“Empathy” ou “Sympathy”?

Duas palavrinhas em inglês que causam dor de cabeça em alunos de nível intermediário e avançado são “empathy” e “sympathy”. A coisa complica um pouco mais quando usamos os adjetivos “empathic” e “sympathetic”. Se você já se enrolou com essas palavras alguma vez, vamos ver se com a dica de hoje desenrolamos isso.

Para início de conversa “empathy” é muito fácil de entender. Isso porque significa o mesmo que “empatia”. Ou seja, refere-se ao fato de uma pessoa entender a situação de alguém e se colocar (se imaginar) na mesma situação. Logo, alguém que é “empathetic” compreende e até chega a sentir as mesmas sensações (sentimentos) da outra pessoa. Em português, “empathetic” significa “empático”.
Já “sympathy” refere-se fato de compreendermos uma dor, sofrimento, alheio mais ainda assim não nos colocamos na mesma situação da outra pessoa. Em português, algumas equivalências para “sympathy” são “compaixão”, “piedade”, “pena”, “comiseração”. O adjetivo é “sympathetic” será “solidário”, “compreensivo”.
Caso isso ainda esteja confuso, deixe-me dar algumas situações e assim resolver a dúvida.
Digamos que você luta dura muito tempo para perder peso. Você faz dietas, atividades físicas, muda sua rotina e tudo mais o que é necessário para perder peso. Você passa por todo o processo e atinge o seu objetivo. Você sabe o quanto isso é penoso.
Depois de algum tempo, uma amiga sua diz que está no mesmo processo. Ou seja, ela começou a fazer dieta, atividades físicas, etc., para também perder peso. Você que já fez tudo isso sabe que é preciso determinação e força de vontade para chegar lá . Levando em conta o que você passou, você poderá dizer:
  • Well, it’s not easy, you know. You have to be determined and focused. It might be difficult, but it’s really worth doing it. (Bom, isso não é nada fácil, entende? Você tem de ser determinada e focada. Pode até der difícil mas vale muito a pena.)
Nesse caso, você está sendo “empathetic”. Ou seja, você compreende o que a outra pessoa está passando por também já ter passado por isso. Ao dizer as palavras acima você relembra como foi com você, pensa nos sacrifícios, nas privações, nos exercícios que tinha de fazer e coisas do tipo. Portanto, você se coloca no lugar da outra pessoa e compreende as dificuldades pela qual ela está passando.
Agora, eu estou aqui tranquilo vendo isso tudo. Nunca fiz dieta, nunca me preocupei em fazer atividades físicas e acho que não preciso perder peso. Nunca passei pelo que você passou e sua amiga está passando agora. Eu escuto a conversa de vocês e digo,
  • Yeah, losing weight is really hard. You have to do things that you may not be used to. You also have to avoid eating things that you love. I can imagine how hard that is. (É, perder peso é mesmo muito difícil. A pessoa tem de fazer coisas que não está acostumada a fazer. Tem de evitar comer coisas que adora. Eu consigo imaginar que seja algo mesmo díficil.)
Eu estou sendo “sympathetic”. Isso porque eu entendo que perder peso é algo difícil, mas eu nunca precisei fazer isso. Nunca passei pela mesma situação de vocês. Eu apenas compreendendo, mas nunca estive e nem consigo me imaginar na mesma situacão de vocês.
Essa é a diferença entre “empathy” e “sympathy” ou “empathetic” e “sympathetic”. Acrescento ainda que essa é a diferença entre os verbos “empathize” (sentir empatia – compreender e colocar-se na situação do outro por já ter vivenciado algo semelhante) e “sympathize” (sentir compaixão – compreender a situação do outro e solidarizar-se com ele).
Deixe-me dar outro exemplo. Quando alguém diz “I’m sorry for your loss. It’s really a difficult time. So, in case you need any help, just let me know, ok?”. Aqui a pessoa está sendo “sympathetic”. Ela entende a dor pela perda de um ente querido e oferece ajuda à outra pessoa. Ela apenas solidariza-se com a outra pessoa.
Por outro lado, se a pessoa diz “I’m sorry for you loss. I feel and understand your pain. My mother passed away last year as well. It’s not easy to deal with this.” Nesse caso a pessoa está sendo “empathetic”; pois, visto que ela passou por uma situação idêntica (a perda da mãe), ela não só compreende mas também sente a dor da outra pessoa. Afinal, ela revive o sofrimento pelo qual ela mesma passou.
Vale ainda dizer que essas palavras não são usadas para falar apenas de coisas más que acontecem na vida de alguém. Elas podem ser usadas também para coisas boas: passar em um concorrido vestibular de medicina em uma faculdade de renome, ganhar um prêmio, ter o primeiro filho ou filha, etc. Por fim, anote aí que “empathy” e seus derivados (empathic e empathize) são também usados quando alguém realmente sente (vivencia) a situação da outra pessoa mesmo sem ter passado por algo semelhante. Nesse caso, trata-se de um nível elevado de sentimento possível de acontecer.
Espero ter deixado isso claro! Caso contrário, deixe seu comentário clicando aqui e a gente vai conversando mais sobre isso, ok? Take care you all!
  • http://www.blogger.com/profile/04303694640056824497 Patricia

    Ola Denilso. Hei de confessar que este post foi um dos mais bem escritos e intrigantes ate hj (se eh que da para fazer comparacoes). Super bem explicado. Parabens! Vou levar a mensagem para meus alunos.Unica coisa que achei que deixou um pouco a desejar foi o final, no qual vc escreveu "empathy” e seus derivados (empathic e empathize) são também usados quando alguém realmente sente (vivencia) a situação da outra pessoa mesmo sem ter passado por algo semelhante. Nesse caso, trata-se de um nível elevado de sentimento possível de acontecer".Em algumas "simples linhas" vc acabou revelando outra maneira de uso para o "empathy" na qual vc acaba "indo contra" o que havia escrito no comeco de que o empathy refere-se que vc ja passou pela situacao que a pessoa esta passando (vamos dizer assim). Eh possivel vc aprofundar um pouco mais neste caso do empathy em que a pessoa sente o que a outra esta passando SEM ter passado por algo semelhante?E ai, qual eh entao a diferenca NESTE CASO entre o empathy e sympathy?

  • http://www.blogger.com/profile/10679697389014921166 Denilso de Lima

    Minha querida Patrícia,Muito obrigado pelos elogios. É sempre bom saber que um texto que aparentemente parecia ser tão simples, acaba causando um impacto positivo em quem lê.Confesso que sua decepção – so to speak – com o final do texto é a mesma minha como autor. Portanto, posso dizer que rola aí uma certa "empathy". :-)De acordo com alguns especialistas na área da Psicologia, algumas pessoas são extremamente emotivas e sensíveis à dor e sofrimento alheio. Por exemplo, minha esposa ao ver um mendigo nas frias noites do inverno de Curitiba entra em um estado de compaixão tão grande que parece vivenciar (sentir na pele) o que esse pessoal sente. No começo, quando ela falava que sentia o frio deles e sentia o sofrimento que deve ser para eles, eu achava estranho. Pois minha esposa nunca morou nas ruas. No entanto, ela somatiza (em um grau menor claro) esse sofrimento vivenciado pelos mendigos.Nesse caso, eu digo que minha esposa está sendo "empathetic". Pois, ela não sente apenas pena por esse pessoal. Ela simplesmente vivencia, por alguns instantes, essa situação de tal maneira ao ponto de deixá-la depressiva, pensativa e calada por alguns instantes. É nesse momento que a palavra "empathy" e seus derivados entram em cena. O nível de "sympathy" (compaixão) que ela sente é imenso e, portanto, não dá para dizer que ela está sendo apenas "sympathetic", mas ela vai além.Muitas pessoas são "sympathetic" em relação ao problema da fome nos países africanos. Nós entendemos a situação e sentimos dó (pena) das crianças que vivem lá e passam por isso. Outras pessoas, por outro lado, vão além da pena e se sentem como se estivessem vivenciando (experimentando) aquela privação, mesmo sem nunca ter passado por tal grau de inanição na vida. Essas pessoas são, portanto, "empathetic". Os sites que explicam isso para a população falante de inglês como língua nativa também se enrolam nas explicações. Mas, de acordo com os sites de Psicologia, essas seriam as diferenças e usos das palavras. Para quem gosta de ler sobre Inteligência Emocional (Daniel Goleman) isso pode parecer simples. Pois na teoria da Inteligência Emocional, a pessoa deve ter "empathy" ao se relacionar com as pessoas em determinada situação. Ou seja, temos de nos colocar no lugar da outra pessoa e procurar sentir o que ela está sentindo. Psicologicamente falando o conceito é bem estranho, mas faz sentido. Esperto ter conseguido me explicar melhor. Qualquer coisa, estamos por aqui.Denilso de LimaCurta nossa fanpage no Facebook

Denilso de Lima 23/03/2012