Present Perfect: sentenças comuns

Algumas das dúvidas que atormentam a grande maioria dos estudantes de inglês são aquelas relacionadas ao(s) uso(s) do Present Perfect. Não há como fugir a isso. Vira e mexe, todo mundo dará de cara com esse tempo verbal.

Uma das dicas que dou em relação a ele é a seguinte: Não se preocupe em aprender tudo sobre ele. Você não vai conseguir! O Present Perfect é um tempo verbal que em português não encontra um equivalente 100% exato. Portanto, trata-se daquele tipo de coisas que aprendemos apenas na prática e conforme nos envolvemos cada vez mais e mais com a língua.

Portanto, aada de fazer anotações com as teorias gramaticais de quando usar, como usar, porque usar, onde usar, com quem usar e coisas assim.

Dito isso, saiba que outra dica que dou é bem simples e menos dolorosa. Claro que ela dependerá da sua atitude. A dica é: anote algumas sentenças nas quais o uso do Present Perfect é comum. Além de anotar sentenças, anote também a tradução delas para o português. Fazendo isso, você conseguirá perceber as diferenças entre como dizemos algo em nossa língua e como devemos dizer em inglês.

Present Perfect Sentenças ComunsOutra dica importante é a seguinte: não tente entender os porquês. Muita gente se atrapalha ao aprender o Present Perfect por querer tentar entender o porquê de ser de um jeito e não de outro. Tem gente que ainda fica tentando entender a lógica do porquê de em português ser de um jeito e em inglês de outro.

Tentar entender os porquês é em minha opinião uma grande perda de tempo. Afinal, a língua inglesa é a língua inglesa e a língua portuguesa é a língua portuguesa. Cada língua tem um jeito diferente de expressar ideias semelhantes e é isso que temos de entender. Temos apenas de saber como dizer e não porque dizemos daquele jeito.

Para você entender isso melhor, vamos usar a sentença abaixo:

  • We’ve been married for 7 years.

Se traduzirmos a sentença acima ao pé da letra leremos “Nós temos estado casados há 7 anos“. Essa tradução literal não soa bem em português. O modo natural de expressarmos essa ideia em português é “Nós estamos casados há 7 anos” ou “Faz 7 anos que estamos casados“.

Se compararmos a o modo como dizemos em inglês e o modo como dizemos em português, notaremos que elas não são 100% idênticas. Muitos ao verem isso, logo querem saber o(s) porquê(s). Tem pessoas que acham isso inadmissível e incompreensível. O que ela devem entender é que a ideia sendo expressa é a mesma. Mudou apenas o jeito de dizer em cada língua.

Não me importa se em inglês é dito com o Present Perfect e em português não. O que realmente me importa aprender é o modo como digo em inglês há quanto tempo eu e minha esposa estamos casados (juntos). Aprendendo isso,  nós podemos criar muitas outras frases seguindo a mesma estrutura:

  • We’ve been married for 10 years. (Nós estamos casado há 10 anos.)
  • They’ve been married for 25 years. (Eles estão casados há 25 anos.)
  • I’ve been married for 5 years. (Faz 5 anos que estou casado.)
  • Shirley and her husband have been married for 8 years, I guess. (Eu acho que a Shirley e o marido dela estão casados há 8 anos.)

Se você entendeu a ideia de como aprender o tal do Present Perfect apresentada acima, o kit básico de expressões comuns com o Preset Perfect (Simple e Continuous) ajudará você a praticar um pouco mais isso tudo. E assim, claro, ficar ainda mais com o Inglês na Ponta da Língua.

  • I’ve been living here for ___ years. (Eu moro aqui há ___ anos.)
  • I’ve been working here for ___ years. (Eu trabalho aqui faz  anos.)
  • I’ve been studying English for ___ years. (Eu estudo Inglês há ___ anos.)
  • We’ve studied together for ___ years. (A gente está estudando juntos há ___ anos.)
  • We’ve known each other for ___ years. (A gente se conhece há ___ anos.)
  • We’ve been together for ___ years. (A gente está junto há ___ anos.)
  •  I’ve been waiting for you for ___ minutes. (Eu estou te esperando faz ___minutos.)
  • I’ve been trying to talk to you for ……… minutes. (Eu estou tentando falar com você faz ___ minutos.)

Usando um pouco a sua criatividade você poderá notar que dá para mudar algumas coisas nas sentenças acima e assim ampliar a quantidade de coisas que você queira dizer em inglês. No lugar de for, você pode usar o since (desde). Quer aprender a diferença entre eles, então leia a dica Since e For com o Present Perfect.

Você pode achar a ideia acima meio louca e sem cabimento. Não tem problemas! Isso apenas prova que você ainda está muito preso ao método tradicional de aprendizado de inglês: tem de decorar regras gramaticais. Eu não tenho nada contra! Mas, garanto a você que saber as minúcias gramaticais da língua inglesa para se comunicar bem podem mais te atrapalhar do que te ajudar.

Caso ainda esteja duvidando, responda: Você sabe a diferença do Pretérito Perfeito, Pretérito Mais Que Perfeito e Pretérito Imperfeito em português? Se você tivesse que explicar isso agora você seria capaz? Você ao conversar com um amigo ou amiga para para pensar em que momento deve usar um desses tempos verbais?

Pense nisto! Despreocupe-se com as regras! Preocupe-se em comunicar-se de modo eficiente e natural! Dizendo aquilo que realmente deseja. Até a próxima.

12 Comentários

  1. olá Infelizmente discordo de você querido mestre Denilson quanto ao NÃO uso/Ensino da gramática em língua inglesa..ela deve fazer sim parte do aprendizado sempre caminhando lado a lado com as outras habilidades a serem exploradas pelos aprendizes de uma língua estrangeira..É óbvio que qualquer um pode aprender Inglês apenas ouvindo sem prestar atenção nas regras gramaticais..nem decorando todas aquelas regras…..Haja visto inúmeros casos já relatados…e agora eu me recordo daquele rapaz que aprendeu a falar Inglês primeiro, sem prestar nenhuma atenção as famosas regras gramaticais que você e tantos outros tanto odeiam hehehehehe….ele simplesmente ouviu pessoas conversando em Inglês no radio e como tinha tempo livre todo dia praticava o listening …e ele aprendeu e muito bem…mas aprendeu apenas a falar. e apenas com o sotaque dos programadores da rádio que ele ouvia…e consequentemente pegou todos os vícios e erros gramaticais deles… também…pois ele aprendeu seguindo o modelo das pessoas que falavam na rádio…só que agora ele tem um grande pepino na mão….terá que aprender tudo de novo e a escrita da lingua inglesa será muito muito mais difícil…para ele a meu ver..pois sabe-se lá que tipo de erros ou acertos ele aprendeu…e modo de falar também…a meu ver dará o mesmo trabalho se ele tivesse aprendido a falar e a escrever junto com tudo aquilo que a língua tem a oferecer..,..ambos os aprendizados seguindo uma certa ordem…vc sabe..aprender INGLês OU QUALQUER OUTRO idioma exige longas horas de estudo, dedicação e intenso trabalho diário e prática..e muita mas muita FORÇA DE VONTADE e principalmente GOSTAR DE APRENDER.. sentir prazer em aprender… o que a maioria das pessoas não tem ou estão aptos a ter ou desenvolver..como já sabemos..de longa data…Mas o fato é que se vc aprende Inglês seja ele falado ou escrito de uma forma não culta e informal em detrimento da forma formal e adequada com as concordâncias corretas ficará muito mais difícil depois você mesmo se corrigir quando estiver aprendendo a gramática..correta.. você já terá adquirido vícios de linguagem entre outras coisas..sendo mais difícil se livrar de maus hábitos adquiridos…só com muita força de vontade mesmo…para ir adiante..eu tenho um exemplo típico de um aluno meu…ele morou no Canadá durante algum tempo e aprendeu apenas a falar.. (INGLÊS CAIPIRA) de uma região bem afastada dos grandes centros..agora aqui no Brazil… ele sente inúmeras dificuldades tanto na fala correta e pronúncia quanto na escrita.. ele não sabe nada de gramática.. escreve muito mal…e insiste que o Inglês dele é "perfeito falado"…os outros alunos que estão aprendendo agora..com gramática…são superiores a ele no sentido de concordância e desenvolvimento e estão num nível acima do dele…eles tiram o maior sarro dele quando ele fala parece aqueles cowboys do texas….é muito engraçado mesmo…dá até dó… vc sabe..ele terá que trilhar sozinho o caminho da aprendizagem novamente.. e readequar seu cérebro.novamente e..andará muitos kilometros a mais que os seus colegas que aqui estão e nunca foram para o Canadá..de nada adianta apenas FALAR Inglês e não ser respeitado ou compreendido por isso…eu tento fazer ele aprender de novo a pronúncia entre outras coisas,. mas o jeito que ele aprendeu está muito enraizado já em sua mente e uma mudança geral será necessária para ele se adequar novamente..e sentir que ele realmente está falando Inglês BEM e corretamente…e o melhor sendo ENTENDIDO…coisa que não acontece agora devido ao sotaque e ao modo errado de concordar sujeito e objeto entre outras coisitas mas…da tão famigerada gramática…Bem este é apenas meu ponto de vista e só estou levantando uma questão quanto ao ensino ou NÃO de regras gramaticas aqui no grupo…..vamos ver se alguém concorda ou discorda…heheheheh a bomba tá lançada…Abraços e obrigada por compartilhar interessantes artigos aqui no grupo…você é sempre bem-vindo e suas dicas são realmente expertas…suzana

    1. Francamente…
      Se vc é professora, eu sinto muito pelos seus alunos.
      O mínimo que se espera de um professor é respeito e discrição para com os que estão aprendendo ou reaprendendo qualquer matéria…

  2. Olá DenilsonGostaria de dizer q eu concordo com boa parte do que a Suzana disse, pq ja vi mtos casos assim tb. Além disso, sou professora, dou aula pra todas as faixas etárias, e sei q as crianças e os adolescentes nao se importam mto com as regras gramaticais. Mas os adultos são um público totalmente diferente, eles têm q achar uma explicação pra tudo, eles querem regras pra se sentir mais seguros e ajudá-los a compreender o porque disso e daquilo. E eu entendo, acho q é coisa de gente grande mesmo. Entao nesses casos eu acho q explicar um pouco de gramática pode nao ser tão nocivo pq ajuda a aliviar a ansiedade, a entender como funciona a língua e tal. Além disso, acredito q todo mundo concorda q o portugues eh diferente do inglês com relaçao ao (imperfect, LOL!)present perfect e ao simple past, a gente nao tem essa mesma variação como eles têm. E talvez algumas pessoas precisem mesmo de uma explicação, para os mais curiosos, interessados, ansiosos, preocupados ou que tenham mais conhecimento de regras gramaticais em geral.Como disse a Suzana, a bomba foi lançada.De qqr forma, eu concordo totalmente que não devemos basear as aulas apenas em regras e que um aprendizado baseado em situações mais próximas da vida real eh sem dúvida mais proveitoso, didático, útil e economiza tempo. Entao acho q cabe ao professor um pouco de discernimento sobre quando/pra quem/em q situações falar de gramática na aula ou deixa-la de lado.Espero mais comentários sobre o assunto!

  3. Opa, eu acho que o legal é a gente ter um equilibrio para o aluno, ficar com decoreba de regras gramaticais não leva a nada, entretanto, algumas regras são importantes de ser entendidas antes de se praticar, para saber o porque se está dizendo aquela frase de uma forma e não de outra, vale lembrar que a maioria dos nativos utiliza muitas regras de forma errada, o que pode ainda confundir mais o aluno, indo mais além, existem regras gramaticais muito sutis, que só serão percebidas pelo aluno quando explicadas como teoria mesmo, uma vez entendendo a teoria ficará mais fácil praticar. Portanto o equilibrio é essencial…

  4. Calma aí! Não é bem assim também!Minha posição não é tão radical o quanto pensam mas tenho lá minhas fontes.Em breve eu teço comentários mais relevantes à esta matéria! Acredito que o blog passará por sua primeira discussão lingüística… Só não quero espantar os alunos…Denilso

  5. Olá Meu nome é Camila e estou me dedicando e me arriscando a aprender inglês sozinha.Claro que com a ajuda da Internet,músicas,filmes,textos exercícios,e por fim com um pouco da ajuda de minha professora da escola que não é tão freqüente,mas assim vou prosseguindo.Já me arrisquei em bater papo pelo MSN com pessoas que são de países da língua inglesa,sofri algumas gafes,tive vontade de sair correndo quando percebia que tinha pagado o maior mico,mas por fim aprendi muita coisa,durante uns 2 meses de bate papo.Agora estou me empenhando em traduzir algumas músicas,diálogos e textos por conta própria pra depois conferir se estão corretos.Tenho usado o http//translator.live.com ele é muito bom!Considero a afirmação de que ainda sou bem novata em inglês, mas eu chego lá!É o meu obejetivo e não abro mão! Tenho sede de aprender.E com certeza, aceito ajuda, pois tenho muitas dúvidas.Hoje foi a primeira vez que visito seu Blog mas garanto que estarei aqui todos os dias pois, ele é muito interessante, simplesmente bom demais.Obrigado pela atenção e também por dividir tanto conteúdo.Deus te abençõe!

  6. Suzana,Aparentemente voce nao tem a minima ideia do que é ensinar ou aprender um outro idioma. O racismo e preconceito existente em você é vergonhoso, e um comentário como o seu deveria ser totalmente ignorado, mas não posso me abster, e outras pessoas podem querer imitar suas ideias, então vou ter que comentar.Primeiramente, não entendo porque o "SEU INGLÊS" é melhor do que o inglês falado pelo "CAIPIRA" Canadense. Só para citar alguns exemplos, assim como no Brasil, no Canada, USA, UK e Australia, pra ficar só nos mais visitados, existem vários sotaques dependendo da região onde se habita. Pessoas da Escócia falam com um sotaque que é quase incompreendível, mas a partir do momento em que você realmente aprende Inglês passa a ser claro como água da fonte. No Canada mais especificamente 2 línguas são faladas, Francês e Inglês, e na teoria todos de Quebec falam Inglês, mas nem todos das outras provincias falam Francês. O que acontece é que os Quebecois tem um acento muito forte ao falar ingles, e nem por isso nao sao compreendidos. Você por um acaso já trabalhou com Indianos, Chineses, Tailandeses, Russos, Italianos, Espanhois e Franceses? Todos no mesmo projeto falando uma unica lingua, Ingles? É uma mistura deliciosa, vários acentos, costumes, cada um carregando com sua própria "CULTURA" no modo de falar. Isso sim é diversidade, não esta maneira NAZISTA de achar que somente uma RAÇA deve ser superior perante as outras e todos devem ser robôs falando e agindo da mesma. Se não fosse a diversidade de culturas, religiões e idiomas a vida não teria graça.Não posso acreditar que existem professores de idiomas como você que não tem a capacidade de se questionar a respeito do que é uma língua, tanto falada quanto escrita. O pluralismo existe e deve ser respeitado.Aconselho você a viajar, conhecer outras pessoas, culturas, países. Faça um favor à humanidade: NÃO DISSEMINE O RACISMO, PRECONNCEITO E NAZISMO ATRAVÉS DE ATITUDES, PALAVRAS E ATOS QUE NÃO AGREGAM EM NADA NO MULTICULTURALISMO DO MUNDO GLOBALIZADO.Estou a disposição para maiores esclarecimentos e espero não encontrar mais este tipo de comentario em outros posts.Roger Rainville

    1. Nossa Roger,eu perdi meu tempo lendo todo esse bla-bla-bla lamentável da nossa colega Suzana,mas felizmente você me poupou tempo dizendo tudo que eu queria dizer a respeito.Obrigada!
      Abraços!

Botão Voltar ao topo