Qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado?

Qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado? Recentemente, fizeram-me esta pergunta. por acreditar que se trata de um assunto interessante, decidi compartilhar algumas respostas aqui.

Então, vamos lá!

Qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado?

Durante muitos anos, esses eram os três níveis usados para classificar os estudantes de inglês.

Boa parte das escolas sempre usou essa nomenclatura em seus programas. Algumas incluem outras nomenclaturas como pré-intermediário, pós-intermediário, pré-avançado, pós-avançado.

Enfim, essa salada de níveis sempre confunde todo mundo. Então, para facilitar, vamos usar como referência um documento conhecido como Common European Framework of Reference for Languages (CEF).

Esse documento estabelece algumas diretrizes básicas para o ensino de línguas nos países da comunidade europeia e também os níveis dos estudantes de línguas.

No CEF, há seis níveis: A1, A2, B1, B2, C1 e C2. Simplificando, podemos fazer a seguinte correlação:

  • os níveis A1 e A2 equivalem ao básico (beginner)
  • os níveis B1 e B2 equivalem ao intermediário (intermediate)
  • os níveis C1 e C2 equivalem ao avançado (advanced)

Para entender melhor o CEF, leia a dica Common European Framework: o que é?

Entendendo cada nível

Qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado?

Levando em consideração o que o CEF estipula, podemos ter uma noção sobre qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado. Portanto, vamos vê-los separadamente.

Nível Básico (A1 e A2)

No primeiro nível, a pessoa deve ser capaz de compreender e usar expressões comuns do dia a dia. O objetivo é o de satisfazer as necessidades básicas da comunicação. Ela deve ser capaz de apresentar si mesma e outros brevemente (nome, idade, profissão). Deve ser capaz de fazer e responder perguntais pessoas simples, falar o que tem e interagir de modo bastante elementar desde que a outra pessoa fale devagar e claramente.

Já no segundo nível, a pessoa deve saber comunicar informações pessoais e familiares básicas, fazer compras, descrever a geografia local, falar sobre seu trabalho. Deve ainda ser capaz de se comunicar em tarefas simples e rotineiras desde que estas requeiram uma troca simples e direta de informações sobre assuntos rotineiros e conhecidos. Por fim, deve ser capaz de descrever em termos simples, aspectos de sua formação e o ambiente em que vive.

Nível Intermediário (B1 e B2)

No nível B1, A pessoa deve ser capaz de compreender os principais pontos relacionados a assuntos de seu interesse: estudos, trabalho, lazer, etc. deve ainda ser capaz de falar com naturalidade sobre esses assuntos. Ela também deve saber lidar com a maioria das situações que possam surgir durante uma viagem ao país no qual o idioma é falado. Ser capaz de produzir textos simples sobre temas que sejam familiares ou de interesse pessoal. Ela deve ainda descrever rapidamente experiências e eventos, sonhos, esperanças e ambições, bem como dar breves razões e explicações para suas opiniões e planos.

Já no B2, espera-se que a pessoa compreenda as principais ideias de textos complexos: sejam tópicos concretos ou abstratos. Inclui-se também aí discussões técnicas na sua área de especialização. Ela deve ser capaz de interagir com um grau de fluência e espontaneidade que torna possível a interação regular com os falantes nativos do idioma sem que haja tensão mental de cada participante. A pessoa deve ainda ser capaz de produzir textos claros e detalhados sobre uma variada gama de assuntos. E também ser capaz de explicar o ponto de vista de um tópico oferecendo as vantagens e desvantagens do mesmo.

Se formos bem criterioso nesse assunto, podemos dizer que o nível B2 já é o nível avançado na maioria das escolas (franquias) de inglês no Brasil. Ou seja, nem ao menos chegam aos próximos níveis do CEF: o C1 e o C2.

Outra observação a ser feita é que ao longo dos estudos, muitos estudantes de inglês – mesmo estando teoricamente no nível avançado – se veem empacados no nível intermediário. Ou seja, vivem presos no nível B1 ou entre o B1 e o B2.

» Leia também: Platô Intermediário no Inglês

Nível Avançado (C1 e C2)

No nível C1, a pessoa deve ser capaz de compreender uma ampla gama de textos longos e complexos, e reconhecer o significado implícito dos textos. Ser ainda capaz de se expressar fluente e espontaneamente sem demonstrar que está procurando as expressões que usa. Ela deve usar o idioma de modo flexível e eficiente para fins sociais, acadêmicos e profissionais. Na escrita, ele tem de produzir textos claros, bem estruturados e detalhados sobre temas complexos, demonstrando ter controle dos padrões organizacionais e estílisticos.

Então, chegamos ao C2. Nível no qual a pessoa deve ser capaz de compreender com facilidade praticamente tudo o que ouve e lê sem dificuldades. Tem ainda de ser capaz de resumir informações de diferentes fontes faladas e escritas. Ser capaz de reconstruir argumentos e relatos de forma coerente. Ela também deve ser capaz se expressar espontaneamente, de modo bastante fluente e preciso, identificando as entrelinhas do que é dito ou escrito nas mais complexas situações. Ou seja, o avião está caindo e a pessoa continua falando inglês de modo natural.

Resumindo isso tudo

Para entender qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado é preciso – em minha humilde opinião – entender cada uma dessas habilidade descritas no CEF.

Veja ainda que não se trata de saber (apenas) tópicos gramaticais. Ou seja, não definimos cada nível dizendo que o básico sabe o verbo to be, o intermediário sabe o present perfect e o avançado sabe o mixed conditionals.

Também não basta decorar palavras isoladamente, palavras raras, phrasal verbs ou expressões idiomáticas.

O que diferencia um nível do outro é a habilidade comunicativa. Isto é, ser capaz de se comunicar em situações específicas.

Dizer qual é a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado não é tarefa tão simples. Temos de levar em conta uma série de fatores. No entanto, os parâmetros estabelecidos pelo CEF ajudam profissionais de ensino de inglês e estudantes a saber onde estão.

Além disso, esse documento também ajuda a criar um roteiro de estudos. Esse roteiro não se baseará apenas em regras gramaticais e palavras isoladas. Na verdade, ele se baseará em situações do cotidiano.

Acho que isso é tudo! Eu acredito que agora você tem uma ideia mais clara sobre qual a diferença entre o inglês básico, intermediário e avançado. Portanto, anote isso tudo. Crie um roteiro de estudos baseado nele. E, ano desista.

» Leia mais: