Dicas Para Aprender Inglês

Ler em Inglês para Melhorar o Vocabulário

Nossa dica hoje é de autoria da prof. Ludimila Cordeiro. Ela vai dar uma dica bem interessante para você melhorar o vocabulário em inglês por meio da leitura.

Hello, everybody! How were your holidays? Did you enjoy yourselves? I hope so. Pronto para continuar aprendendo inglês este ano? Hoje vamos falar um pouco sobre ler livros em inglês, hábito que pode ser um grande aliado para melhorar seu vocabulário e ajudar a desenvolver também sua habilidade de escrita e de comunicação oral.

Mas, antes tenho de perguntar uma coisa: você costuma ler livros (em português mesmo)?

Lembre-se que o hábito de ler vai muito além de livros impressos. Você pode ler os classificados em um jornal, uma revista de moda, de carro, de artigos para casa; pode ler a bula do remédio, etc. Mas aqui, vamos falar especificamente de livros (ficção, suspense, comédia, romance, etc.).

Em média quantos livros você lê por ano?

Pesquisas revelam que o brasileiro tem uma grande dificuldade de sustentar esse hábito e prefere outras atividades como ver televisão ou acessar a internet. E você, que estuda inglês, já leu algum livro em inglês? Se sim, como foi essa experiência? E como você fez sua leitura: leu a história como um todo apenas para absorver o conteúdo ou também fez da leitura um momento de estudo?

Pois é aí que quero chegar. O hábito de leitura enriquece nosso vocabulário, aumenta a capacidade de argumentação e de quebra ainda nos proporciona uma visão mais crítica do mundo e da sociedade. Imagine tudo isso na língua inglesa? Você pode fazer do momento de leitura uma oportunidade para melhorar o vocabulário e assim, aprender novos chunks úteis na hora de escrever ou falar inglês. O importante é saber selecionar quais chunks são relevantes.

Melhorar o Vocabulário com Livros em Inglês

Abaixo, segue um trecho extraído de um livro que li há um tempo: The Diary of a Young Girl, escrito por Anne Frank, a garota judia que viveu exilada com a família por dois anos (1942 a 1944) na Holanda durante a Segunda Guerra Mundial, quando a Alemanha tentava ocupar o país e os judeus eram perseguidos pelo Nazismo. Vamos ler o trecho e, logo em seguida, irei destacar alguns chunks que merecem nossa atenção. [Você pode ouvir o texto clicando no botão de áudio abaixo.] [audio http://archive.org/download/INPL09012013/INPL_09012013.mp3]

Suddenly the bell rang again. ‘That is Harry’, I said. ‘Don’t open the door’. Margot held me back, but it was not necessary as we heard Mummy and Mr. Van Daan downstairs, talking to Harry, then they came in and closed the door behind them. Each time the bell went, Margot and I had to creep softly down to see if it was Daddy, not opening the door to anyone else. Margot and I were sent out of the room. Van Daan wanted to talk to Mummy alone. When we were alone together in our bedroom, Margot told me that the call-up was not for Daddy, but for her. I was more frightened than ever and began to cry. Margot is sixteen; would they really take girls of that age away alone? But thank goodness she won’t go, Mummy said so herself. (…) These were questions I was not allowed to ask, but I couldn’t get them out of my mind. (…) Margot and I began to pack some of our vital belongings (…). The first thing I put in was this diary, then hair curlers, handkerchiefs, schoolbooks, a comb, old letters. I put in the craziest things with the idea that we were going into hiding. But I’m not sorry; memories mean more to me than dresses.” (p. 14)

  • Don’t open the door (Não abra a porta)
  • Margot held me back (Margot me segurou, me puxou pra trás, me impediu de fazer algo)
  • They came in and closed the door behind them (Eles entraram e fecharam a porta)
  • We were sent out of the room (Pediram para que nós saíssemos da sala)
  • He wanted to talk to Mummy alone (Ele queria falar com minha mãe a sós)
  • I was more frightened than ever and began to cry (Eu fiquei mais apavorada do que nunca e comecei a chorar)
  • Thank goodness (Graças a Deus)
  • I couldn’t get them out of my mind (Eu não conseguia tirá-las da minha cabeça)
  • Some of our vital belongings (Alguns dos nossos pertences principais)

Algumas dessas combinações são semi-fixas; portanto, você pode variá-las:

  • He wanted to talk to me alone
  • I wanted to talk to him alone
  • She wanted to talk to us alone
  • I couldn’t get him out of my mind
  • I couldn’t get this idea out of my mind
  • I couldn’t get what you said out of my mind
  • I left some of my vital belongings on the plane. (Eu esqueci alguns dos meus percenteces no avião.)
  • We need to start packing some of our vital belongings tonight. (Nós precisamos colocar nossos pertences principais na mala esta noite.)

Veja que com um pouco de paciência e muita criatividade você pode aprender não só palavras, mas também expressões e até frases completas. Para isso, basta pegar o trecho de algo que você está lendo e procurar por aquilo que chama a sua atenção. Aí é só colocar no caderno e ir criando mais exemplos com o que você aprendeu e o que você já sabe. Isso feito com certa frequência será de grande ajuda para melhorar o seu vocabulário em inglês.

Well, that’s it! Ah, perceberam que pra falar “Graças a Deus” usamos “Thank goodness“? Também diz-se “Thank God“, e sempre sem o “s“. Nunca diga “Thanks God“, pois não soa legal. Espero que tenham gostado da dica de hoje. Não se esqueça de compartilhar sua experiência de leitura em inglês na área de comentários abaixo. Take care, you guys! See you soon!

24 Comentários

  1. MUITO BOA A DICA! EU SEMPRE USO A LEITURA DE TEXTOS COM MEUS ALUNOS. ISTO DÁ CERTO REALMENTE. OBRIGADO PELO POST.

    1. Olá, Eduardo
      Que bom que você gostou da dica! Realmente exercícios com livros são ótimos para os alunos, já que temos a oportunidade de ensinar uma linguagem autêntica. E se você usar a Abordagem Lexical e ensinar chunks extraídos do texto, então, melhor ainda!

      Abraços,

      Ludimila Cordeiro
      Inglês na Ponta da Língua Team

  2. Adorei. So falta a doca de quais livros sao recomendados para quem esta aprendendo.

  3. I have a book that was given me as a gift once, it´s ” Golden Buddha” – Clive Cussler and Graig Dirgo. I´ve read some of its pages but it becomes a bit hard to comprehend some sentences. Can you gimme a tip about getting understand it all? is it possible to translate it every time I find out a new word or expression? Or if you recommend me some to practise my reading and also writing. thanks Denilso. you know, you inspire me a lot !

    Take care.

    Carlos.

    1. Dear Carlos,

      I totally understand your concern about not grasping the whole meaning of the text while you read through it. However, it is important to keel calm and continue reading, NOT WORRYING about translating every new word or expression. If you do so, the reading will become boring and stressful. Instead, keep reading even if you don't understand a sentence. Usually the next sentence is familiar to you, and the more you read, the easier it becomes.

      Take care and keep up the good work!

      Ludimila Cordeiro
      Inglês na Ponta da Língua Team

      1. I remember reading Machado de Assis and having the same problem Carlos did, with Portuguese. We don't bother looking up every unknown word when reading Portuguese, why should we bother with English? I agree with Ludimila, it gets easier and easier. Even words you don't understand are kept in your mind, attached to the surrounding concepts in the text. When you read that word again in another context, your brain takes care of reattaching the meanings, enriching your vocabulary automatically, this time with a direct conceptual to symbolic mapping. That means real understanding. That's how we really learn a new language. When you look a word up in the dictionary, you create an indirect, fainter attachment to the concept. You are forced to translate, map word to word, in your mind. You need to enforce the real mapping, from word to concept. You only master a new language when you achieve this shortcut, when you can even forget the word in Portuguese originally attached to the concept. This concept to words map is a network that is particular to a certain language. That's why translations always loose some meaning. Because, at the concept network level, words in different languages activate the concepts slightly differently. The concept network level is where real understanding resides. That's why you don't have to look up every word when reading a book. There's a lot of redundancy in communication, so the empty slots left by unknown words are activated by the known words and context, nudging the proper concepts, priming them to become attached to the unknown word. A faint link is created, that can be reinforced by other usage examples, either from the same or other books, or from any other exposures to English that you have (including a dictionary).

  4. A primeira vez que eu li um livro em inglês foi um pouco estranho (confesso que busquei muitas dicas para ñ desistir desse novo hábito), mas com o tempo eu me acostumei, leio 2 livros por mês e quando tenho mais tempo, leio 4, 2 em português e 2 em inglês (minha meta é sempre 4). É uma experiencia muito gostosa e toda vez que você termina de concluir esse livro, você olha para si mesmo e vê o quanto valeu a pena toda dedicação. Sempre que 1 livro me agrada, eu amo escolher a versão mais bonita e não tem preço quando você entra em uma livraria e pode pegar o mais bonito por que vc sabe que as melhores versões são as importadas e isso não é mais impossível e sim um presente a si mesmo, e isso vale pra tudo, para filmes, sites, seriados e etc. Tento passar um pouco disso para as pessoas que eu ajudo e torço muito para que elas consigam sentir isso um dia, essa liberdade de ser útil não só para o mundo (por causa do trabalho), e sim para si (pq eu estudo idiomas pq eu amo), e essa recompensa vale mais do que tudo!!! P.S: Os únicos absurdos são a falta de variedade e os preços nas lojas.

    1. Rosângela,
      Concordo com você quando diz que a satisfação de concluir um livro é realmente fantástica. E principalmente em inglês! Sentimos que somos realmente capazes de absorver o conteúdo na língua estrangeira, e isso é ótimo para nossa auto-estima. Sentimos que todo o esforço está valendo a pena.

      Obrigada pela participação!

      Ludimila Cordeiro
      Inglês na Ponta da Língua Team

  5. Olá, Rosangela

    Nossa, que legal ver sua dedicação! Quatro livros por mês? Confesso que eu ainda não cheguei nesse ritmo, e é ótimo ver pessoas como vc que se dedicam ao hábito de leitura. Me inspiro muito!

    E como é bom ler um livro completo em inglês, né? Melhora até a nossa auto-estima, haha!

    Abraços,
    Ludimila Cordeiro
    Inglês na Ponta da Língua Team

  6. Hey Ludimila !

    Thanks for the answer!
    for sure I will keep doing it, as you said. Yeah, I´ve noticed if I try to translate word by word, it becomes boring.
    Thanks a lot, again, for the tip !
    Ps: I am always reading your articles and texts to be sharper!

    Hugs from RS.
    Carlos.

  7. Ludimila eu quero aprender a falar qual é o melhor curso pois não tenho dinheiro para jogar fora com curso que só faz propaganda

  8. Paulo Sergio,

    Sua pergunta é por demais ampla. Não existe nenhum curso milagroso que fará você falar inglês em um passe de mágica. Você pode pesquisar em sua cidade ou na internet e encontrar um curso que melhor satisfaça suas necessidades (financeiras, inclusive). Porém, o que vai fazer você conseguir alcançar seu objetivo de falar inglês é VOCÊ MESMO. Pois é, acredite. O curso de inglês – seja com professor particular, em instituto de língua, não importa – é apenas um guia para seus estudos. O que vai determinar seu progresso nos estudos de inglês é o tanto que você se esforça.
    Falar inglês é uma habilidade que todos podem ter, mas exige tempo, dedicação, esforço, estudo diário, contato com a língua inglesa o maior possível.
    O que isso significa? Ouvir inglês em músicas, filmes, seriados, ler textos na internet em inglês, falar sozinho (isso mesmo! ajuda muito), escrever seus compromissos na agenda em inglês, etc, etc, etc.

    Lembre-se: NO PAIN, NO GAIN.

    Abraços,
    Ludimila Cordeiro
    Inglês na Ponta da Língua Team

  9. Sempre tento manter a média de pelo menos 3 livros em inglês por mês (Thank good so many books!!!), e começei a ler não tem nem um ano, o ritmo aumenta a medida que a gente absorve o conteúdo aprendido dos outros livros.
    recomendo para os iniciantes os livros de leitura fácil ( tipo nicholas spark, the hunger games,the schack) e pra quem for
    "perder o tempo" lendo livros tipo crepúsculo, gossip girl ou 50 tons de não sei o que, leiam esses em inglês pois
    por terem sido escritos recentemente tem muitas gírias atuais.

    1. Cristiane,
      Bom saber que você tem um ritmo desse de leitura em língua inglesa. Realmente melhora muito o nosso desempenho na língua, né? Nicholas Sparks é bem interessante mesmo, e principalmente pra quem gosta de romance.

      Abraços e obrigada pela participação!

      Ludimila Cordeiro
      Inglês na Ponta da Língua Team

  10. Adoro os posts de vcs, mas letras na cor LARANJA.. dificultam muito a leitura.. Mesmo assim obrigada!

    1. Aline, obrigado pelo comentário! Permita-me dizer que no texto não há nada de letras em laranja. Deve ser alguma configuração em seu computador. Os textos do blog são publicados nas cor preta. A cor só muda quando incluímos um hyperlink (nesse caso a cor é azul). That's weird! 🙂

  11. não conhecia o ingles na ponta da lingua muito bom vou visitar sempre valeu '

    1. Valeu Ezequiel! Também estamos no Facebook e no Twitter. Mas, qualquer coisa, estamos por aqui também firmes e fortes. Seja bem vindo ao Inglês na Ponta da Língua.

Botão Voltar ao topo
Fechar