Exames de Proficiência para Professores

Muitas professoras que acompanham as dicas do Inglês na Ponta da Língua querem saber quais os exames de proficiência indicados para os profissionais da área de ensino de inlgês. Portanto, o papo hoje é com essa turma que deseja se dedicar a isso e assim dar aquele up no currículo. Afinal, se você deseja realmente ser um profissional na área, precisa pensar em seu desenvolvimento.
De modo geral, tratando de conhecimento da língua inglesa, os professores devem procurar obter um desses certificados também recomendados para alunos: TOEIC, TOEFL, Michigan, FCE, CAE, CPE, IELTS. Sempre deixo bem claro que, em minha opinião, o foco deve estar sempre naqueles que são mais reconhecidos mundo a fora. 
Eu tenho minhas preferências como profissional na área. Considero os exames de Cambridge muito mais robustos. Pois, eles avaliam o conhecimento do candidato em todos os aspectos: speaking, writing, listening, reading e use of English. Portanto, minha recomendação será que o profissional de ensino de inglês procure obter o FCE, depois o CAE e por fim, caso considere necessário, o CPE. O IELTS também é recomendado para essa turma. Mas, por que eu tenho essa preferência?
Exames de Proficiência para Professores

Simples de explicar! Fora os exames de proficiência em língua inglesa (como os citados acima), há também certificações específicas para professores de inglês. A própria Universidade de Cambridge, ou Cambridge ESOL, oferece um amplo leque de cursos e certificações para quem deseja se aperfeiçoar na área de ensino de língua inglesa. Entre os exames mais conhecidos e reconhecidos estão CELTA, DELTA, TKT e ICELT

Para começar a pensar em obter um desses exames, o candidato precisará provar seus conhecimentos em língua inglesa e para isso terá de fazer os exames FCE, CAE e CPE. Ou seja, ter os exames gerais de língua inglesa são pré-requisitos para quem deseja obter um dos exames de qualificação profissional. Logo, é por isso que eu considero os exames da Cambridge os principais para quem deseja se aperfeiçoar na área e melhorar as oportunidades no mercado de trabalho. [Comentário extra: uma pena que no Brasil a grande maioria das escolas não dá a mínima para isso e muitas nem fazem ideia do que seja. Nem mesmo o governo brasileiros se incomoda com esse tipo de certificação. Portanto, muita gente pergunta, “pra que é mesmo que preciso disso então?”. Eu acho que cabe a cada um decidir se vale a pena mesmo ou não!]
Há ainda outros exames específicos para professores: CertTESOL e DipTESOL da Trinity College London; CELTTYL, também da Cambridge ESOL (esse é voltado para professores que desejam se qualificar no ensino de inglês para crianças); CertTEB, da London Chamber of Commerce and Industry/Arels (voltado para professores de inglês para negócios); e muitos outros.
Você – professora ou professor – pode clicar nos títulos de cada um deles acima e procurar saber qual é o melhor para seu perfil. Há profissionais que preferem trabalhar com crianças; logo, para esses o recomendável é que procure por certificações para o ensino de Young Learners. Outros talvez preferem se qualificar no ensino de inglês para negócios; assim, os “teaching business” são mais a cara dessa turma. Enfim, o importante é procurar saber qual o seu perfil e então correr atrás. 
No Brasil muitas escolas como Cultura Inglesa, CEL-LEP, International House, Casa Thomas Jefferson e outras olham para os professores com essas certificações como se fossem joias raras no mercado. Afinal, quem corre atrás de uma certificação dessas demonstra ser um profissional dedicado e com as características que essas escolas buscam. 
Por fim, caso você tenha interesse em saber mais sobre a área de ensino de inglês, não meça esforços para obter uma certificação de proficiência em inglês e também uma certificação profissional. Hoje a grande maioria das escolas pode não dar muita atenção a isso, mas no futuro as coisas podem mudar. Pois, quanto mais profissionais capacitados tivermos na área, maiores serão as chances de cobrar seriedade na arte de ensinar inglês no Brasil.
Artigos Relacionados
Comentários