O que é o FCE? Leia aqui e conheça esse exame!

O que é o FCE? Que exame é esse e qual sua importância? Chegou a hora de você entender tudo sobre um dos mais conhecidos exames de inglês no mundo.

O que é o FCE?

FCE é a sigla para First Certificate in English. Este é um exame internacional de inglês, cujo certificado é emitido pela Universidade de Cambridge, Inglaterra. Ele é também conhecido como Cambridge English: First.

A Universidade de Cambridge tem outros exames. Mas, o FCE é de longe um dos mais conhecidos exames de proficiência em inglês. É também de longe, o exame que muitos almejam conquistar. Afinal, ele abre as portas para uma série de oportunidades acadêmicas e profissionais.

Saber o que é o FCE é muito fácil! Então, recomendo que continue lendo para aprender outros detalhes sobre o exame.

Quem pode fazer o FCE?

No site de apresentação deste exame, a Universidade de Cambridge dá a seguinte informação:

[O FCE] é uma qualificação de nível intermediário superior. Ele comprova que você consegue utilizar o inglês, escrito e falado, para trabalhar ou estudar.

O que é o FCE?Se levarmos em conta o Common European Framework of Reference (CEFR), o nível para o qual este exame é indicado é o B2. Lembrando que no CEFR os níveis são: A1 (básico), A2, B1, B2, C1, C2 (proficiente). Caso você não saiba ainda o que é esse tal de CEFR, leia o artigo The Common European Framework of Reference, publicado aqui mesmo Inglês na Ponta da Língua.

Portanto, você você pode ver, para se dar bem nesse exame é necessário que você tenha um bom conhecimento da língua inglesa.

Como é o exame?

De modo geral, o exame possui 5 provas (tests). Cada prova foca em habilidades linguísticas específicas: speaking, listening, writing, reading e use of English.

Cada prova possui um tempo exato para ser concluída. Elas são também dividas em diferentes partes:

  • Writing (2 partes) » tempo total de duração 1h20mim
  • Speaking (4 partes) » tempo médio de duração em torno de 20 minutos
  • Reading e Use of English (7 partes) » tempo total de duração 1h15min
  • Listening (4 partes) » tempo médio de duração em torno de 40 minutos

Para se sair bem nesse exame é fundamental que você conheça também cada prova e suas partes. Ou seja, além de ter o Inglês na Ponta da Língua é essencial que você conheça bem a estrutura do exame.

Eu recomendo que você faça vários simulados antes de fazer a prova oficial. Assim, você coloca não só seu inglês à prova, mas também suas estratégias para fazer cada parte. Os simulados ajudam na organização, administração do tempo e tomadas de decisões em relação ao exame com um todo.

Por que fazer o FCE?

Eu diria que a principal razão para fazer o FCE é simplesmente uma questão de satisfação pessoal. Sabe aquela sensação de ter conseguido uma certificação internacional desejada no mundo todo? Imagine-se conquistando isso! Quando eu consegui, fiquei muito feliz e também motivado para continuar aprendendo mais e mais inglês.

Mas, outros pontos a seres destacados são:

  • Mostrar que você está pronto para o sucesso no mundo real e seu inglês está evoluindo;
  • Conquistar habilidades em inglês aplicáveis à vida real para trabalhar e estudar
  • Prestar um exame de alta qualidade e imparcial

Onde o FCE é aceito?

De acordo com a Cambridge University, “as qualificações Cambridge English são aceitas por milhares de universidades, empregadores e governos no mundo todo. Os exames também são aceitos por grupos profissionais, autoridades de imigração e outras agências governamentais”.

Portanto, as chances de você conseguir uma boa colocação no mercado de trabalho, entrar em uma excelente instituição de ensino ou algo assim são enormes.

No site da Cambridge, você pode fazer uma busca sobre onde o FCE é aceito em inúmeros países.

Informações extras

Clicando no botão abaixo, você poderá fazer o download da íntegra de um exame inteiro do FCE. No arquivo estão todas as provas e material de áudio. Assim você terá uma melhor ideia de como é o exame.

download_button

Para saber mais sobre o Cambridge English: First – ou FCE –, acesse a página oficial sobre o exame no site da Cambridge. Lá você encontrará muitos outros detalhes sobre esse que é um dos mais conhecidos exames de proficiência em inglês no mundo.

Prontinho! Agora você já sabe o que é o FCE e também como ele é. Portanto, Até a próxima! Take care and keep learning!

Como Passar no TOEFL ou IELTS?

Nos últimos anos, os exames de proficiência ter conquistado muita fama no Brasil. TOEFL, IELTS, FCE, CAE e CPE se tornaram siglas comuns na cabeça de muitos estudantes de inglês. Mas, TOEFL e IELTS são as mais frequentes. Por causa dessa fama, muita gente passou a se perguntar como passar no TOEFL ou IELTS. Então, vamos falar sobre isso!

Se você ainda não sabe muito sobre esses dois exames, recomendo que leia a dica “Qual a Diferença entre TOEFL e IELTS?”. Caso você já saiba quais são as diferenças, então continue lendo.

A Fórmula Mágica Para Passar

Infelizmente, essa fórmula mágica para passar não existe. Se você chegou até aqui esperando encontrar uma dica milagrosa, sinto muito decepcioná-lo. Essa fórmula ainda não foi inventada. Portanto, você terá de ser paciente e seguir as dicas abaixo.

Conheça o Exame

Como passar no TOEFL ou IELTSA principal dica para quem quer saber como passar no TOEFL ou IELTS é conhecer o exame.

Isso significa entrar no site oficial do exame, baixar as provas que eles disponibilizam e entender como cada parte do exame funciona.

Aprenda o que deve ser feito em cada parte. Entenda o que cada enunciado diz. Leia atentamente as orientações dadas pelos organizadores e avaliadores. Enfim, dedique tempo para analisar cada parte do exame cuidadosamente.

Enfim, conheça o “inimigo” para poder combatê-lo com maestria.

Faça Simulados

É possível comprar (ou baixar em sites – pesquise no Google) provas oficiais aplicadas em anos anteriores. Investir nesse tipo de material é extremamente válido. Pois você poderá usar as provas oficiais (ou baseadas nelas) para fazer simulados.

A ideia de fazer simulados ajudar a vencer um pouco a ansiedade. Mas, para dar certo é preciso fazer os simulados como se fossem exames reais. Quanto mais realista e controlado for o simulado, melhor.

Fique de olho no tempo

Ao fazer a análise das partes da prova, aprenda quanto tempo você tem para cada parte. Assim, na hora que você decidir fazer os simulados, deverá aplicar o mesmo tempo dado na prova oficial.

Uma dica que sempre dou para quem se prepara para esses exames é reduzir o tempo ao fazer os simulados. Como assim?

Se o tempo oficial para uma parte da prova é de 90 minutos, então no simulado faça aquela mesma parte em 80 minutos. Fazer isso, dá a você uns minutinhos de sobra para rever a prova e dedicar um tempinho para as questões que teve dúvidas. Isso também faz com que você se acostume com a pressão de raciocinar mais rápido. O cérebro agradece o exercício!

Em minha opinião, essas três dicas – conhecer o exame, fazer simulados e observar o tempo – são as que fazem uma grande diferença para quem deseja ter um bom desempenho em exames de proficiência.

Outras dicas são velhas conhecidas de todos. Eu nem precisaria escrever sobre elas, mas escreverei apenas para reforçar os pontos.

Envolva-se com a Língua

Como você bem sabe, hoje em dia é possível encontrar de tudo na internet: sites de revistas e jornais, vídeos de noticiários no Youtube, material de áudio para download, blogs, fóruns e grupos de pessoas que estudam inglês e trocam informações umas com as outras. Tem sites com dicas de gramática e vocabulário, atividades para baixar gratuitamente, testes de listening, testes de reading e muito mais.

Para não deixar essa parte muito extensa, seguem abaixo algumas dicas já publicadas aqui no Inglês na Ponta da Língua sobre essa coisa de se envolver com a língua inglesa:

» Como eu me tornei fluente em inglês?
» Atividade para Desenvolver a Fluência
» Como manter a fluência em inglês?
» Dicas Para Aprender Inglês Mais Rápido
» Dicas Para Melhorar a Escrita em Inglês
» Dicas Para Melhorar o Listening em Inglês

Organize-se

Ok! A internet possui inúmeros recursos. A vontade que dá é a de sair baixando tudo que encontramos, não é mesmo? Cuidado! Não seja um acumulador! Organize-se! [Leia: Quer Aprender Inglês? Não Seja um Acumulador!]

Se você seguir a dica sobre conhecer o exame, poderá organizar e adquirir seu material de estudos de acordo com o que é pedido no exame. Por falar em adquirir material de estudos, saiba que há livros e sites que dão dicas e atividades para você praticar e aprender mais sobre cada exame. [Leia: Livros Preparatórios para o TOEFL]

Conhecer o exame, saber como ele funciona e investir em um material preparatório ajudará você manter-se organizado com muito mais facilidade. Depois é só manter o foco e a disciplina nos estudos.

Gramática: o que estudar?

Qual o conteúdo gramatical a ser estudado? Que gramática cai nesses exames?

Bom, sobre gramática cai de tudo. Infelizmente, não tem como dizer o que cai e o que não cai.

Você vai fazer um exame de proficiência em inglês. Portanto, espera-se que você esteja preparado para tudo. Claro que você não sabe tudo (nem eu sei!); logo, a solução é estudar um pouco de tudo e de tudo um pouco. Aqui a ideia de envolver-se com a língua ajuda bastante.

Mas, lembre-se que não é preciso ser um expert em gramática normativa (entender dos tecnicismos linguísticos). O que você precisa aprender é como a gramática ocorre naturalmente em textos falados e escritos e assim saber interpretar corretamente o que lê e ouve.

Conclusão

Como você pode ver, para passar no TOEFL ou IELTS é preciso se dedicar. Essa dedicação não se refere apenas apenas ao estudo de inglês; mas também ao estudo do exame, ou seja, saber como cada exame funciona. O maior desafio é vencer a ansiedade e a apreensão e fazer a prova com calma. Para isso, quanto mais preparado você estiver melhor. Espero que as dicas acima sejam úteis em sua preparação.

Até a próxima! 😉

Livros Preparatórios Para TOEFL

TOEFL /ˈtoʊfəl/ é a abreviação para Test of English as a Foreign Language (Teste de Inglês como Língua Estrangeira). Trata-se de um dos exames mais exigidos pelas universidades americanas e programas de mestrado e doutorado aqui no Brasil. Portanto, caso você esteja pensando em algo mais acadêmico, certamente precisará fazer esse exame. Na dica de hoje, vamos falar um pouco sobre ele.

O TOEFL tem três formatos: o Internet-Based Test, IBT, o Computer-Based Test, CBT, e o Paper-Based Test, PBT. Desde 2005, o formato IBT vem susbstituindo o CBT e o PBT. Ou seja, no futuro o teste só existirá em sua versão online – IBT.

No formato IBT, o teste avalia as habilidades de escrita (writing), leitura (reading), compreensão oral (listening) e comunicação oral (speaking). Já no formato PBT, as provas são de listening, reading comprehension, writing e structure and written expression. O formato CBT já é tão raro que nem vale a pena falar dele.

Na teoria qualquer pessoa pode fazer o TOEFL. Afinal, ele não reprova ninguém. Mas, na prática é bom ter conhecimento da língua para alcançar uma boa pontuação. Essa pontuação vai de 0 a 120. E com ela em mãos você tem uma ideia de como está o seu inglês de acordo com esse exame.

Livros Preparatórios para TOEFLPara alcançar uma boa pontuação, é preciso ter conhecimento da língua é importante. Portanto, você precisa estudar gramática, melhorar o vocabulário, escutar inglês com frequência, ter o hábito de escrever em inglês, comunicar-se em inglês e tudo mais. Enfim, você precisa estar em contato com a língua, usá-la, envolver-se com ela para, assim, se sentir mais confiante ao fazer o teste.

Além de conhecimento da língua, é bom também conhecer a mecânica de cada parte do teste. Ao saber como o teste se desenvolve, o tempo necessário para cada parte, o modelo das questões e coisas assim, você consegue administrar o tempo e aumentar as chances de melhorar a pontuação. Portanto, a própria ETS, empresa que administra e aplica o TOEFL mundialmente possui uma série de livros para deixar o candidato mais à vontade. Dois desses livros são:

Eles têm também um pacote com vários livros dentro. A compra do pacote sai mais em conta do que comprar vários livros separados. Conheça o TOEFL® Value Pack Plus aqui.

Se você quiser pode ainda adquirir volumes diferentes do TOEFL® Practice Online, que são testes oficiais comercializados para ajudar os candidatos a praticarem com provas anteriores do exame. Para saber mais clique aqui. Há ainda outros livros específicos no site da ETS, para ver a lista clique aqui.

Você pode ainda baixar alguns materiais gratuitamente. Um destes é o TOEFL® Test Prep Planner, material com dicas de planejamento e organização dos estudos. Para baixá-lo em formato PDF, clique aqui. Além desse, a ETS disponibiliza também provas para download gratuito nesta página.

Você pode comprar esses livros no site da ETS ou Amazon. O Submarino também constuma ter material voltado para o TOEFL. As grandes livrarias do Brasil também possuem inúmeros títulos voltados para que está se preparando para o TOEFL. Uma rápida busca no Google com as palavras TOEFL study material resultará em uma lista de sites que oferecem dicas e provas gratuitamente.

É isso! Caso você esteja se preparando para o TOEFL, material de estudo é o que não falta. Só falta você se organizar, estudar e fazer a sua parte. Afinal, depende mais de você mesmo do que de qualquer outra coisa ou pessoa. Minha última dica para você é a seguinte: entre no site da ETS e veja lá todas as informações que ele dão sobre o exame. Tem muita coisa! Acesse aqui!

Common European Framework: o que é?

O que é esse tal de Common European Framework of Reference for Languages? Qual a importância dele? Como ele afeta ou não o seu aprendizado de inglês? Como ele ajuda você a identificar seu nível de inglês? Abaixo vou falar tudo o que você precisa saber sobre esse documento, então vamos lá.

Common European Framework: o que é?

O Common European Framework of Reference for Languages, geralmente abreviado para CEF, é um documento que foi elaborado pelo Conselho Europeu. Ele faz parte do projeto Language Learning for European Citizenship (Aprendizado de Línguas para a Cidadania Europeia) entre os anos de 1989 e 1996.

De modo bem resumido, o Common European Framework estabelece algumas diretrizes básicas para o ensino de línguas nos países da comunidade europeia e também os níveis dos estudantes de línguas. Nele há seis níveis de desempenho linguístico: A1, A2, B1, B2, C1 e C2. Sendo que A1 é o básico e o C2 é o Mastery (proficiência alta).

A ideia principal por trás desse documento era justamente o de ter um método de avaliação e ensino que se aplicasse a todos os idiomas dos países membros da Comunidade Europeia. A ideia deu certo e em 2001 uma Resolução do Conselho Europeu recomendou o uso do Common European Framework para regulamentar os sistemas de validação das habilidades linguísticas nas universidades, empresa e escolas da Europa. Desta forma, os seus seis níveis de referência se tornaram amplamente aceitos como padrão para nivelar o grau de conhecimento que uma pessoa possui de outra língua.

Sucesso do Projeto

Common European FrameworkDevido à seriedade e comprometimento científico do projeto, muitas instituições, empresas e ONGs no mundo todo têm adotado o Common European Framework como padrão na definição de níveis dos cursos de idiomas por eles oferecidos. No entanto, muitas instituições não mudaram os nomes de seus níveis. O que eles fizeram foi apenas estabelecer a correspondência entre os níveis oferecidos pela instituição.

Ou seja, a Escola de Inglês Happy People (nome hipotético) pegou as orientações do CEF e os adequou aos seus níveis. Na Happy People, o nível Elementar equivale ao nível A1 do CEF. Já o nível Básico corresponde ao A2 do CEF. Por sua vez, o nível Pré-Intermediário está de acordo com o nível B2 do CEF e assim em diante. Muitas escolas de idiomas no mundo todo, bem como editoras de materiais de inglês, usam os níveis do Common European Framework como referência. Isso acaba dando certa uniformidade nos níveis de aprendizado de inglês (ou qualquer outra língua)

Como são os níveis?

Como dito acima, há no Common European Framework seis níveis. De modo mais detalhado, são eles:

A (Basic User – Usuário Básico)

  • A1 – Breakthrough
  • A2 – Waystage

B (Independent User – Usuário Independente)

  • B1 Threshold
  • B2 Vantage

C (Proficient User – Usuário Proficiente)

  • C1 Effective Operational Proficiency
  • C2 Mastery

Assim, os níveis A são os básicos, os níveis B são os intermediários e os níveis C são os avançados/proficientes.

Cada um desses níveis possuem uma descrição. Para saber mais sobre elas, recomendo que leia a dica que já escrevi aqui sobre os níveis do CEF. Nela falo detalhadamente sobre cada nível.

Conclusão

O interessante de conhecer o Common European Framework é justamente o de saber em que nível você realmente se enquadra de acordo com um documento internacional. Portanto, vale a pena conhecê-lo.

Se você está no nível intermediário do seu curso de inglês, você pode ler a descrição dos níveis no Common European Framework e assim saber se você está realmente no nível intermediário. Muitas pessoas se surpreendem com os resultados. Sem contar que ele também ajuda você a estabelecer objetivos no que diz respeito a aprender inglês.

Assim sendo, entenda melhor como ele funciona e continue aprendendo inglês.

» Você pode ler mais sobre o Common European Framework na Wikipedia.

Os Níveis do Common European Framework

Quais são os níveis do Common European Framework? O que é esperado em cada um dos níveis do Common European Framework? Como é que os níveis do Common European Framework podem ajudar você no seu aprendizado (desenvolvimento) da língua inglesa? É sobre isso que vou falar neste texto.

Os Níveis do Common European Framework

Em um texto anterior, expliquei de modo bem resumido o que é o Common European Framework. Nela, mencionei os 6 níveis de conhecimento linguístico (qualquer língua) que o CEF reconhece: A1, A2, B1, B2, C1 e C2. Sendo que o A1 é o nível mais básico e o C2 o nível mais proficiente.

No entanto, saber só isso não ajuda muito. O melhor de tudo é entender o que é esperado de cada um dos níveis do Common European Framework. No documento, são descritas as habilidades linguísticas (can dos) esperados de cada nível. Portanto, abaixo seguem as descrições para cada um desses níveis.

Nível A1

Neste nível espera-se que o estudante de inglês seja capaz de compreender e usar expressões comuns no dia-a-dia. Assim como, fazer uso de frases bem básicas com o objetivo de satisfazer as necessidades primárias da comunicação. Além disso, o estudante deve conseguir fazer uma breve apresentação sobre si mesmo e também apresentar outras pessoas. O estudante sete nível deve ainda fazer e responder perguntas pessoais simples. Tem ainda de ser capaz de falar sobre pessoas que conhece e sobre as coisas que possui. De modo geral, deve saber interagir de forma bastante simples desde que a outra pessoa fale devagar e claramente.

Nível A2

Os Níveis Common European FrameworkNeste nível, o estudante deve ser capaz de compreender sentenças e expressões frequentemente relacionadas às áreas de importância primária. Ou seja, saber comunicar informações pessoais e familiares básicas, fazer compras, descrever a geografia local, falar sobre seu trabalho. Deve ainda ser capaz de se comunicar em tarefas simples e rotineiras desde que estas requeiram uma troca simples e direta de informações sobre assuntos rotineiros e conhecidos. Por fim, deve também ser capaz de descrever em termos simples, aspectos de sua formação (background), o ambiente em que vive, e assuntos nas áreas de necessidade primária e imediata.

Nível B1

Ao alcançar o nível B1, o estudante deve ser capaz de compreender os principais pontos sobre assuntos de seu conhecimento. Temas normalmente encontrados na escola, trabalho, lazer, etc., não causam dificuldades para este estudante. Ele também deve saber lidar com a maioria das situações que possam surgir durante uma viagem ao país no qual o idioma é falado. Também deve ser capaz de produzir textos simples sobre temas que sejam familiares ou de interesse pessoal. O estudante deve ainda ser capaz de descrever experiências e eventos, sonhos, esperanças e ambições, bem como dar breves razões e explicações para suas opiniões e planos.

Nível B2

Espera-se, neste nível, que o estudante consiga compreender as principais ideias de textos complexos. Neste caso, os tópicos podem ser concretos ou abstratos. Inclui-se também discussões técnicas na sua área de especialização. Ele deve ainda ser capaz de interagir com um grau de fluência e espontaneidade que torna possível a interação regular com os falantes nativos do idioma sem que haja tensão mental de cada participante do ato comunicativo. O estudante tem ainda de ser capaz de produzir textos claros e detalhados sobre uma variada gama de assuntos. E deve também ser capaz de explicar o ponto de vista de um tópico oferecendo as vantagens e desvantagens do mesmo.

Nível C1

Já neste nível o estudante deve ser capaz de compreender ampla gama de textos longos e complexos, e reconhecer o significado implícito dos textos. Ser ainda capaz de se expressar fluente e espontaneamente sem demonstrar que está procurando as expressões que usa. Ele deve usar o idioma de modo flexível e eficiente para fins sociais, acadêmicos e profissionais. Na escrita, ele tem de produzir textos claros, bem estruturados e detalhados sobre temas complexos, demonstrando ter controle dos padrões organizacionais e estílisticos.

Nível C2

Por fim, no nível C2, o estudante deve ser capaz de compreender com facilidade praticamente tudo o que ouve e lê sem dificuldades. Tem ainda de ser capaz de resumir informações de diferentes fontes faladas e escritas. Ser capaz de reconstruir argumentos e relatos de forma coerente. Consegue também se expressar espontaneamente, de modo bastante fluente e preciso, identificando as entrelinhas do que é dito ou escrito nas mais complexas situações.

Conclusão

Essa é a definição mais detalhada possível sobre os níveis do Common European Framework. Você pode ler essas descrições e assim identificar o que é capaz de fazer com o inglês que você aprendeu até aqui. Fazendo uma avaliação e comparação, qual é o seu nível? Onde você melhor se encaixa?

Veja que os níveis do Common European Framework não falam nada sobre gramática (regras e termos técnicos). Nem fala também sobre quantidade de palavras que você deve saber. Na verdade, os níveis do Common European Framework avaliam o estudante na questão comunicativa. Ou seja, ele mostra o que cada um deve ser capaz de fazer com a língua para fins comunicativos.

Isso ajuda você a estabelecer alguns objetivos mais interessantes no seu aprendizado de inglês. Portanto, é só pegar essas descrições, identificar o seu nível e criar um roteiro de estudos que ajude você a atingir cada um deles. Claro que você não vai aprender tudo de uma hora para outras; mas, quanto mais praticar, melhor.

Espero que você tenha entendido mais sobre os níveis do Common European Framework. Agora, cabe a você tomar uma decisão sobre o que fazer com essas informações.

Bye, bye! Take care! And, keep learning!