de julgar e criticar o jeito dos outros falarem inglês.

A pessoa aprende a falar inglês morando na Austrália e aí começa a achar que o sotaque dos outros é ridículo. Como ele aprendeu na Austrália, o cara que está aqui no Brasil tem um jeito ridículo de falar inglês. “Só o que presta é o que eu prefiro ou acho melhor, os outros são lixo!“, dizem.

EnglishesInfelizmente, esse tipo de comportamento é bem típico do brasileiro. Experimente ouvir um coreano falando inglês. Ouça um russo falando inglês. Que tal um italiano? Um chinês? Um mexicano? Enfim, nos outros países as pessoas estão preocupadas em se comunicar em inglês e não em atingir o nível ultra hiper mega super blaster da pronúncia e do sotaque. Só aqui no Brasil, algumas pessoas têm essa mania terrível e idiota de achar que sotaque A, B, C ou D é ridículo. Esse comportamento é ainda muito pior quando parte de um professor de inglês (quando vejo isso, logo concluo que a pessoa não é bem um professor profissional, é apenas mais um aventureiro arrogante que se acha o dono da verdade!).

Eu falo inglês quase que diariamente com americanos, britânicos, australianos, canadenses e irlandeses. Todos entendem perfeitamente o que digo e não se preocupam com o meu sotaque (que de acordo com eles não tem nada de errado, feio, ridículo, estranho, patético). Para eles, o importante é a comunicação. O principal é se fazer entendido e entender. Acredite, os falantes nativos estão muito mais interessados na comunicação do que em avaliar seu sotaque como ridículo ou não.

O que isso tem a ver com você?

Para entender, responda as seguintes perguntas: O que faz com que seu sotaque (jeito de falar) inglês seja ridículo? Quem dita as regras do ridículo? O que é o ridículo?

Como profissional na área, o que eu tenho a dizer é que você está aprendendo. Portanto, está melhorando a cada dia (Eu também procuro melhor a cada dia!). Hoje você pode ter várias falhas ao falar inglês. Você pode estar ciente delas e, portanto, está fazendo de tudo para superá-las. Ótimo! Parabéns! Garanto a você que em 30 dias você estará bem melhor do que está agora! E em 1 ano estará muito melhor do que estava um ano atrás. Você vai melhorar sua pronúncia, seu vocabulário, sua gramática e, claro, reduzir seu sotaque.

Mas, lembre-se: seu sotaque brasileiro ao falar inglês poderá ser reduzido com muito esforço; mas, você nunca o perderá. Acredite: um dia ou outro – por melhor que você fique nesse negócio de falar inglês! – algo fará com que você seja descoberto. Portanto, preocupe-se em falar inglês com menos erros gramaticais possíveis. Amplie seu vocabulário (uso correto e natural das palavras). Aprenda a pronunciar bem as palavras. Envolva-se com a língua inglesa em todos os sentidos. Comunique-se. Procure sempre melhorar!

Seu sotaque é sua marca registrada. Seu jeito de falar. Sua identidade. Sua alma. Seu espírito. Seu eu. Não se desespere tentando falar inglês como um americano ou um britânico. Comunique-se! Afinal, como diria o saudoso Abelardo Barbosa, vulgo Chacrinha, “quem não se comunica se trumbica”. Não se incomode com as críticas e siga feliz da vida aprendendo e melhorando cada vez mais. E quando alguém falar que seu sotaque é ridículo, sorria e diga à pessoa que você ainda está melhorando; já ela… Bom, ela ainda precisa melhorar bem mais! 😊

The Dream of Perfect Pronunciation in English

Acquiring a perfect pronunciation in English is every English language students’ lifelong dream. I remember I used to have this dream. Actually, I even wanted to go to bed, sleep and wake up the next day pronouncing English the same way a native does. We – non-native speakers of English – seem to have that dream.

I’ve been in the English Language Teaching field for more than two decades. I’ve given lectures to English language teaching professional in so many places. I’ve been in touch with learners from so many cities. And, I’ve always been asked how someone can sound like a native. The most common question is: how can I speak English like an American (or British)?

My answer to that has been the same for years:

If you’re not a native speaker of the language, you’ll never sound like a native speaker of the language.

Although this is extremely frustrating, you have to accept that this is the truth, the whole truth, nothing but the truth. However, you can do your best so as to reduce your accent. Keep in mind though that this is a thing that you have to practice, practice and, of course, keep practicing. It’s not the easiest thing for English language learners, but it’s not impossible at all.

Perfect Pronunciation in English or Good Communication?

One thing that I always say is that a learner surely has to acquire good pronunciation. However, in the article “What is good English Pronunciation?“, Tomasz P. Szynalsk tells us that

Good pronunciation is not perfect American or British accent.

Perfect Pronunciation in EnglishI must fess up that I totally agree with his view. Having perfect pronunciation in English doesn’t mean you have to sound like a native speaker from the US or the UK. Actually, the most important thing is being able to communicate well.

You, learner of English, have to worry about communicating your ideas clearly. In order to achieve this you have to pronounce words correctly, but that doesn’t mean you have to ‘become‘ American or British. What you really have to worry about is being able to communicate in the situations you’re going to be involved in. Not only that, but you also have to learn that acquiring/learning English is an activity that you keep doing for the rest of your live. Well, that’s only true for those who understand that we never stop learning English.

So, this idea of sounding like a native may not be a thing to be too much worried about. Pronouncing words correctly is also a thing that you keep learning. Of course, you’ll learn the correct pronunciation of the most common words in English. Not only words, but also collocations, chunks of language, idioms, phrasal verbs, phrases, sentences, etc. This is what you have to focus on: learning new things every and each day. Trying to be a native is a waste of time.

Don’t worry too much!

So, please don’t get too stressed out about perfect pronunciation in English.

Some sounds common in English are not common in Portuguese. That means you may never learn how to pronounce them correctly. Don’t think that you’ll never be understood because of that. Of course, you will. When one speaks, people who are listening get the whole sequence of words. They are not paying attention to the sounds only. Keep in mind that there are much more to listen to.

If you don’t know if you’re saying ‘man’ or ‘men’, don’t worry. It’s not the word alone that will hinder communication. The listener will get the whole sentence [there are two men outside…], not word for word or ‘sound for sound’. The whole sentence makes it clear that you’re saying something in plural not singular.

Another example is ‘beach’ and ‘bitch’. If you say ‘Copacabana is a wonderful beach’, people will understand that you’re talking about an area of sand sloping down to the water of a sea or lake [= praia]. They’ll not get the wrong idea.

In case you’re a beginner, remember that you have much more to learn. It’s not only perfect pronunciation. In case you’re an intermediate learner, you’ll have to pay a bit more attention to some sounds. Now, if you’re an advanced learner of the language, you’ll have to practice more. It’s all a matter of goals [what do you really want and why do you want it?]. But keep in mind that “you don’t have to sound like the Queen of England or the President of the United States of America”.

Regionalisms

In some regions of the United States or even United Kingdom, the sounf of the ‘th’ vary. That is, some people may pronounce it as if it were a ‘t’, a ‘d’, a ‘z’, an ‘s’ or an ‘f’. I’m not making this thing up. This is written in English Pronunciation in Use, published by Cambridge University Press, a book used all around the world to teach and learn British English pronunciation.

To sum up, don’t be too strict about your pronunciation. Listen to English as much as you can. Repeat a couple of sentences. Whenever possible, repeat them but don’t worry if you don’t sound like the guy on the CD. Watch TV and try to get close to the standards. This is the great secret: just try to get close to the standard and communicate your ideas. Having a perfect pronunciation in English (sounding like a native) doesn’t have to be the top priority most of the time.

» Read more about pronunciation:

Fonética: os sons da língua inglesa

Essa não é bem uma dica de pronúncia como você talvez imagine. Mas, tenho certeza que você gostará do assunto. Afinal, ele está relacionado aos sons da língua inglesa. Portanto, se você curte fonética e quer saber mais sobre os sons da língua inglesa, continue lendo.

Se quiser, poderá ler também as dicas abaixo e continuar aprendendo mais:

Nesta dica quero falar sobre uma ferramenta gratuita que ajudará você a entender bem os sons da língua inglesa. Trata-se do site Phonetics: The sound of English, desenvolvido e mantido pelos departamentos de Línguas, Ciências da Comunicação e Tecnologia da Universidade de Iowa, Estados Unidos.

Clicando no link do parágrafo anterior, você já entrará direto na página voltada para os sons da língua inglesa. Você deverá ver algo como na imagem abaixo.

Os Sons da Lingua Inglesa

É nessa janelinha aí que tudo acontece. Claro que vai depender do seu nível de curiosidade ou plano de estudos. Os nomes dentro da janela são bem técnicos, afinal o site foi desenvolvido por linguistas e foneticistas. Mas, isso não vai impedir de você aprender os sons da língua inglesa. Afinal, estão todos aí. desde as vogais até as consoante e ditongos. Tudo!

A melhor coisa a fazer para entender o site é clicar onde dá para clicar e ver o que tem dentro de cada parte. Por exemplo, clicando na palavra VOICE, duas opções aparecerão: voiced e voiceless. Se você clicar em voiced, a janela ficará como na imagem a seguir:

Voiced Sounds in English

» Leia e ouça a dica: Pronúncia de -ed em inglês

Nessa janela, aparecem todos os sons da língua inglesa conhecidos como voiced. Aí, tudo o que você tem de fazer é clicar em um som que queira praticar. Digamos que a sua ideia seja praticar o som /m/. Então, clique nele e a janela abaixo abrirá.

The sound /m/

Na imagem, note que a marcação está no som /m/. Logo, esse é o som que será mostrado e praticado. No desenho é possível ver como o som /m/ é produzido em inglês. Para facilitar, tem um botão play, que ao ser clicado mostrará como o som é produzido. Caso você queira ver o som parte por parte, é só marca a opção “step-by-step description“. Na outra coluna, na que aparece o rosto de uma mulher, temos um vídeo para mostrar também como o som é produzido (basta clicar no play). Por fim, há três palavras com o som /m/ no começo, no meio e no fim de cada uma.

Tudo isso é repetido com cada um dos sons da língua inglesa. Portanto, você poderá sair clicando nos som que desejar e assim ir ficando com seu inglês na ponta da língua. O melhor é que isso está disponível gratuitamente e serve de ferramenta de estudos para qualquer um.

Uma dica para você aproveitar bem esse site é focar em apenas um ou dois sons por vez. Geralmente, as pessoas dizem “esse som eu sei” ou “esse é fácil” e vão logo para outros. No final, acabam se perdendo e não aprendem nada. Então, vá com calma! O site estará ali o tempo todo. O pessoal da universidade não tem o interesse de tirá-lo do ar tão cedo.

Não se preocupe com os termos técnicos usado. Procure focar nos sons que estão representados pelos símbolos usados no alfabeto fonético internacional. Isso ajudará você a encontrar o som que deseja. Enfim, o jeito é esmiuçar esse site e aproveitá-lo ao máximo.

Essa é a dica pessoal! Um site para ajudar você a aprender os sons da língua inglesa. Espero que tenham gostado! 😉